29.7 C
Vitória
quarta-feira, 28 outubro 2020

Moro pede demissão do governo Bolsonaro

Leia também

Confiança da indústria sobe a 111,2 pontos em outubro, revela FGV

O nível de estoques subiu de 108,1 pontos para 114,2, e o indicador de demanda cresceu de 106,2 para 110,3 pontos

Processo contra Flordelis é admitido e segue para Conselho de Ética

Deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), assumiu o compromisso de colocar em votação na próxima semana a retomada, de forma remota

Emprego na construção volta a crescer, revela CNI

No mês passado, o nível da atividade da construção apresentou alta pelo segundo mês consecutivo, alcançando 51,2 pontos

Moro pede demissão do governo: “Foi prometida carta branca”. Saiba mais!

Por Rafael Moraes Moura, Julia Lindner e Paulo Roberto Netto

Ao anunciar a saída do cargo, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, acusou nesta sexta-feira (24) o presidente Jair Bolsonaro de tentar interferir politicamente no comando da Polícia Federal para obter acesso a informações sigilosas e relatórios de inteligência. “O presidente me quer fora do cargo”, disse Moro, ao deixar claro que a saída foi motivada por decisão do presidente.

“O presidente me disse que queria ter uma pessoa do contato pessoal dele, que ele pudesse colher informações, relatórios de inteligência. A interferência política pode levar a relações impróprias entre o diretor da PF e o presidente da República. Não posso concordar”, disse Moro, ao comentar as pressões de Bolsonaro para a troca no comando da PF. “O presidente me quer fora do cargo.”

Moro falou com a imprensa após Bolsonaro formalizar o desligamento de Maurício Valeixo do cargo de diretor-geral da Polícia Federal – o ministro frisou que não assinou a exoneração, publicada no Diário Oficial da União. O ex-juiz federal da Lava Jato lembrou que, em novembro de 2018, logo após as eleições presidenciais, Jair Bolsonaro lhe disse que ele teria “carta branca” para comandar a pasta, o que acabou não ocorrendo. “Ele (Moro) vai abrir mão da carreira dele. É um soldado que está indo à guerra sem medo de morrer”, disse o presidente na ocasião.

De acordo com Moro, a partir do segundo semestre do ano passado, “passou a haver uma insistência do presidente com a troca do comando da Polícia Federal”. “O presidente passou a insistir também na troca do diretor-geral. Eu disse ‘Não tenho nenhum problema em trocar o diretor-geral, mas eu preciso de uma causa’ (…) Estaria claro que haveria interferência política na PF’. O problema é: por que trocar? Por que alguém entra? As investigações têm de ser preservadas”, disse.

Ao falar do governo Dilma Rousseff, o ministro observou que “é certo que o governo da época tinha muitos defeitos, mas foi fundamental a autonomia da PF”. “Foi garantida a autonomia da Polícia Federal durante os trabalhos. O governo da época tinha inúmeros defeitos, crimes de corrupção, mas foi fundamental a manutenção da autonomia da PF para que fosse realizado o trabalho. Isso permitiu que os resultados fossem alcançados.”

Derrotas

Desde que abandonou 22 anos de magistratura para entrar no governo, Sergio Moro tem acumulado uma série de derrotas. O pacote anticrime formulado por ele, por exemplo, foi desidratado pelo Congresso. Recentemente, Bolsonaro também tentou esvaziar dividir o Ministério da Justiça, retirando de Moro a parte reservada ao combate à criminalidade, justamente uma das áreas que apresentava melhor resultado até aqui. O plano do presidente era entregar a área que cuida da Polícia Federal para o ex-deputado Alberto Fraga (DEM), amigo pessoal de Bolsonaro.

STF

Segundo Moro, ao aceitar o convite para comandar a Justiça, nunca houve a condição para que ele depois assumisse uma cadeira no Supremo Tribunal Federal (STF). “O compromisso (ao assumir ministério) era aprofundar combate à corrupção”, afirmou.

“Busquei ao máximo evitar que isso (a minha saída) acontecesse, mas foi inevitável”, disse Moro. “Não foi por minha opção.”

Sucessão

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), já articula para emplacar o secretário de Segurança do DF, Anderson Torres, no lugar de Moro. Crítico do ex-juiz, Ibaneis disse que Torres, que é amigo de Bolsonaro, seria um ministro “100 vezes melhor” que Moro.
- Publicidade -

Matérias relacionadas

Drones para fiscalização de crimes eleitorais

Os drones possuem câmeras com mecanismo de aproximação para identificar suspeitos, placas de veículos, entregas de santinhos e situações de compra de votos

Bolsonaro acusa Doria de aumentar impostos na pandemia

O pacote de medidas inclui a extinção de estatais e fundações com o objetivo de poupar despesas no Orçamento do próximo ano

Paulo Oliveira: Toda crise é boa para quem é pequeno

Como será de agora em diante para a economia, a política e a educação? E onde a Igreja entra nisso? Confira a entrevista com Paulo Oliveira, presidente do Instituto Renovo

Indicado à Anvisa assinou contrato suspeito de irregularidade na Saúde

Na última segunda-feira, dia 19, a Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado aprovou duas outras indicações feitas por Bolsonaro à Anvisa

Dicas para fortalecer os laços familiares

Família perfeita não existe, mas, com ajustes, é possível conviver com leveza e alegria.

Dons espirituais para a Igreja

Dádivas de Deus, os dons espirituais são manifestados no meio do Corpo de Cristo para a edificação da Igreja do Senhor no mundo

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

Semana dos manuscritos do Mar Morto; Saiba mais!

Arqueólogos e especialistas vão apresentar um dos mais impactantes achados da humanidade, na semana dos manuscritos do Mar Morto. Evento, que começa nesta segunda,19, é gratuito!

Live Solidária “Um Com Eles” em Libras

A live solidária, realizada pela Portas Abertas, será transmitida pelo Facebook, e estará acessível a todos que entendem a língua brasileira de sinais. Saiba mais!

Desafio Superação em corrida virtual; É neste domingo, 18

Em alusão ao Outubro Rosa, o Desafio Superação vai mobilizar mulheres cristãs de todo o Brasil em prol da saúde. Saiba mais!

Vovô Raul Gil recebe artistas gospel em live; Saiba mais

A live gospel do Vovô Raul Gil será no dia 21 de outubro e vai reunir personalidades e artistas evangélicos. Saiba mais!
- Publicidade -

Plugue-se

Clovis Pinho, o que vem por aí?

Novo single de Clovis Pinho deve chegar ao mercado em novembro. Saiba mais!

“Sentido” é o novo álbum musical de Leonardo Gonçalves

Gravado em Praga, na República Tcheca, álbum conta as canções que marcaram os mais de 20 anos de carreira de Leonardo Gonçalves

Respostas simples para questões complexas sobre a fé cristã

"Cristianismo bem explicado" é o quarto livro da série da Mundo Cristão, dedicada a esclarecer pontos difíceis sobre convívio social, Bíblia e teologia.

Kemuel fará reality; Novidade será anunciada em live

Isadora Pompeo, Rebeca Carvalho, Sarah Beatriz, Neil Barreto, Felipe Vilela e Pyero Tavolazzi são alguns dos convidados da live com Kemuell neste domingo, 25