26.5 C
Vitória
quinta-feira, 26 novembro 2020

Para delegado, abordagem de PMs a cliente negro foi ‘inadequada e truculenta’

Leia também

Comissão confirma audiência com Pazuello sobre testes

Os dados sobre prazo de validade dos testes estão registrados em documentos internos do próprio ministério

AstraZeneca admite erro de dosagem em vacina

Os reguladores dos Estados Unidos estabeleceram como padrão para a autorização de vacinas a eficácia de 50%

Expectativa de vida das mulheres continua acima da dos homens, diz IBGE

Em 2019, um homem de 20 anos tinha 4,6 vezes mais chance de não chegar aos 25 anos do que uma mulher da mesma...

Segundo a administração do shopping, ambos trabalhavam para uma “empresa de consultoria de segurança”, que foi afastada

Por Fábio Grellet (AE)

Os dois homens que na última quinta-feira, 6, renderam e ameaçaram um cliente negro do Ilha Plaza Shopping, na Ilha do Governador (zona norte do Rio), prestaram depoimento na segunda-feira, 10, na 37ª DP (Ilha do Governador). Eles foram identificados como os policiais militares Diego Alves da Silva, soldado do Batalhão de Choque, e Gabriel Guimarães Sá Izaú, sargento lotado no programa Segurança Presente.

Segundo a administração do shopping, ambos trabalhavam para uma “empresa de consultoria de segurança”, que foi afastada. Os dois PMs são investigados pelos crimes de racismo e abuso de autoridade contra o jovem Matheus Fernandes, de 18 anos, que trabalha como entregador de comida por aplicativo e foi ao shopping para trocar um relógio numa unidade das Lojas Renner.

Após o depoimento, o advogado Ricardo Chagas, que defende Izaú, afirmou que seu cliente não agrediu Fernandes nem o obrigou a ir até a escada de incêndio – ao contrário do que as imagens demonstram. “O garoto estava filmando ele e ele se sentiu constrangido e foi saber o que estava acontecendo. Ele (Fernandes) não foi agredido, não houve agressão”, afirmou o advogado. “(O PM) não levou para a escada. Não houve, eles caíram. Na hora que ele tirou ele da passagem, ele esbarrou e caiu”, disse.

Chagas negou que o PM tenha discriminado o entregador: “Em hipótese alguma houve ali alguma discriminação. Simplesmente, o rapaz passou por ele, ficou encarando ele e ele falou: ‘pô, o que tá acontecendo?'”, disse o advogado. O outro policial e seu advogado saíram da delegacia meia hora depois e não falaram com a imprensa.

O delegado Marcos Henrique, que investiga o caso, afirmou que “as imagens são muitos claras”: “A abordagem foi uma abordagem inadequada, truculenta. Houve ali um erro de avaliação e eles responderão penalmente por isso”. Segundo ele, os PMs negaram ter abordado Fernandes por ser negro: “Informaram que abordaram Matheus não pela sua cor da pele, deixaram bem claro que agiram em função de algumas circunstâncias: o boné que Matheus usava fazia referência ao chefe do tráfico do Dendê, já falecido, que Matheus passou encarando os policiais e estava filmando”, contou o delegado.

Entenda o caso

Fernandes foi rendido e ameaçado por dois homens que se identificaram como policiais enquanto aguardava atendimento numa unidade das Lojas Renner, dentro do Ilha Plaza Shopping. Armados, os dois homens obrigaram Fernandes a sair da loja e seguir até uma escadaria, onde ele foi ameaçado e teve que entregar a carteira com documentos.

Um segurança do shopping presenciou o episódio, mas não interferiu – segundo o shopping, isso ocorreu porque os dois rapazes se identificaram como policiais. Após protestos dos clientes do shopping, Fernandes foi libertado e a dupla foi embora – segundo a vítima, levando seu cartão bancário.

Fernandes foi ao shopping para trocar um relógio que havia comprado para o Dia dos Pais. Enquanto aguardava o atendimento em um balcão dentro da Renner, foi abordado pela dupla. “Eles tiraram foto minha, e eu senti que tinha alguma coisa errada”, contou o entregador em um vídeo divulgado pelas redes sociais.

“Eles vieram falar que eu era suspeito de furto, porque estava com um relógio, mesmo tendo a etiqueta e a nota fiscal. Aí disseram que eu sou suspeito de furto, e começaram a me segurar, empurrar, balançar. Quando menos esperei, o rapaz da camiseta vermelha me deu uma banda, sacou a pistola pra cima de mim, botou a pistola aqui (aponta a cabeça), pensei que ele ia me matar. Eu comecei a gritar, para ver se alguém que me conhecia tomava alguma providência”.

Imagens do entregador rendido pelos dois rapazes, sob o olhar de um segurança do shopping, foram gravadas e circularam pelas redes sociais.

Em nota, as Lojas Renner disse que “espera que o Ilha Plaza Shopping assuma sua devida responsabilidade no episódio de agressão ao cliente Matheus Fernandes. A empresa também espera que sejam apresentadas ações a serem tomadas para que fatos como este não se repitam”.

A empresa informou que se colocou à disposição da família do cliente para acompanhar o caso e lamentou o episódio. “As investigações estão confirmando que a Renner não tem qualquer responsabilidade em relação ao episódio. A empresa reforça que não compactua com qualquer forma de violência e discriminação. A Renner é uma marca que valoriza a diversidade, que se inspira na igualdade, na pluralidade e no respeito.”

A administração do Ilha Plaza Shopping, que na sexta-feira havia informado que “os agressores não são funcionários do shopping tampouco funcionários da empresa de vigilância do shopping”, no domingo, 9, emitiu nova nota afirmando que “a administração do shopping afastou a empresa de consultoria de segurança contratada”. Os dois PMs fariam parte dessa empresa.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Supremo volta a julgar se injúria racial é crime imprescritível

O caso foi pautado a pedido do relator, ministro Edson Fachin, que observou a 'acentuada repercussão social' do julgamento

Homem negro é espancado e morto por segurança

Agora, a polícia vai analisar as imagens de câmeras de segurança e de testemunhas e vai colher depoimentos

49 declaração racistas foram feitas por autoridades do País

"A imunidade seria para outro fim, mas as autoridades a usam para proferir suas práticas de racismo", comentou Givania Maria da Silva

Procurador federal vê crime em frase de Bolsonaro

Para a sigla, Bolsonaro tem apresentado 'de maneira reiterada e persistente uma postura abertamente homofóbica'

Racismo e violência contra criança e adolescente são desafios do país

Dia do ECA: Estatuto da Criança e do Adolescente foi publicado há exatos 30 anos. Confira!

Ton Carfi sobre o racismo: “podemos vencer”

Durante participação no Programa É de casa, no sábado, 20, Ton Carfi falou sobre o projeto Novos Sonhos, na Cracolândia, em São Paulo e sobre racismo, do qual já foi vítima de preconceito

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

Miniconferência on-line: “Fé e Ciência para Corpos e Mentes”

Cientistas cristãos brasileiros respondem questões de fé e ciência para corpos e mentes. Tema será abordado na mini Conferência online. Saiba mais!

Seminário de ciências bíblicas em edição virtual; começa hoje

Realizado há 20 anos pela Sociedade Bíblica do Brasil, evento incentiva o estudo e capacita líderes sobre o uso da Bíblia.

Grandes artistas do Brasil no “BH profetiza”

Realizado pela cantora Camila Campos, O BH profetiza vai reunir diversos cantores, entre eles Weslei Santos, Gai Sampaio, pastora Helena Tannure e outros. Evento será transmitido ao vivo, nesta terça-feira, 17 

Conferência pastoral Fidelidade Extrema

Realizado pela Associação Evangelística Billy Graham, a Conferência começou hoje, 13 e vai até amanhã. Saiba mais!
- Publicidade -

Plugue-se

Natal dos Ribeirinhos! Ajude as comunidades da Amazônia

Ação, que realizada pela Sociedade Bíblica do Brasil, faz parte da campanha Luz na Amazônia, que promove assistência integral às comunidades ribeirinhas. Saiba mais!

Fernandinho e os 16 anos de Ministério pastoral

Uma das maiores referências musicais no mercado gospel, Fernandinho, completou 16 anos de ministério pastoral: "Quero continuar servindo ao meu Deus e à Sua Igreja!", escreveu o cantor

Primeira brasileira a presidir Tribunal de Apelações da ONU

“Na presidência, quero tentar honrar essa tradição brasileira de boa diplomacia, com respeitabilidade honestidade e boa-fé”, disse a magistrada

Deive Leonardo grava última série do ano: Confira!

Gravação será no dia 12 de dezembro, em São José do Rio Preto (SP). Saiba mais!