População de Moçambique é assolada por outro ciclone

Foto: Reprodução

“Peço pela oração pelo nosso país. Dois ciclones em meses seguidos. É uma grande tragédia… Que o Senhor poupe vidas”, clama missionário João Luis Tomocene

Apenas seis semanas após o ciclone Idai ter devastado parte da costa de Moçambique, o país banhado pelo Oceano Índico é novamente afetado por um fenômeno meteorológico. O ciclone Kenneth atingiu o norte de Moçambique nessa quinta-feira (25) e colocou o país em “alerta vermelho”.

O continente africano foi atingido com rajadas de 270 km por hora e ventos máximos contínuos de até 220 km/h, informou o Centro da Junta de Aviso de Tufão (JTWC, um órgão americano de informações meteorológicas), depois de ter passado pelas ilhas Comores, onde três pessoas morreram.

O ciclone tem força equivalente a um furacão de categoria 4 na escala Saffir-Simpson, de acordo com a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos Estados Unidos (NOAA, na sigla em inglês), que acompanha a tempestade. Os especialistas acrescentaram que “esta é a primeira [e mais forte] tempestade com força de furacão” a atingir a região.

Ciclones dessa magnitude são raros no local, e não há registros de dois em tão curto espaço de tempo.

Kenneth resultará, nos próximos dez dias, no dobro de chuvas das que foram originadas pelo ciclone Idai, segundo o porta-voz do Programa Mundial de Alimentos da ONU (PMA), Herve Verhoosel. “Estima-se registrar até 600 milímetros de chuvas, o dobro do mesmo período após a passagem do ciclone Idai, no mês passado”, disse Verhoosel.

Balanço

Informações preliminares indicaram ao menos uma pessoa morta na cidade de Pemba, no norte de Moçambique, devido à queda de um coqueiro pelos fortes ventos. O relato de uma segunda vítima, também na província de Cabo Delgado, não foi confirmado. A falta de energia e dificuldades na comunicação tem dificultado a análise da situação.

País vive crise humanitária desde a passagem do ciclone Idai. Foto: Mike Hutchings/Reuters

Relatos locais apontam para elevados estragos na região, com casas precárias destruídas, levadas pelo vento forte e chuva intensa, e com famílias ao relento no arquipélago das Quirimbas, especialmente na Ilha do Ibo, e ainda nos distritos continentais de Quissanga, Mucojo, junto à costa, e Macomia, um pouco mais para o interior do país.

As Nações Unidas alertaram que, embora o ciclone tenha perdido intensidade, ele continua provocando fortes chuvas, e persiste elevado risco de enchentes e deslizamentos de terra no extremo norte de Moçambique.

“O ciclone Kenneth pode exigir grande operação humanitária paralelamente à resposta em curso ao ciclone Idai”, afirmou o Escritório das Nações Unidas para os Assuntos Humanitários (Ocha).

*Com informações da Agência Brasil.


leia mais

Alerta Moçambique!
Moçambique: População ainda espera por ajuda
Brasil ajuda Moçambique – “Destruição é total”, diz missionária