18.8 C
Vitória
sábado, 20 agosto 2022

Pais conversadores transmitem a fé com mais facilidade, diz estudo

Foto: FreePik

“Quando se trata de paternidade religiosa, seja prático”, afirma pesquisador, que considera a família como o alicerce da caminhada cristã

Por Patricia Scott 

Um estudo, publicado na revista Sociology of Religion, revela que 30% dos jovens adultos educados por pais religiosos conservadores são mais propensos a frequentar cultos semanais. Um quarto desse público, ou seja, 35%, afirma ainda que a fé é “extremamente” importante em suas vidas. Por outro lado, menos de 20% dos jovens adultos filhos de liberais ou moderados congregam, e apenas 23% consideram a “fé extremamente importante”. 

Na visão de Jesse Smith, que é autor do estudo e Ph.D. candidato em sociologia na Penn State University, os pais religiosos conservadores são mais bem-sucedidos em transmitir a fé, porque são mais propensos a discutir e promovê-la em casa do que os pais religiosos liberais ou moderados.

“Para transmitir a religião, os pais precisam torná-la parte das interações familiares diárias”, argumentou Smith em um resumo de suas descobertas no site do Institute for Family Studies. Segundo ele, se as crianças não recebem uma mensagem clara e consistente de seus pais de que a religião é importante, é provável que simplesmente concluam que não é importante. “[Se] eles não encontrarem religião de maneira séria em casa, é provável que não a encontrem em nenhum outro lugar”, escreveu Smith.

Jesse Smith ressaltou que a religião, nas eras passadas, pode ter sido difundida o suficiente na sociedade para que os pais pudessem supor que as crianças receberiam socialização religiosa de outras pessoas. “No entanto, esse não é o caso na sociedade moderna”.

O pesquisador utilizou dados do National Study of Youth and Religion (NSYR), que envolve entrevistas com os mesmos indivíduos com vários anos de intervalo. Na análise, Smith investigou a ligação entre pais que se identificavam como conservadores, moderados ou liberais quando seus filhos eram adolescentes e quão religiosos esses mesmos filhos eram 10 anos depois na idade adulta.

Smith reconheceu que as crianças, em média, são menos religiosas do que seus pais. De acordo com ele, os pais religiosos conservadores também “enfrentam uma batalha árdua para transmitir a fé”. No entanto, eles estão “administrando esse desafio um pouco melhor do que outros. O segredo é simples: quando se trata de paternidade religiosa, seja prático”.

Com informações The Christian Headlines

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Entre para nosso grupo do Telegram

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se