back to top
23.8 C
Vitória
terça-feira, 23 DE julho DE 2024

No dia de Martin Luther King Jr., América homenageia o legado do líder

Martin Luther King, Jr. Fonte da imagem: CBN News

Líder dos direitos civis foi assassinado ao lutar pela igualdade racial e justiça na América. Ele e Billy Graham uniram forças para quebrar as barreiras das cores com o Evangelho

 Por Lilia Barros

A maioria está ciente de como a fé cristã do Dr. King alimentou sua vida e o obrigou a protestar pacificamente em todo o sul para acabar com a segregação. Mas King também ajudou a quebrar as barreiras de cor de outra maneira, unindo forças com um grande movimento para compartilhar as boas novas de Jesus Cristo – as cruzadas evangelísticas do Rev. Billy Graham.

Em 1953, apesar da segregação e das tensões raciais, Graham realizou uma campanha integrada em Chattanooga, Tennessee. Centenas de milhares de homens, mulheres e crianças de todas as raças sentaram-se juntos e adoraram ao Senhor.

“Mas quando Deus olha para você, Ele não olha para a aparência externa; a Bíblia diz que Ele olha para o coração”, pregou Graham.

- Continua após a publicidade -

Gradualmente, as cruzadas em Nova York tornaram-se cada vez mais integradas.

Então, em 1957, o Rev. Graham convidou seu bom amigo, Dr. Martin Luther King Jr. para um dos eventos. Durante essa cruzada, o Dr. King e o Rev. Graham permaneceram juntos no palco do Madison Square Garden. Foi quando King orou:

“E nestes dias de tensão emocional, quando os problemas do mundo são dinâmicos em extensão e caóticos em detalhes, dê-nos uma visão penetrante, ampla compreensão, o poder de resistência e fé permanente e salve-nos da paralisia do medo paralisante. Oh Deus, pedimos que nos ajude a trabalhar com vigor renovado por um mundo sem guerras e pela fraternidade que transcende raça ou cor.”

King também orou uma bênção sobre Graham e seu trabalho evangelístico.

Graham enfrentou uma enxurrada de críticas de ambos os lados durante aquela temporada e até enfrentou ameaças financeiras por integrar seus esforços, mas isso não o deteve.

King supostamente sugeriu a Graham que ele se concentrasse no Sul e realizasse reuniões integradas lá, o que ele fez, e essas cruzadas fluiram do Arkansas para o Alabama.

“No início, o Dr. King e eu conversamos sobre seu método de usar manifestações não violentas para acabar com a segregação racial”, disse Graham . “Ele me incentivou a continuar fazendo o que estava fazendo – pregar o Evangelho para audiências integradas e apoiar seus objetivos pelo exemplo – e não acompanhá-lo nas ruas”.

Graham explicou ainda: “Martin Luther King sugeriu-me que eu ficasse no Sul e realizasse reuniões integradas e que ele iria para as ruas e que provavelmente seria morto nas ruas, mas não acho que você deva porque você vai poder fazer algumas coisas que eu não posso e eu vou poder fazer algumas coisas que você não pode, mas estamos atrás do mesmo objetivo.”

Enquanto Graham viajava pelas regiões do sul, ele falava para multidões racialmente misturadas e falava sobre a habilidade de Deus para curar. No final, Deus usou a amizade entre King e Graham de maneiras poderosas para derrubar muitos muros na América.

O Dr. King é citado como tendo dito: “Se não fosse pelo ministério de meu bom amigo Dr. Billy Graham, meu trabalho no movimento pelos direitos civis não teria sido tão bem-sucedido quanto tem sido.”

Com informações da CBN News 

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Publicidade

Comunhão Digital

Publicidade

Fique por dentro

RÁDIO COMUNHÃO

VIDA E FAMÍLIA

- Publicidade -