Não se deletam vidas!

É vital que pais, professores, amigos e líderes eclesiásticos cuidem de não subestimar ou mistificar esse cenário, pois não se deletam vidas

Na revolução de costumes da geração Z, em que tudo é fluido, até a existência, responder ao sofrimento deletando a própria vida, como se fosse uma conversa de WhatsApp, será a solução?

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o suicídio é a segunda causa de morte entre adolescentes. O dado confirma-se no país entre jovens de 15 e 29 anos. No mundo, são cerca de 800 mil pessoas interrompendo suas vidas todos os anos, o que equivale a uma morte a cada 40 segundos.

Por que, na era digital deste século que deu voz a tantos, mais adolescentes ignoram seu valor e desconhecem ou abortam seu senso de propósito desistindo de viver?

Suicídios em colégios da elite paulistana, a polêmica série “13 Reasons Why”, o famigerado jogo “Baleia Azul” e notícias de automutilação indicando ideações de morte nos jovens são alguns dos episódios que deram visibilidade ao tema desde 2000. Até 2015, o Mapa da Violência no Brasil apontou 65% de crescimento na taxa de suicídio entre crianças de 10 a 14 anos. Na faixa etária de 15 a 19, a alta foi de 45%. Como é possível prevenir o fenômeno do suicídio juvenil, que alcança, inclusive, o meio cristão?

Além de evitar ações ou falas que encorajam comportamentos suicidas, vale identificar fatores de risco para adolescentes e jovens como: bullying, cyberbullying, maus-tratos na infância, discriminação por conta da orientação sexual, dependência das redes sociais e empobrecimento das relações reais, transtornos mentais (como depressão, bipolaridade, de personalidade, esquizofrenia) e dependência de álcool e drogas.

É vital que pais, professores, amigos e líderes eclesiásticos cuidem de não subestimar ou mistificar esse cenário. Segundo estudo publicado no periódico Biomedical and Health Informatics, uma em cada cinco crianças com menos de 8 anos sofre com depressão e ansiedade.

Atentar para dados como este é decisivo. É decisivo porque devolve à sociedade a compreensão de que crianças, adolescentes e jovens podem ter problemas emocionais reais e, de novo, subestimar ou mistificar só irá contribuir para vulnerabilizá-los.

Existe um fato típico da adolescência que diz respeito ao dar-se conta do peso de lidar, por exemplo, com um corpo e cérebro em transformação, impulsividade natural dessa idade, conflitos familiares, dificuldades interpessoais, ebulição de sentimentos, pressão escolar ou futura escolha de uma profissão. É comum que, em muitos momentos, a sensação de solidão, inadequação, desesperança e questionamentos sobre o sentido da vida apareça.

A questão é distinguir quando a dificuldade de encontrar sentido diante do desespero compromete um jovem. Nessas horas, vale questionar o que estamos fazendo para ajudá-los a suportarem os desafios de um momento existencial complicado. Segundo a OMS, 90% dos casos de suicídio teriam sido evitados se as causas tivessem sido tratadas adequadamente.

Além de informação adequada, o investimento afetivo na vida de quem amamos é indispensável. Presença, carinho, atenção, encorajamento, fortalecimento de vínculos familiares e de amizade – e, lembrando, menos entretenimento digital – são essenciais para prevenção ou apoio contra o suicídio, contribuindo ainda para transmitir às nossas crianças, adolescentes e jovens a segurança quanto ao seu valor pessoal e senso de propósito existencial.

Êxodo 20:13 nos alerta que o suicídio não é uma resposta para o sofrimento. Não se deletam vidas! Pessoas não são descartáveis, e a existência não é fluida. Para Deus, não é clichê: uma alma vale mais do que o mundo inteiro.

Débora Fonseca é coordenadora da Missão Luz Na Noite desde 2001. É graduada em Direito e psicologia, autora dos livros “Aconselhando Cristãos em Luta com a Homossexualidade” e “Uma Fera em Busca de Sentido”, pela editora Abba Press. Tem mais de 20 anos de experiência em aconselhamento cristão na área da sexualidade humana


Leia mais

Em que momento eles se perdem