21.9 C
Vitória
segunda-feira, 21 junho 2021

Nubank capta US$ 1,15 bi na maior rodada de investimento

De acordo com a Dow Jones Newswires, que reportou o aporte, o Nubank passou a ser avaliado em US$ 30 bilhões a partir do investimento

Por Matheus Piovesana (AE)

A série G de investimentos do Nubank, que se iniciou em janeiro e ganhou extensão com aportes do Berkshire Hathaway e de um grupo de investidores liderado pela Sands Capital, se tornou a maior rodada de captação de recursos por uma empresa de tecnologia da América Latina, de acordo com a fintech. Ao todo, os investimentos captados totalizaram US$ 1,15 bilhão, mais da metade dos US$ 2 bilhões que o Nubank captou desde sua criação em 2013.

O veículo do megainvestidor Warren Buffett investiu US$ 500 milhões na empresa, enquanto o grupo encabeçado pela Sands aportou mais US$ 250 milhões. Em janeiro, o Nubank havia captado US$ 400 milhões dentro da mesma série.

Essa etiqueta torna a maior fintech brasileira, que também tem operações em outros países da América Latina, mais valiosa que o Banco do Brasil, avaliado em R$ 103 bilhões. Pelo câmbio da manhã desta terça-feira, 8, o Nubank tem valor de R$ 152 bilhões A título de comparação, o Santander Brasil vale R$ 168,3 bilhões, o Bradesco, R$ 231,6 bilhões, e o Itaú Unibanco, R$ 298,5 bilhões.

Os recursos que o Nubank captou nas etapas da rodada serão utilizados para dar suporte ao crescimento da fintech, com a expansão do portfólio de produtos e da presença de mercado, o crescimento internacional e a atração de talentos globais. Como mostrou a Coluna do Broadcast na sexta, o Nubank adicionou cerca de 40 mil correntistas ao dia à sua base nos últimos meses, segundo pesquisa da Idwall.

O grupo liderado pela Sands contou com a participação de diferentes gestoras, entre elas as brasileiras Absoluto Partners e a Verde Asset, de Luis Stuhlberger. Investidores internacionais, como o Canadá Pension Plan Investment Board (CPP Investments), o MSA Capital e a Sunley House, braço da Advent, também estiveram no grupo.

“Temos uma longa experiência em investimentos em algumas das empresas de tecnologia, mídia e telecomunicações mais bem-sucedidas do mundo. Buscamos empresas que não estejam apenas desafiando o status quo hoje, mas também estejam moldando o futuro”, disse, em nota, o sócio-diretor da Sands, Barron Martin

A empresa destaca ainda que a rodada serviu para dar entrada a gestoras nacionais, na figura da Absoluto e do Verde. “É com bastante entusiasmo que ingressamos nessa jornada como um dos primeiros investidores brasileiros”, afirmou José Zitelmann, cofundador da Absoluto.

O Nubank também recebeu recursos de Invesco, Tarsadia Capital e da chinesa Tencent, que já eram investidores.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se