back to top
21 C
Vitória
segunda-feira, 22 DE julho DE 2024

Mulher submissa: pastoras explicam o significado da expressão

Foto: FreePik

A submissão bíblica é pautada pela postura de respeito, cuidado e amor, o que, diferentemente do que muitos pensam, não silencia a mulher 

Por Patricia Scott 

Todos os cristãos são chamados para se submeterem uns aos outros, conforme Tiago 4.7. Além disso, segundo as Sagradas Escrituras, a submissão ao Senhor está acima de qualquer outra autoridade. No entanto, quando o contexto é a submissão feminina, o tema gera polêmica.

Isso ocorre, de acordo com a pastora Sabrina Matias, da Igreja Missão Praia da Costa, em Vila Velha (ES), porque a submissão é entendida como um conceito que promove a desigualdade ou a supressão da individualidade, como muitos vivem. A submissão bíblica, entretanto, transcende a simples obediência ou a atitude de subordinação passiva.

“Ela abarca uma relação rica e mútua de respeito, amor e cuidado. Não é sobre silenciar ou diminuir a mulher, mas sobre formar uma parceria em que ambos, marido e esposa,  apoiam-se e se respeitam mutuamente, procurando o melhor um para o outro em todas as áreas da vida”, explica a pastora. 

- Continua após a publicidade -

Sabrina observa que a ideia é que, através da submissão, os parceiros trabalhem juntos, cada um contribuindo com suas forças e dando apoio ao outro diante das fraquezas, a fim de promoverem um ambiente de harmonia e de suporte mútuo. “Em um sentido mais amplo, a submissão é parte da ética cristã de servir uns aos outros, colocando as necessidades dos outros à frente das próprias, o que é uma demonstração de amor e humildade”, detalha Sabrina.

Diante dos muitos exemplos bíblicos de casais, a pastora destaca Priscila e Áquila, história registrada no Novo Testamento. “Eles são apresentados como uma parceria exemplar, tanto no casamento quanto no ministério. Exemplificam uma submissão mútua e um respeito profundo um pelo outro, enquanto trabalham juntos para apoiar e expandir a igreja primitiva”.

Sabrina diz que, diante da postura de Priscila e Áquila, é possível aprender que submissão não significa ser menos importante, mas trabalhar juntos como iguais. “Isso porque eles compartilham o ministério e se respeitam mutuamente, o que é um bom exemplo de como maridos e esposas devem se tratar, de acordo com os ensinamentos de Paulo”, pontua a pastora, acrescentando que a “verdadeira submissão envolve parceria e respeito, o que fortalece tanto o casamento quanto o trabalho que fazem juntos”.

Família e sociedade 

Atualmente, de acordo com a pastora Eristelia Bernardo, da Igreja Casa do Pai, no bairro Vera Cruz, em Governador Valadares (MG), a sociedade tem muita dificuldade de compreender o que é autoridade, sem contar a oposição aos ensinamentos bíblicos. “Há muita rebeldia à Palavra de Deus. Além disso, não há compreensão quanto ao conceito bíblico de submissão”.

Ela afirma que a submissão feminina é um princípio bíblico, estabelecido por Deus, que coloca o marido como o cabeça da família. No entanto, “se submeter ao esposo não quer dizer aceitar desse homem qualquer direção”. Eristelia adverte que a mulher deve se submeter ao marido no Senhor. “Em qualquer situação, a sujeição feminina precisar estar, principalmente, em Deus”, esclarece e continua: “Naquilo que o marido contraria a Palavra, a mulher não deve se submeter”.

Como fonte de inspiração, a pastora cita Abigail, mulher inteligente e sábia. Casada com um homem mal, ela agiu em favor da família dela, livrando-a. “Estrategicamente, não se levantou contra o marido, mas procurou Davi. Naquela ocasião, ele poderia destruir a sua casa por causa de Nabal”, relata e finaliza: “Ela busca o perdão de Davi, por causa daquele esposo. Assim, consegue contornar a situação, trazendo livramento para sua família”.

A Bíblia ensina que a mulher deve ser submissa ao marido, de acordo com as palavras do apóstolo Paulo em Efésios 5.22-23. Essa ordenança se aplica somente dentro do casamento. Isso significa “estar alinhada, andando na mesma direção do Senhor”, prega a pastora Anisia Luite, da Igreja do Nazareno, em Mesquita, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro (RJ).

Ela ressalta que, “por conta do autoritarismo e da violência, a submissão foi passada de geração em geração de maneira completamente distorcida”. A pastora explica que, na verdade, a submissão significa que ambos – o casal – devem estar debaixo da mesma missão estabelecida pelo Senhor em amor.

“A submissão ao marido, que é submisso ao Senhor, traz bênçãos para a mulher. Ela é protegida por Deus e por ele”, ressalta, enfatizando, ainda, que tal postura gera também felicidade, prosperidade, segurança, clareza do seu propósito. “Os filhos sentem orgulho, e o marido expressa amor. E a comunidade a reconhece como mulher bem-aventurada”.

 

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Publicidade

Comunhão Digital

Publicidade

Fique por dentro

RÁDIO COMUNHÃO

VIDA E FAMÍLIA

- Publicidade -