23.2 C
Vitória
sábado, 19 setembro 2020

Odebrecht pagou US$ 3,37 bilhões de propina entre 2006 e 2014

Leia também

Anvisa autoriza que Pfizer dobre número de voluntários em testes para vacina

O laboratório informou que vai expandir o número de participantes do estudo para a vacina, chegando a cerca de 44 mil participantes

Fumaça do Pantanal que chega a SP pode agravar casos de doenças respiratórias

Outra recomendação que Cardenuto indica é a de evitar aglomerações, uma medida que já deveria ser cumprida em função do novo coronavírus

Lava Jato denuncia Cabral e Bezerra por propinas em contratos do DER

Segundo a peça, registros contábeis apreendidos com o operador de Cabral na Calicute mostram que Maciste efetuou, entre 2011 e 2017
Os depoimentos dados por Marcelo Odebrecht e os demais delatores do grupo à Justiça indicam os beneficiários de pelo menos R$ 1,68 bilhão pago em propinas e contribuições ilegais de campanha. Recurso esse distribuído a políticos, lobistas, empresários e dirigentes de estatais no Brasil e no exterior, totalizando quase 500 beneficiários.

Mas o esquema montado pela empreiteira para garantir o superfaturamento de obras e o desvio de recursos públicos movimentou quantias muito maiores. Segundo delação do ex-executivo Hilberto Mascarenhas, entre 2006 e 2014, o Setor de Operações Estruturadas – famoso departamento de propinas da Odebrecht – realizou pagamentos de US$ 3,37 bilhões, montante que hoje equivale a mais de R$ 10,5 bilhões. Isso sem contar que em diversas operações apontadas pelos delatores não há detalhamento de quanto foi pago aos agentes públicos envolvidos.

O rastreamento de R$ 1,68 bilhão foi feito pelo jornal O Estado de S.Paulo com base no cruzamento de dados de três fontes de informação: os 337 pedidos de abertura de inquérito e petições assinadas pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF); os depoimentos que executivos da Odebrecht prestaram, como parte de seus acordos de delação premiada; e a planilha de pagamentos entregue aos procuradores por Benedicto Júnior, um dos delatores.

Do total de recursos em que o beneficiário foi identificado, a maior parte se destina a representantes do PT e do PMDB, partidos que dividiram o poder nos governos Luiz Inácio Lula da Silva Dilma Rousseff. Mas também há uma grande parcela destinada a líderes do PSDB, principal partido de oposição durante as gestões petistas.

O grupo Oderbrecht, que segundo os delatores enxergavam essas propinas como “investimento”, negociou favores com políticos em todas as esferas de poder – de vereadores em cidades pequenas  a autoridades do Palácio do Planalto. E essa vasta negociação rendeu à empresa a aprovação de medidas tributárias que a beneficiaram e benesses em contratos de infraestrutura, compradas em comissões.

A empreiteira atendeu a pedidos, mas também ofereceu contribuições a políticos que se alinhavam a seus interesses. Procurou ainda quebrar resistências de indivíduos e grupos que identificou como potenciais obstáculos. Quanto mais influentes os políticos, maiores eram os valores pagos.

No topo do ranking de pagamentos compilado pelo Estadão – cujas posições ainda podem variar, a depender das investigações e da revelação de novos documentos – estão, além de representantes do PT, do PMDB e do PSDB, um ex-diretor da Petrobras e nomes ligados aos governos de Angola e Venezuela. Entre os políticos brasileiros que mais receberam propina, destaque para o ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB), o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega (PT), os senadores Aécio Neves (PSDB-MG) e José Serra (PSDB-SP) e o ministro e ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab (PSD).

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Louvor, oração e fé nas ruas de São Paulo

A Marcha para Jesus acontece há 26 anos e reuniu milhares de pessoas na capital paulista. Foi um dia dedicado a fé. Pais, filhos, amigos...

Quase 60 mil pessoas tem foro privilegiado no Brasil

Está marcada para 2 de maio a retomada do julgamento da ação que limita o alcance da prerrogativa de foro. Números exatos divergem, mas são...

Número de políticos ligados a igrejas deve crescer em 2018

O Brasil vem testemunhando uma série de denúncias de corrupção nos últimos anos, que resultaram na prisão de ex e atuais deputados, ministros e...

Psicoadaptação, a Lepra Social

Rapaz armado em sala de cinema mata 42 pessoas a tiros. Homem entra em igreja armado dispara e mata mais de 20. Jovem é...

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

Live solidária: artistas em favor da Igreja Perseguida

Denominado de "Seja um com eles", a live solidária é um grito de ajuda a igreja perseguida. Paulo César Baruk, Rebeca Nemer, Eyshila, André Aquino são alguns dos convidados. Saiba mais!

Arte da Graça em casa; Conscientização do setembro amarelo

Em formato online, o evento une shows e workshops incentivando a tolerância, paz e música. Saiba mais!

Aquecimento Sepal 2020, com Edméia Williams e Rodrigo Gomes

Transmissão acontecerá nesta segunda-feira, 14 de setembro, às 19 horas. Saiba como participar!

Encontro nacional Renas: “Ser criança em tempos de incerteza”

É a 13ª edição do Encontro Nacional da Rede Evangélica Nacional de Ação Social (Renas). Evento, que acontece em outubro, será online. Saiba mais!
- Publicidade -

Plugue-se

Kemuel e Priscilla Alcântara conquistam Platina Triplo

Platina Triplo é uma certificação pelo grande alcance que as canções dos artistas tiveram nas plataformas digitais de música Nesta quinta-feira, 17, Kemuel e Priscilla...

Ajude um cego a ler a Bíblia e ter a vida transformada

A iniciativa quer distribuir a Bíblia para cegos em todo o Brasil e promover a acessibilidade para pessoas com deficiência visual. Saiba mais!

Amanda Loyola, floresce uma potência vocal do gospel

Artista capixaba, que ficou conhecida ao participar do quadro Jovens Talentos, do Programa Raul Gil, já lançou três canções pela Sony.

Brasil está lendo menos, mas a Bíblia ainda é o livro preferido

Apesar dos leitores brasileiros estarem lendo menos, pesquisa "Retratos da leitura" apontou que a Bíblia continua sendo o livro preferido dos brasileiros. Saiba mais!