Retorno à Deus: a oração move o mundo

oração_filho
Para Wedson, o abraço do pai logo após seu batismo foi um momento que jamais será esquecido. Foto: Luciano Salviano

Quando a oração tem poder! Pai orou pelo retorno do filho à igreja durante 20 anos e agora celebra seu batismo. “Foi o momento mais difícil da minha vida”, testemunhou o pai

A fé e a insistência da oração de um pai! A cena comoveu as pessoas que assistiam ao batismo de Wedson Nascimento Souza, em Vitória da Conquista, na Bahia. Após o filho ser batizado, Weldes Souza, pai de Wedson Souza, entrou na água onde ocorreu a cerimônia e o abraçou de modo demorado.

Emocionado, ele explicou o motivo para a atitude comovente. É que ele havia orado durante 20 anos para que seu filho voltasse à Igreja. E agora, assistia a resposta às suas orações. “Meu único filho deixou de viver com a família e com Cristo. Passou muito tempo fora. Esse foi o momento mais difícil da vida. Mas Deus mandou eu ficar firme e em oração”, declarou Weldes.

Tal pai, tal filho

A emoção do pai pelo resgate espiritual do filho tem um contexto pessoal. Nascido em uma família que já frequentava a Igreja, Weldes também se afastou do convívio com os membros. Abandonou a Igreja durante muito tempo, mas ficou sensibilizado com as orações e a persistência dos membros da igreja, que continuou em contato com ele. O resultado foi o seu retorno ao convívio da igreja, em 1997.

oração-filho-batismo
Weldes e a emoção pelo resgate espiritual do filho. Foto: Luciano Salviano
Confiança

“Eu venho orando porque já passei por isso. Não queria que meu filho se afastasse dos caminhos de Jesus”, afirmou. O sofrimento pelo afastamento do filho deu lugar a uma resiliência que o fortaleceu espiritualmente. “Estava sempre na igreja, não perdia um culto de oração. Nos primeiros 10 anos de intercessão, a resposta não veio e tive um sentimento de que a jornada parecia não fazer sentido. Mas continuei orando, e hoje eu celebro a Deus o retorno de Wedson”, contou.

Para Wedson, a lembrança do pai entrando na água onde foi batizado e o abraçando jamais será apagada. “Foi um abraço daqueles que a gente não consegue aguentar. Parecia que os anjos abraçavam nós dois”, contou o jovem.

“Meu pai é um herói. Muitas vezes eu o vi orando. Foram muitas vezes que ele veio ao meu quarto, de madrugada, me acordar para orar junto com ele. Ele é meu exemplo para nunca virar as costas, porque Deus nunca vira as costas pra gente”, declarou o rapaz.