General Mourão assume a presidência pela primeira vez

Na ausência de Bolsonaro, Mourão assume o cargo mais alto do país.

Com a ausência de Jair Bolsonaro, Mourão será o presidente em exercício até a próxima sexta-feira (25)

Em sua primeira viagem internacional como presidente do Brasil, Jair Bolsonaro apresentará em Davos, na Suíça, durante o Fórum Econômico Mundial, uma série de temas que vão desde a abertura da economia, ao combate à corrupção, à preservação da democracia no Brasil e na América Latina. Portanto, também pela primeira vez, o vice-presidente general Hamilton Mourão, exercerá a Presidência da República.

Bolsonaro discursará nesta terça-feira (22), na abertura do fórum. A expectativa é que ele aproveite a oportunidade, em Davos, para demonstrar sua preocupação com o agravamento da crise na Venezuela, apresentar seu ponto de vista sobre globalização, tecnologia e inovação.

Há previsão de Bolsonaro se reunir com os presidentes do Peru, Martín Vizcarra; do Equador, Lenín Moreno; da Colômbia, Iván Duque; e da Costa Rica, Carlos Alvarado Quesada. Com eles, devem ser tratadas as crises na Venezuela e na Nicarágua, além dos impactos na região, como a questão migratória.

Bolsonaro deve chegar a Zurique, na Suíça, nesta segunda-feira (21) por volta das 17h30. Davos fica a 116 quilômetros de Zurique. Enquanto que o retorno ao Brasil é esperado para a madrugada de sexta-feira (25). E até lá Mourão será o presidente em exercício.

Presidência em exercício

Na manhã desta segunda-feira, Mourão se reúne com Miguel Angelo da Gama Bentes para discutir projetos de mineração estratégica. À tarde, o presidente em exercício tem encontros com os embaixadores da Alemanha, Georg Witschel, e Tailândia, Susarak Suparat.

Mourão se reúne, ainda hoje, com o coronel Hélcio Bruno de Almeida. Descrito como especialista em defesa e segurança com atenção no combate ao terrorismo.

Além disso, ele se encontra com dois generais ainda hoje.

*Com informações da Agência Brasil.


leia mais

Governo planeja fim do visto para turistas de quatro países
Brasil e Argentina firmam novo tratado de extradição