24.1 C
Vitória
domingo, 20 setembro 2020

Para delegado, abordagem de PMs a cliente negro foi ‘inadequada e truculenta’

Leia também

Anvisa autoriza que Pfizer dobre número de voluntários em testes para vacina

O laboratório informou que vai expandir o número de participantes do estudo para a vacina, chegando a cerca de 44 mil participantes

Fumaça do Pantanal que chega a SP pode agravar casos de doenças respiratórias

Outra recomendação que Cardenuto indica é a de evitar aglomerações, uma medida que já deveria ser cumprida em função do novo coronavírus

Lava Jato denuncia Cabral e Bezerra por propinas em contratos do DER

Segundo a peça, registros contábeis apreendidos com o operador de Cabral na Calicute mostram que Maciste efetuou, entre 2011 e 2017

Segundo a administração do shopping, ambos trabalhavam para uma “empresa de consultoria de segurança”, que foi afastada

Por Fábio Grellet (AE)

Os dois homens que na última quinta-feira, 6, renderam e ameaçaram um cliente negro do Ilha Plaza Shopping, na Ilha do Governador (zona norte do Rio), prestaram depoimento na segunda-feira, 10, na 37ª DP (Ilha do Governador). Eles foram identificados como os policiais militares Diego Alves da Silva, soldado do Batalhão de Choque, e Gabriel Guimarães Sá Izaú, sargento lotado no programa Segurança Presente.

Segundo a administração do shopping, ambos trabalhavam para uma “empresa de consultoria de segurança”, que foi afastada. Os dois PMs são investigados pelos crimes de racismo e abuso de autoridade contra o jovem Matheus Fernandes, de 18 anos, que trabalha como entregador de comida por aplicativo e foi ao shopping para trocar um relógio numa unidade das Lojas Renner.

Após o depoimento, o advogado Ricardo Chagas, que defende Izaú, afirmou que seu cliente não agrediu Fernandes nem o obrigou a ir até a escada de incêndio – ao contrário do que as imagens demonstram. “O garoto estava filmando ele e ele se sentiu constrangido e foi saber o que estava acontecendo. Ele (Fernandes) não foi agredido, não houve agressão”, afirmou o advogado. “(O PM) não levou para a escada. Não houve, eles caíram. Na hora que ele tirou ele da passagem, ele esbarrou e caiu”, disse.

Chagas negou que o PM tenha discriminado o entregador: “Em hipótese alguma houve ali alguma discriminação. Simplesmente, o rapaz passou por ele, ficou encarando ele e ele falou: ‘pô, o que tá acontecendo?'”, disse o advogado. O outro policial e seu advogado saíram da delegacia meia hora depois e não falaram com a imprensa.

O delegado Marcos Henrique, que investiga o caso, afirmou que “as imagens são muitos claras”: “A abordagem foi uma abordagem inadequada, truculenta. Houve ali um erro de avaliação e eles responderão penalmente por isso”. Segundo ele, os PMs negaram ter abordado Fernandes por ser negro: “Informaram que abordaram Matheus não pela sua cor da pele, deixaram bem claro que agiram em função de algumas circunstâncias: o boné que Matheus usava fazia referência ao chefe do tráfico do Dendê, já falecido, que Matheus passou encarando os policiais e estava filmando”, contou o delegado.

Entenda o caso

Fernandes foi rendido e ameaçado por dois homens que se identificaram como policiais enquanto aguardava atendimento numa unidade das Lojas Renner, dentro do Ilha Plaza Shopping. Armados, os dois homens obrigaram Fernandes a sair da loja e seguir até uma escadaria, onde ele foi ameaçado e teve que entregar a carteira com documentos.

Um segurança do shopping presenciou o episódio, mas não interferiu – segundo o shopping, isso ocorreu porque os dois rapazes se identificaram como policiais. Após protestos dos clientes do shopping, Fernandes foi libertado e a dupla foi embora – segundo a vítima, levando seu cartão bancário.

Fernandes foi ao shopping para trocar um relógio que havia comprado para o Dia dos Pais. Enquanto aguardava o atendimento em um balcão dentro da Renner, foi abordado pela dupla. “Eles tiraram foto minha, e eu senti que tinha alguma coisa errada”, contou o entregador em um vídeo divulgado pelas redes sociais.

“Eles vieram falar que eu era suspeito de furto, porque estava com um relógio, mesmo tendo a etiqueta e a nota fiscal. Aí disseram que eu sou suspeito de furto, e começaram a me segurar, empurrar, balançar. Quando menos esperei, o rapaz da camiseta vermelha me deu uma banda, sacou a pistola pra cima de mim, botou a pistola aqui (aponta a cabeça), pensei que ele ia me matar. Eu comecei a gritar, para ver se alguém que me conhecia tomava alguma providência”.

Imagens do entregador rendido pelos dois rapazes, sob o olhar de um segurança do shopping, foram gravadas e circularam pelas redes sociais.

Em nota, as Lojas Renner disse que “espera que o Ilha Plaza Shopping assuma sua devida responsabilidade no episódio de agressão ao cliente Matheus Fernandes. A empresa também espera que sejam apresentadas ações a serem tomadas para que fatos como este não se repitam”.

A empresa informou que se colocou à disposição da família do cliente para acompanhar o caso e lamentou o episódio. “As investigações estão confirmando que a Renner não tem qualquer responsabilidade em relação ao episódio. A empresa reforça que não compactua com qualquer forma de violência e discriminação. A Renner é uma marca que valoriza a diversidade, que se inspira na igualdade, na pluralidade e no respeito.”

A administração do Ilha Plaza Shopping, que na sexta-feira havia informado que “os agressores não são funcionários do shopping tampouco funcionários da empresa de vigilância do shopping”, no domingo, 9, emitiu nova nota afirmando que “a administração do shopping afastou a empresa de consultoria de segurança contratada”. Os dois PMs fariam parte dessa empresa.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Racismo e violência contra criança e adolescente são desafios do país

Dia do ECA: Estatuto da Criança e do Adolescente foi publicado há exatos 30 anos. Confira!

Ton Carfi sobre o racismo: “podemos vencer”

Durante participação no Programa É de casa, no sábado, 20, Ton Carfi falou sobre o projeto Novos Sonhos, na Cracolândia, em São Paulo e sobre racismo, do qual já foi vítima de preconceito

Cantor Wesley Ros abre o jogo sobre racismo

Pastor e cantor Wesley Ros critica termo “raça negra” como ativismo: “Eu não sou negro, eu sou preto”

Vice-presidente dos EUA pede que igreja combata o racismo

Ao se reunir com líderes evangélicos nos EUA, Mike Pence diz que igreja é lugar certo para falar de racismo

A Igreja tem responsabilidade de lutar contra o racismo

No Brasil, a população negra já conquistou muitos espaços. Mas ainda tem muito o que se fazer por essa população. "A Igreja é uma...

Que racismo! Nem cultura e nem liberdade

A Bíblia é farta em condenar qualquer tipo de racismo

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

Live solidária: artistas em favor da Igreja Perseguida

Denominado de "Seja um com eles", a live solidária é um grito de ajuda a igreja perseguida. Paulo César Baruk, Rebeca Nemer, Eyshila, André Aquino são alguns dos convidados. Saiba mais!

Arte da Graça em casa; Conscientização do setembro amarelo

Em formato online, o evento une shows e workshops incentivando a tolerância, paz e música. Saiba mais!

Aquecimento Sepal 2020, com Edméia Williams e Rodrigo Gomes

Transmissão acontecerá nesta segunda-feira, 14 de setembro, às 19 horas. Saiba como participar!

Encontro nacional Renas: “Ser criança em tempos de incerteza”

É a 13ª edição do Encontro Nacional da Rede Evangélica Nacional de Ação Social (Renas). Evento, que acontece em outubro, será online. Saiba mais!
- Publicidade -

Plugue-se

“Inesquecível”: a história da professora que morreu para salvar crianças

Filme vai contar a história da professora Heley de Abreu, que deu avida para proteger crianças de um incêndio, em Janaúba (MG). Saiba maiws!

Kemuel e Priscilla Alcântara conquistam Platina Triplo

Platina Triplo é uma certificação pelo grande alcance que as canções dos artistas tiveram nas plataformas digitais de música Nesta quinta-feira, 17, Kemuel e Priscilla...

Ajude um cego a ler a Bíblia e ter a vida transformada

A iniciativa quer distribuir a Bíblia para cegos em todo o Brasil e promover a acessibilidade para pessoas com deficiência visual. Saiba mais!

Amanda Loyola, floresce uma potência vocal do gospel

Artista capixaba, que ficou conhecida ao participar do quadro Jovens Talentos, do Programa Raul Gil, já lançou três canções pela Sony.