24.9 C
Vitória
quinta-feira, 11 agosto 2022

Muçulmana prega o islamismo a cristãos e acaba rendida a Jesus

Latifa conheceu a graça salvadora de Jesus - Foto: Portas Abertas

Conheça a história de Latifa, moradora do Norte da África, que era fiel ao islã, mas passa a ser perseguida pela família ao se tonar cristã

Por Patricia Scott 

Latifa [nome fictício por questão de segurança] fazia de tudo para agradar Alá e, assim, ser amada por ele. Moradora do Norte da África, ela era de uma família em que o pai criticava a fé islâmica. Ele agia, inclusive, com rispidez pela filha seguir todos os preceitos do islamismo.

Para persuadir o pai, Latifa estudava a fundo a sobre a religião islâmica. No entanto, acabou cheia de questionamentos. Como resultado, ela deixou de crer no islã. Nessa época, a jovem conheceu um rapaz de uma família cristã. Então, retomou o aprendizado quanto ao islã com o objetivo de convencer o amigo, além da mãe dele, de que ambos estavam equivocados e, por isso, sendo infiéis.

“Eles eram diferentes, se eu dissesse algo ofensivo, eles não reagiam. Costumava descrever Jesus como fraco porque aceitou ser crucificado. Eles simplesmente respondiam que o poder dele é aperfeiçoado na fraqueza. Como resultado, eu costumava ir para casa e ler minha Bíblia, então ligava para a mãe dele mesmo no meio da noite e tinha uma conversa sobre isso. Eu não conseguia ficar longe da minha Bíblia”, revela Latifa.

Encontro com Jesus e a perseguição
Depois de assistir ao culto de Páscoa a convite dos amigos crustãos, Latifa se entregou a Jesus, reconhecendo-O como Senhor e Salvador. Naquele momento, aumentaram as perseguições da família, que culminaram com a expulsão dela de casa. Latifa foi acolhida por uma irmã na fé. Depois, reconciliou-se com os familiares. Ela e o amigo cristão se casaram. Eles foram morar na mesma região dos parentes maternos de Latifa, que eram muçulmanos radicais.

A partir de então começaram a sofrer pressão e violência, tanto o casal como a filha deles. Portas Abertas tomou conhecimento da situação da família de Latifa e passou a prestar assistência nos momentos mas adversos. “A Portas Abertas também me apoiou quando meu marido precisou cuidar de mim durante o período de quimioterapia, porque não tínhamos uma renda. Vocês me ajudaram a pagar meu aluguel e fizeram questão que eu fosse visitada porque não podia ir à igreja”, testemunha.

A Missão Portas Abertas é uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus. Anualmente, a instituição elabora a Lista Mundial da Perseguição (LMP) com os 50 países mais hostis à mensagem do Evangelho.

Com informações Portas Abertas

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Entre para nosso grupo do Telegram

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se