back to top
25.9 C
Vitória
quarta-feira, 19 junho 2024

“Palhaça digital”: levando alegria para pacientes hospitalizados

Iniciativa é uma forma segura de continuar a oferecer atendimentos durante a pandemia. Foto: Divulgação/ADRA

A invenção é do grupo Doutores da Esperança, da Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (ADRA). A palhaça digital visita os quartos dos pacientes dos hospitais, levando alegria e bem-estar

Por Priscilla Cerqueira 

Um grupo de humanização hospitalar cristão, conhecido como Doutores da Esperança, resolveu inovar para levar consolo e conforto para profissionais e pacientes de hospitais do Brasil. Trata-se da “Adriana”, uma palhaça digital, que visita os quartos dos pacientes das instituições de saúde.

A ideia surgiu por conta da pandemia. A essência do trabalho do grupo é a utilização da paródia do palhaço que brinca de ser médico no hospital. Como tem sido mais difícil ir até lá, o grupo teve a ideia de criar a palhaça digital.

O Doutores de Esperança, que é mantido pela Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (ADRA), conta com voluntários. Grupo, criado em 2013, atua em hospitais de todo o Brasil e leva alegria para crianças, adultos e idosos hospitalizados, seus acompanhantes e profissionais de saúde.

- Continua após a publicidade -
“Palhaça digital”: levando alegria para pacientes hospitalizados
Foto: Divulgação/ADRA

Inovar para continuar a amar

A palhaça digital é um manequim, que usa os mesmos trajes do grupo e um tablet na altura do rosto. A boneca é levada aos leitos por meio da ajuda de médicos e enfermeiros que fazem parte da equipe da ação. Logo, é estabelecida a conexão entre os Doutores da Esperança, que estão do outro lado da tela, e seus pacientes.

O agente social do projeto, Wescley Ferute, explica que os voluntários passaram por um treinamento para a nova modalidade de atendimento. “Fazemos uma ligação em tempo real. Os voluntários participam da live e levam uma mensagem de alento aos profissionais da saúde, pacientes e familiares nos hospitais”, frisa.

Seja no virtual ou presencial, todos os integrantes são devidamente treinados, passando por cursos de capacitação, interpretação e palhaçaria. O importante é levar esperança e fé ao aflito. “A essência do trabalho é a compaixão e a imaginação, transformando até mesmo um ambiente deprimente como de um hospital em um universo alegre e humanizado”, diz.

Com informações de Notícias Adventistas

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Publicidade

Comunhão Digital

Publicidade

Fique por dentro

RÁDIO COMUNHÃO

VIDA E FAMÍLIA

- Publicidade -