Brasil reconhece presidente da Bolívia: “Bíblia volta ao Palácio”

Presidente Jeanine Áñez (Foto: Reprodução)
Presidente Jeanine Áñez (Foto: Reprodução)

A líder do Senado decidiu “assumir imediatamente” após a renúncia do ex-presidente Evo-Morales e do vice

O governo brasileiro reconheceu a senadora Jeanine Áñez como nova presidente da Bolívia. Em publicação no Twitter, o Ministério das Relações Exteriores saudou a determinação de Jeanine em trabalhar pela realização de novas eleições e diz que quer aprofundar a “fraterna amizade” entre Brasil e Bolívia.

“O governo brasileiro congratula a senadora Jeanine Áñez por assumir constitucionalmente a Presidência da Bolívia e saúda sua determinação de trabalhar pela pacificação do país e pela pronta realização de eleições gerais. O Brasil deseja aprofundar a fraterna amizade com a Bolívia”, diz a publicação.

A senadora do partido oposicionista Unidad Demócrata declarou-se presidente da Bolívia nesta terça-feira (12). “Assumo imediatamente a Presidência”, disse Jeanine, embora a bancada do MAS, partido liderado pelo ex-presidente Evo Morales, não estivesse presente no Congresso.

Jeanine Áñez anunciou que decidiu “assumir imediatamente” a presidência da Bolívia, em seu novo status de líder do Senado, depois de considerar que no país havia uma situação de vacância, devido à renúncia do ex-chefe de Estado, Evo Morales, e do vice-presidente Álvaro García Linera.

BÍBLIA

A senadora e atual presidente da Bolívia, se dirigiu ao antigo Palácio do Governo levantando uma Bíblia. Assim disse: “A Bíblia volta ao Palácio”. Confira no vídeo.

RENÚNCIAS

Morales chegou ontem ao México, país que lhe concedeu asilo político após a renúncia à Presidência da República, como apurou a redação de Comunhão.

Também renunciaram aos cargos os presidentes do Senado e da Câmara e o primeiro vice-presidente do Senado. Como segunda vice-presidente da Casa, Jeanine Áñez entendeu que cabia a ela assumir o posto deixado vago por Morales.

*Da redação, com informações de Agência Brasil 


LEIA MAIS

Presidente da Bolívia volta atrás na decisão de criminalizar o evangelismo 
Marcha para Jesus reúne milhares de Bolivianos 
Cresce a perseguição a cristãos na América Latina