19.9 C
Vitória
quinta-feira, 9 dezembro 2021

Pesquisa: 52% das mulheres evangélicas não se casaram virgens

“Percebemos que muitos jovens estão sendo influenciados por uma sociedade sem Deus e estão abrindo mão do que Deus tem para eles”

Por Marlon Max

Uma pesquisa inédita no Brasil apurou dados sobre a sexualidade da mulher cristã. O estudo foi conduzido pelo Invisible College — uma plataforma que ensina Teologia para a nova geração, em parceria com a plataforma Benditas, uma rede voltada para o ensino teológico das mulheres. Um dos recortes que a pesquisa apresente revela dados sobre a relação conjugal de mulheres cristãs no Brasil

Uma das primeiras perguntas respondidas pelas mulheres entrevistadas questionava se elas teriam se casado virgens. Contabilizando mulheres casadas, viúvas e divorciadas, 53,22% responderam que tiveram relação sexual antes do casamento. 40,99% afirmaram terem casado virgens.

Palestrante na área de casamento e vida familiar, o diretor do Ministério Cristão de Apoio à Família (OIKOS), pastor Gilson Bifano explica que esse número reflete a realidade. Ele acrescenta que o principal motivo é a forma como o jovem vive a vida, mesmo sendo cristão.

“Reflete a realidade devido à confluência dos valores da sociedade e dos de Deus sobre os jovens crentes. A questão da virgindade é um valor cristão. Mas percebemos que muitos jovens estão sendo influenciados por uma sociedade sem Deus e estão abrindo mão do que Deus tem para eles”, alerta Bifano.

O pastor ainda amplia o tema sobre o significado de virgindade e explica que as relações, dos casais cristãos, precisam ser puras. “Virgindade não é só uma questão de hímen, tem a ver com intimidades. Há partes do corpo, que apenas marido e esposa devem tocar, quando isso não acontece há uma quebra dos limites dados por Deus para a intimidade sexual”, explica.

De acordo com a pesquisa, 15,81% das mulheres evangélicas afirmam ter dificuldades para sentir prazer sexual. Outros 36,59% falaram que só sentem prazer às vezes. Uma jovem de 39 anos conta que parte da razão de as mulheres evangélicas terem dificuldades em sentir prazer na relação sexual é a falta de conversa sobre o tema dentro das igrejas. “É estranho que esse tema seja um tabu entre nós mulheres nas igrejas. Parece que vida sexual é uma coisa imunda, mesmo depois do casamento”, conta.

Bifano orienta que haja conversa entre o casal sobre a vida sexual. “Pode ser que o problema esteja no homem, ou que ainda seja algo hormonal. É preciso dialogar sobre o assunto”.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se