25.4 C
Vitória
quarta-feira, 8 julho, 2020

Observando o modelo 360º

Mais lidas

Queimadas na Amazônia será proibido por quatro meses

Sob pressão de empresários e fundos de pensão internacionais, governo Bolsonaro prepara decreto com moratória para queimadas legais

Correios lançam selos em homenagem a ações de combate à pandemia

Em parceria com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), são seis selos assinados pelo artista Alan Magalhães.

Celso de Mello arquiva notícia-crime contra Augusto Heleno

Ministro do Supremo disse ser obrigado a seguir parecer da PGR. Saiba mais!

Reabertura das agências do INSS é adiada para dia 3 de agosto

Medida foi publicada hoje no Diário Oficial da União. Confira!

Até meados dos anos 80, as gravadoras não somente cuidavam da produção, divulgação e distribuição dos LPs (sim, Long Plays, isso de fato existiu!) de seus artistas, como também administravam suas carreiras para a área de shows. Uma gravadora de grande porte reunia em seus escritórios algo como 300, 400 profissionais, que atuavam em diferentes áreas do processo de produção musical, controle e administração, estoque, expedição, publicidade, promoção e vendas, direitos autorais, entre outras atividades.

Com o boom do mercado fonográfico nacional em fins dos anos 80, as gravadoras optaram sistematicamente por abrir mão de agenciar artisticamente os seus contratados. Dizia-se à época que vender shows, administrar agendas, contratantes, logística e todas as variáveis que faziam parte deste universo seriam muito trabalho e pouco rentáveis. Assim surgiram os escritórios de empresários para cuidarem dos shows dos artistas pelo país e exterior.

Com a mudança da mídia de LP para CD e a impressionante implosão do mercado fonográfico pela pirataria, uma abrupta série de mudanças no mercado ocorreram trazendo um verdadeiro clima de caos ao mercado fonográfico mundial. As gravadoras viram seus faturamentos encolherem e onde antes existiam centenas de funcionários, restaram dezenas de profissionais esforçando-se por salvar aquele que outrora fora um mercado pujante.

Com a chegada da web e o mercado digital, muitos “arautos do apocalipse” anteciparam-se a decretar o sepultamento do mercado fonográfico. Realmente, por volta dos anos 2000, ninguém sabia bem ao certo como se dariam as mudanças de hábito do consumidor e o relacionamento do mercado com a música.

Passado o momento de absoluto pânico, o que vemos hoje é um mercado promissor com o advento do ambiente digital onde as possibilidades de negócios se multiplicaram de forma exponencial. Se antigamente as gravadoras no país atuavam junto a um mercado distribuidor com 3.000 pontos de venda entre lojas especializadas, magazines, supermercados e distribuidores, atualmente este mercado no Brasil ampliou-se com mais de 200 milhões de aparelhos celulares, inúmeros projetos especiais, sites, downloads, ações promocionais.

Acompanhando as mudanças no trato com o mercado consumidor, as gravadoras buscam uma nova configuração no relacionamento com os artistas. Se até bem pouco tempo atrás as gravadoras focavam suas ações tão somente na venda de CDs, hoje a visão é ampliar a atuação no mercado através do modelo 360º.

O modelo 360º tem como base otimizar todo tipo de negócio relacionado à figura do artista e da música. Atualmente algumas gravadoras já administram a carreira dos seus contratados de forma plena, ou seja, a área de agenciamento de shows, passando por ações de merchandising e publicidade. O objetivo neste novo modelo é proporcionar ao artista diversos tipos de negócios que venham a impulsionar ainda mais sua carreira artística. A gravadora não mais se preocupa em fazer apenas um belo projeto musical, mas passa a administrar de forma completa a carreira artística musical como também a área digital, direitos autorais e de imagem, contratos publicitários, workshops, entre outros.

No meio gospel esta modalidade de negócio ainda não se faz presente! É questão de tempo para que estas mudanças também atinjam este mercado. É esperar para ver!

Mauricio Soares, publicitário, diretor executivo Sony Music, palestrante, gestor do blog Observatório Cristão
[email protected]

- Continua após a publicidade -

Comunhão Digital

- Continua após a publicidade -

Fique Por Dentro

Show drive-in do 3 Palavrinhas esse mês; Saiba mais!

O grupo infantil 3 palavrinhas vai se apresentar na Arena Sessions, no estádio Allianz Parque, em São Paulo dia 19 de julho Atenção criançada! O...

Artistas cristãos na ação social “Eu Soul VC”

Entre os artistas cristãos confirmados estão Casa Worship, Renascer Praise, André e Felipe, Rebeca Carvalho e Leandro Borges

The send Argentina é adiado para 2021

Em comunicado, os organizadores do The Send disseram que a data exata será definida assim que o governo tiver o poder de reativar eventos maciços

Em agosto, 16º Fórum de Ciências Bíblicas

Com o tema “A Bíblia para as novas gerações”, evento será realizado nos dias 13 e 14 de agosto, no Centro de Eventos de...

Plugue-se

“Cristo em você”: Como a mudança de Deus vive através de milagres

 Filme até destaca como Deus trabalha nas nações europeias seculares.

Ator TC Stallings relata como conheceu Jesus em documentário

O filme vem após TC Stallings perder sua mãe e avó neste ano. Ele dedicou o documentário à sua mãe que morreu em 15...

Tito e Gabriella e Casa Worship cantam “Máscaras”

Música já está disponível em todas as plataformas de streaming. Tito e Gabriella e Casa Worship gravaram a música ao vivo em Goiânia

“Bíblia de Estudo Swindoll”: mais compreensão e curiosidades

Além de facilitar a compreensão, a "Bíblia de Estudo Swindoll" traz curiosidades sobre o livro mais vendido do mundo