26.8 C
Vitória
segunda-feira, 30 março, 2020

Odebrecht pagou US$ 3,37 bilhões de propina entre 2006 e 2014

- Continua após a publicidade -

Mais lidas

Consultor da Red Bull queria que os pilotos pegassem a COVID-19

O conselheiro de automobilismo da Red Bull, Helmut Marko, queria que os pilotois de formula 1 de sua equipe, fossem infectados com o COVID-19

McLaren vai produzir 10 mil ventiladores respiratórios

Equipe de Fórmula 1 disponibilizou a fábrica de carros junto com outras empresas para fabricar equipamentos médicos para ajudar as vítimas da Covid-19

Abertura dos jogos olímpicos acontecerá em julho de 2021

Os Jogos Olímpicos de Tóquio têm nova data definida para serem realizados: de 23 de julho a 8 de agosto de 2021 na capital japonesa

Hospital no Pacaembu deverá ser entregue em abril

A construção para receber pessoas com a Covid-119 é uma parceria entre Hospital Israelita Albert Einstein e Prefeitura de São Paulo
Os depoimentos dados por Marcelo Odebrecht e os demais delatores do grupo à Justiça indicam os beneficiários de pelo menos R$ 1,68 bilhão pago em propinas e contribuições ilegais de campanha. Recurso esse distribuído a políticos, lobistas, empresários e dirigentes de estatais no Brasil e no exterior, totalizando quase 500 beneficiários.

Mas o esquema montado pela empreiteira para garantir o superfaturamento de obras e o desvio de recursos públicos movimentou quantias muito maiores. Segundo delação do ex-executivo Hilberto Mascarenhas, entre 2006 e 2014, o Setor de Operações Estruturadas – famoso departamento de propinas da Odebrecht – realizou pagamentos de US$ 3,37 bilhões, montante que hoje equivale a mais de R$ 10,5 bilhões. Isso sem contar que em diversas operações apontadas pelos delatores não há detalhamento de quanto foi pago aos agentes públicos envolvidos.

O rastreamento de R$ 1,68 bilhão foi feito pelo jornal O Estado de S.Paulo com base no cruzamento de dados de três fontes de informação: os 337 pedidos de abertura de inquérito e petições assinadas pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF); os depoimentos que executivos da Odebrecht prestaram, como parte de seus acordos de delação premiada; e a planilha de pagamentos entregue aos procuradores por Benedicto Júnior, um dos delatores.

Do total de recursos em que o beneficiário foi identificado, a maior parte se destina a representantes do PT e do PMDB, partidos que dividiram o poder nos governos Luiz Inácio Lula da Silva Dilma Rousseff. Mas também há uma grande parcela destinada a líderes do PSDB, principal partido de oposição durante as gestões petistas.

O grupo Oderbrecht, que segundo os delatores enxergavam essas propinas como “investimento”, negociou favores com políticos em todas as esferas de poder – de vereadores em cidades pequenas  a autoridades do Palácio do Planalto. E essa vasta negociação rendeu à empresa a aprovação de medidas tributárias que a beneficiaram e benesses em contratos de infraestrutura, compradas em comissões.

A empreiteira atendeu a pedidos, mas também ofereceu contribuições a políticos que se alinhavam a seus interesses. Procurou ainda quebrar resistências de indivíduos e grupos que identificou como potenciais obstáculos. Quanto mais influentes os políticos, maiores eram os valores pagos.

No topo do ranking de pagamentos compilado pelo Estadão – cujas posições ainda podem variar, a depender das investigações e da revelação de novos documentos – estão, além de representantes do PT, do PMDB e do PSDB, um ex-diretor da Petrobras e nomes ligados aos governos de Angola e Venezuela. Entre os políticos brasileiros que mais receberam propina, destaque para o ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB), o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega (PT), os senadores Aécio Neves (PSDB-MG) e José Serra (PSDB-SP) e o ministro e ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab (PSD).

- Continua após a publicidade -

Revista Digital

- Continua após a publicidade -

Fique Por Dentro

26 de março: live – Como inovar na igreja em tempos de disruptura

Nesta quinta (26), as 19h, vai acontecer a primeira live da série "O efeito da liderança na crise” com Josué Campanhã, diretor da Envisionar e Thiago Faria

Novo Som faz show online

Devido a quarentena por causa do coronavírus, a banda vai estar ao vivo no sábado (28) a partir das 20h. Será transmitido pelo Instagram e Facebook

Coronavírus: Os eventos evangélicos que já foram cancelados

Devido a pandemia que se instalou no país por conta da Covid-19, muitos eventos evangélicos foram cancelados, suspensos ou adiados. Confira!

Oficina sobre comicidade no ambiente hospitalar

O Lacarta Circo Teatro abre inscrição para palhaço hospitalar. A oficina acontecerá dia 14 e 15 de março das 09h às 16h, na sede...

Receber notícias

Gostaria de receber notícias em primeira mão? Assine gratuitamente agora:

Plugue-se

Programas on-line para mentoreamento de homens e mulheres

Ministérios vão transmitir série de lives com objetivo de fortalecer as famílias e oferecer aos pastores, líderes e cônjuges ferramentas para o cuidado intencional, discipulado e mentoreamento

Vem aí o Festival de Cinema Cristão 2020

Entre as novidades do Festival desse ano estão a abertura para a categoria de filmes para surdos e mudos. Inscrições começam dia 1º de abril e vão até 30 de junho

Um encontro diário com a Palavra de Deus

A SBB mobiliza-se para levar esperança à população brasileira, disseminando, pelos meios digitais, a mensagem da Bíblia Sagrada. Entre as ações estão a campanha #PalavradeEsperança e o podcast Um minuto com a Bíblia

Como a pandemia deve ser encarada pelos cristãos?

“Creia no sobrenatural de Deus”, diz médica cristã, ao falar sobre o medo do coronavírus e como os cristãos devem encarar a pandemia