19.9 C
Vitória
quarta-feira, 25 maio 2022

Pandemia impulsiona os cristãos a mudarem de igreja

Foto: Reprodução

O aumento da rotatividade de membros tem desafiado os líderes no acolhimento e na identificação de quem ainda pertence à congregação

Por Patricia Scott

A pandemia gerou muitos impactos no cotidiano das pessoas, que refletiram em transformações, por necessidade ou por novas prioridades. Repentinamente, mudanças foram essenciais diante do quadro pandêmico. Para muitos cristãos, mudar de igreja se tornou iminente.

O aumento da rotatividade de membros, de acordo com o Christianity Today, tem desafiado os líderes, das diferentes denominações, no acolhimento e na identificação de quem ainda pertence à congregação. Isto porque muitos não estão no nas atividades presenciais, mas permanecem conectados à congregação, virtualmente.

“Cerca de um terço de nossa congregação que cultua pessoalmente são rostos novos”, afirmou o pastor Steve Bezner, ao Christianity Today. O líder da Houston Northwest Church, nos Estados Unidos, percebeu que o rebanho diminuiu e mudar enquanto a igreja enfrentava as restrições do coronavírus.

Atualmente, 1600 fiéis participam dos cultos presenciais da Houston toda semana, segundo o líder religioso, incluindo centenas de pessoas na forma online. De acordo com Steve, os fiéis que saíram da igreja foram substituídos por novos membros, que chegaram.

O pastor revelou que muitos dos novos participantes da igreja moram em um grande complexo de apartamentos do outro lado da rua, onde vivem, principalmente, adultos solteiros. Durante o isolamento social, disse Steve, essas pessoas sentiram o desejo de estarem conectadas a uma comunidade espiritual.

“Elas sentiram a pressão psicológica da solidão e queriam dar uma olhada. Queriam descobrir quem é Deus”, analisou o pastor Steve.

Outro aspecto que precisa ser levado em consideração para a mudança é a questão geográfica. Muitos cristãos que frequentavam congregações distantes de onde moram preferiram buscar igrejas mais próximas. A decisão pode ter sido motivada para evitar grandes deslocamentos em meio à pandemia, como também para se envolver mais profundamente com os irmãos de fé. Por outro lado, para aqueles que estavam insatisfeitos com a igreja, a pandemia acabou impulsionando a procura por outras congregações.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se