20.5 C
Vitória
quarta-feira, 6 julho 2022

Páscoa é maior do que pandemia e guerras

Uma celebração cristã que recupera, aos poucos, aquela atmosfera de alegria e esperança perdidas durante a pandemia e a guerra na Ucrânia

Por Lilia Barros

Assim como a Páscoa marcou o fim de um tempo sombrio na história dos judeus; assim como aquele povo fez um longo percurso até alcançar a liberdade que tanto sonhava; assim como a páscoa tem seu significado maior na passagem da morte para a vida por meio da ressurreição de Jesus Cristo, assim também o mundo está finalizando um percurso obscuro, de dor e incertezas, para redescobrir sonhos, reiniciar caminhos e reescrever histórias. Jesus vive! O tempo de cantar chegou!

Nos dois últimos anos quando a pandemia assolou o mundo, a atmosfera de celebração da páscoa e outras datas festivas foi dando lugar a um sentimento crescente de medo, insegurança e desânimo. Contudo, os mais de 600 mil mortos pelo coronavírus no Brasil, os milhares pela guerra Rússia e Ucrânia e os milhões de refugiados de suas terras não tirou o brilho do significado da páscoa, uma das festas mais importantes para os cristãos, pois celebra a vitória de Jesus Cristo sobre a morte, com o intuito de libertar a humanidade do pecado fazendo a passagem da morte para vida. A páscoa judaica comemora a libertação do seu povo, que era escravizado. A páscoa em quase todos os países comemora a libertação de uma doença pior que a da Covid-19 e maior do que as forças das tropas russas sobre os ucranianos. É a verdadeira festa dos que crêem em Deus e celebram o simples fato de estarem vivos.

O pastor Aloísio Luz Campanha, dos Estados Unidos, considera ser a dádiva da vida motivo suficiente para festejar e agradecer. “Estar vivo hoje já é motivo de celebração. Deus não terminou o projeto dele conosco, ele não nos joga na lata do lixo, não desiste de nós, muitos se foram mas nós estamos aqui para ressurgir dentro de um novo propósito. Comemoramos cada dia como se fosse um presente único de Deus para a nossa existência, afinal Deus nos poupou. Tem guerra no mundo mas nós temos paz no coração; tem faraós querendo nos escravizar mas tem um Deus que é o Deus da liberdade, por isso temos motivos para reanimarmos uns aos outros. A páscoa tem o sentido de passar por cima dessas coisas que quer nos fazer olhar para trás. É um momento de reflexão, em que o mundo pára como foram nas grandes catástrofes, como foi em 2001 aqui nos Estados Unidos quando as torres foram abaixo e o país parou e muitos procuraram uma igreja depois disso porque essas coisas nos fazem refletir. Somos o povo da esperança, o povo da paz, somos quem chega onde o Estado talvez não pode chegar. Podemos sempre levar uma mensagem de fé e esperança. A igreja é a solução para esse mundo que está em guerra não somente com armas, mas também guerra emocional e espiritual. A igreja tem uma resposta, a igreja aponta para alguém que é maior do que tudo isso que está acontecendo por permissão Dele. Temos a responsabilidade de levar a palavra dele, Deus não tem um plano b, ele conta conosco para reverter cenários desoladores”, afirmou o pastor.

A Páscoa é uma celebração cristã comemorada anualmente em um domingo, entre os dias 22 de março e 25 de abril. A data marca o fim da chamada Semana Santa, que se inicia no Domingo de Ramos e termina no Domingo de Páscoa. Tem origem judaica e chamava-se Pessach, que significa “passagem”.

Passagem, ou travessia, significa o percurso feito pelos judeus depois de alcançarem a liberdade após um longo período em que foram escravizados. Libertos, os judeus fizeram a travessia do Mar Vermelho em busca da chamada Terra Prometida, de acordo com a promessa feita por Deus. Para os cristãos, a Páscoa, significa a passagem da morte para a vida, ou seja, a ressurreição de Jesus Cristo.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se