Páscoa marcada por atentados à igrejas no Sri Lanka

Foto: Reuters/Stringer

Quase 300 pessoas foram mortas e 500 ficaram feridas. O governo decretou estado de emergência a partir da meia-noite (15h30 de Brasília)

Três igrejas foram alvo de ataques terroristas no Sri Lanka, ontem (21) durante as celebrações do domingo de Páscoa. Também foram registradas explosões em quatro hotéis e em um complexo residencial.

Até o início da manhã de hoje (22), o número de mortos nos atentados está em 290, informou a polícia. Cerca de 500 pessoas ficaram feridas.

Em alerta

O governo do Sri Lanka decretou estado de emergência a partir da meia-noite (15h30 de Brasília) e bloqueou as mídias sociais para que não circulem notícias falsas sobre os atentados.

Segundo o porta-voz do governo, Rajitha Senaratne, há 14 dias o serviço de inteligência havia detectado que os ataques aconteceriam e acredita-se que eles tenham tido ajuda estrangeira, por isso será solicitada a ajuda de entidades internacionais para ajudar na investigação.

Até o momento 24 pessoas foram detidas. A polícia local também encontrou 87 detonadores de bombas na principal estação rodoviária da capital do Sri Lanka, Colombo, nesta segunda-feira (22).

De acordo com a Reuters, a explosão em uma van ocorreu perto de uma das igrejas que já tinha sido alvo de ataque no domingo. O governo do Sri Lanka decretou um dia de luto nacional para essa terça-feira (23).

O governo local acredita que a maioria das vítimas sejam cidadãos do Sri Lanka. Entretanto, o Ministério das Relações Exteriores do país acredita que 35 estrangeiros estão entre os mortos.

Foto: Reprodução
ATAQUES

Oito explosões foram registradas na capital do Sri Lanka, Colombo, e nas regiões de Katana e Batticaloa por volta das 8h45 (0h15, no horário de Brasília) de domingo (21). O país não registrava um cenário como esse desde o fim da guerra civil há 10 anos.

Os hotéis cinco-estrelas Shangri-La, Kingsbury, Cinnamon Grand e um quarto hotel, todos em Colombo foram atingidos, além de três igrejas onde ocorriam missas de Páscoa. Uma explosão em um complexo de casas também foi contabilizado.

De acordo com o G1, as autoridades acreditam que os ataques foram suicidas e que tenham sido causados por militantes do Estado Islâmico que retornaram do Oriente Médio.

Um explosivo caseiro foi encontrado e desabilitado pela Força Aérea no aeroporto de Colombo e enquanto a polícia buscava por suspeitos ocorreu uma perto do zoológico, no sul de Colombo, e outra no distrito de Dematagoda, que deixaram três policiais mortos.

MÍDIAS SOCIAIS

A fim de evitar notícias falsas acerca dos atentados, o governo do Sri Lanka solicitou o bloqueio das mídias sociais a rede de monitoramento NetBlocks. A empresa informou que esta não é a primeira vez que as mídias sociais são bloqueadas. Em março de 2018, episódios de violência foram registrados e o procedimento foi realizado.

A medida foi adotada temporariamente para acalmar tensões no período de investigações. O governo deseja evitar que boatos alimentem discursos de ódio e gerem mais violência.

A rede informou, ainda, que muitas pessoas reclamam do bloqueio, pois não poderão se comunicar com familiares e nem saber a situação de parentes e amigos após os ataques.

*Com informações de agências de notícias.


Leia mais

Budistas destroem igreja no Sri Lanka