26.9 C
Vitória
domingo, 24 outubro 2021

Não quero ser pastor, quero ser homossexual!

Mais Artigos

Um exegeta honesto, mesmo sendo homossexual, nunca poderá contradizer os textos em que Deus deixa claro que o ser humano não foi criado para ter um relacionamento homossexual

Por José Ernesto Conte

Fui surpreendido com o artigo da Revista Comunhão que informava que o (Pr) Felipe Heiderich assumiu sua bissexualidade. Uma das razões para que ele publicasse seu relacionamento homossexual é que gostaria de ser o Felipe.

Qual a razão da minha surpresa? É que por mais que a sociedade moderna apoie e reaja naturalmente a uma questão como essa, nós evangélicos, aqueles que acreditam ser a Bíblia a Palavra infalível de Deus, não podemos aceitar como natural.

Em meu livro “A BÍBLIA E A NOVA HOMOSSEXUALIDADE” apresento sete razões pelas quais, nós cristãos, não podemos aceitar a homossexualidade ou suas variantes, como verdade bíblica. E não precisamos nem ser grandes teólogos ou conhecedores da Bíblia, mas depois de exaustiva pesquisa (não queria apresentar argumentos superficiais) percebi que boa parte daqueles que aceitam, apoiam e até utilizam de textos bíblicos para justificar que o amor é o mais importante, distorcem, adulteram, desfiguram a Palavra de Deus para que seus conceitos sejam mais certos do que a verdade de Deus.

Não temos dúvidas de que a maior luta, hoje, da comunidade LGBT tem sido descaracterizar os textos bíblicos que durante milênios têm sido interpretados harmonicamente condenando a homossexualidade. Um exegeta honesto, mesmo sendo homossexual, nunca poderá contradizer os textos em que Deus deixa claro que o ser humano não foi criado para ter um relacionamento homossexual. Deus deixou claro logo de início que foram criados homem e mulher e deu a ordem, sede fecundos.

Qualquer coisa fora disso, ou não é bíblico ou é um sentimento meramente humano, muito natural para quem teve sua natureza afetada e deturpada pelo pecado. Por mais amoroso que seja o sentimento que podemos ter para com os homossexuais (e devemos ter e respeitá-los) não muda o que Deus estabeleceu, caso contrário, deveríamos fazer com que outras coisas também deixassem de ser pecado, como por exemplo, o adultério, a mentira, o roubo (se bem que este, o STF está mudando o conceito), o assassinato, etc.

Deus ainda não delegou autoridade para ninguém alterar qualquer texto das escrituras. Quem quiser fazer, que o faça, mas assuma as consequências de Apocalipse 22: 19.

José Ernesto Conti, é pastor da Igreja Presbiteriana Água Viva

- Publicidade -

Comunhão Digital

- Continua após a publicidade -

Fique Por Dentro

Entrevistas