31.9 C
Vitória
domingo, 24 outubro 2021

Pais Desnecessários

Mais Artigos

Vocês se imaginam nesta posição ou vocês já são estas pessoas?

Por Dora Bomilcar

Como fazer um pai ou mãe que desempenha esta função, entender a importância de sermos desnecessários para os filhos com o passar do tempo? Temos aqui uma árdua tarefa.

Li um texto na internet que traz a afirmação de um psicanalista não nomeado que afirma o seguinte:

“Bons pais são aqueles que vão se tornando desnecessários com o passar do tempo. Aqueles que são porto seguro para atracar, mas não para definitivamente ancorar.”

Criar um filho ou uma filha para ser dependente é criar filhos sem autonomia. Alguns pais criam artimanhas inconscientemente para mantê-los perto, fazendo tudo para cortar suas asas, criticando seus esforços, desencorajando os seus projetos e tolhendo suas aspirações. Viverão na nossa dependência financeira, psicológica e afetiva, o que é nocivo para a edificação de suas próprias vidas.

Ser desnecessário é não deixar que o amor incondicional de pais provoque a dependência dos filhos a ponto deles não conseguirem ser autônomos, confiantes, seguros e independentes. Filhos se tornam adultos, constituem a própria família e começam um novo ciclo.

O quanto é terrível para uma mulher entender que ela será necessária por um tempo, que precisamos preparar nossos filhos para vida. O que os filhos precisam é ter a certeza de que estamos lá, firmes, na concordância ou na divergência, no sucesso ou no fracasso, com o peito aberto para o aconchego. Sempre prontos para confortá-los nas horas difíceis.

Eu quero ser uma mãe solidária mas, quero criar meus filhos para serem livres.

Rubem Alves diz em seu artigo “Quando os filhos voam”, a seguinte frase:

“É chegado então o tempo de recolher nossas asas. Aprender a abraçar à distância, comemorar vitórias das quais não participamos diretamente, apoiar decisões que caminham para longe. Isso é amor. ”

Também aprendemos com madre Teresa de Calcutá o seguinte lema:

“Os filhos são como as águias, ensinarás a voar mas não voarão o teu voo. Ensinarás a sonhar, mas não sonharão os teus sonhos. Ensinarás a viver, mas não viverão a tua vida. Mas, em cada voo, em cada sonho e em cada vida permanecerá para sempre a marca dos ensinamentos recebidos. ”

É Importante entendermos que não podemos “consertar” nem “mudar” nossos filhos adultos. Nossa ajuda não pode se transformar em interferência. No salmo 127:4 encontramos: “Como flechas na mão do guerreiro são os filhos nascidos na sua juventude”. Nós pais, somos aqueles que lançamos as flechas. Apenas isto.

Mas quero dizer que … somos necessários sim.

Neste momento da vida somos necessários para orar e amar. Precisamos pedir a Deus clareza e entendimento de quando devemos somente orar e amar. Cabe a nós, portanto, interceder e deixar Deus trabalhar.

Precisamos crer que Deus nos ama e ama também nossos filhos adultos e ouve as nossas orações por eles. Precisamos crer que Deus pode livrar-nos de todos os temores acerca de nossos filhos adultos. Precisamos crer que não importa quais sejam as dificuldades de nossos filhos, Deus é maior do que elas (Lucas 18:27).

Dora Bomilcar é formada em teologia e pedagogia. Apresenta o programa “Conversa Franca” na Rádio Trans Mundial – RTM. Atualmente Coordena o Departamento de Oração na AMTB e faz parte do quarteto do “Elas, por Elas” na IPB3. É casada com o pastor Paulo Andrade

 

 

- Publicidade -

Comunhão Digital

- Continua após a publicidade -

Fique Por Dentro

Entrevistas