Oremos pela igreja no Ceará

Foto: Reprodução

A violência preocupante no Estado está mobilizando líderes de várias denominações do Brasil. “Vamos orar para que essa situação se transforme em um momento de paz “, pede o pastor Armando Bispo, da Igreja Batista Central de Fortaleza (CE).

A nova onda de ataques criminosos realizados no Ceará desde a última quarta-feira (2) tem chamado a atenção do país para o caos que os moradores têm enfrentado no estado. Moradores vivem sob o medo e o terror das facções.

Neste domingo (06), igrejas evangélicas do país levantaram um clamor de coração pela situação do Estado. Pelas redes sociais, vários pastores também se pronunciaram sobre a situação.

“Resta a nós, Igreja de Cristo, clamarmos pela igreja, irmãos e povo cearense neste momento crítico e orarmos pelas autoridades constituídas, para que haja paz e o nome do Senhor seja glorificado, como nos ensina o Apóstolo Paulo”, escreveu o pastor Flávio Souza pelo facebook.

Na página do Facebook do Rev. Emilio Garofalo Neto, da Igreja Presbiteriana Semear, Brasília (DF), ele publicou uma mensagem que foi compartilhada por outros líderes do país.

“Irmãos, clamemos em oração pela situação em Fortaleza. O caos está seríssimo. Tenho informações por um pastor de lá que várias igrejas evangélicas irão cancelar seus cultos amanhã, pois o crime organizado está ameaçando ataques às igrejas por julgar que a eleição do presidente está fortemente ligada à ação evangélica. Oremos!”

Várias denominações em Fortaleza também realizaram momentos de oração em seus cultos neste domingo.

“Levantamos um clamor de oração em nossos cultos públicos, pedindo por sabedoria e coragem aos nossos  governantes. Clamamos pelo arrependimento e conversão dos homens maus. Oramos pela Igreja de Cristo no Ceará que tem, cada vez mais, se rendido ao discurso de violência quando se trata do assunto Segurança Pública. Oramos por misericórdia sobre nossas vidas”, disse o pastor Mário Levy, da Igreja Presbiteriana Nova Jerusalém, em Fortaleza.

Ameaça a igrejas

Essa é a quarta série de ataques, desde 2016. Todas dizem respeito a retaliação a anúncios de medidas disciplinadoras ou tentativas de reorganização dentro dos presídios. E parece ser também a maior.

Até sábado (5), pelo menos 70 atentados foram registrados em 21 cidades do Estado, 86 suspeitos foram presos e 250 detentos da Casa de Privação Provisória de Liberdade 3, em Itaitinga, na Grande Fortaleza, foram autuados por desobediência e motim. O ano passado o Estado também enfrentou uma onda de violência.

“Como povo de Deus temos dobrado os nossos joelhos em oração pedindo a intervenção de Deus. Procuramos não fomentar o clima de pânico e medo nas pessoas, embora a situação esteja realmente caótica. Mas eu creio que os equívocos que acontecem na segurança pública em nosso estado irão melhorar. Essa é a nossa esperança”, declarou pastor Marcos Monteiro, da Primeira Igreja Batista de Fortaleza (CE).

Nesse fim de semana, áudios e mensagens chegaram a circular em grupos de whatsapp com supostas ameças a igrejas evangélicas da capital. Mas o pastor Armando Bispo, da igreja Batista Central de Fortaleza, afirmou se tratar de fake news.

“As facções não costumam atacar igrejas. Esses áudios não tem fundamento. Mas quanto a isso também não vejo preocupação maior, a não ser aquelas instituições que estão em locais de conflito. Estamos orando para que Deus dê sabedoria a esse novo governo e que essa situação, que ela se transforme em um momento de paz para a nossa comunidade. Mas sabemos que Deus está no controle, e vamos continuar a falar do amor d’Ele, cuidando das pessoas e continuando a pregar o evangelho de Jesus e vivendo o amor como Ele nos ensinou”, declarou. 


Leia mais

Onda de violência – Ceará transfere chefes de facções
Violência no Ceará – Igrejas levantam um clamor