24.9 C
Vitória
quarta-feira, 6 julho 2022

Missionário é morto ao tentar evangelizar tribo isolada

As anotações de suas missões foram cedidas a jornais. Foto: Reprodução

“Vocês podem pensar que sou louco em tudo isso, mas acho que vale a pena declarar Jesus a essas pessoas”, escreveu o jovem num diário

Um missionário americano de 27 anos foi morto em uma remota ilha na costa da Índia, onde tentou compartilhar o evangelho com a tribo mais isolada do mundo em meados de novembro. A informação foi confirmada pela All Nations, uma agência de missões cristãs baseada nos EUA. John Allen Chau viajou para a Ilha Sentinela Norte depois de anos de estudo e treinamento para evangelizar sua pequena população indígena, que permanece quase intocada pela civilização moderna.

De acordo com as reportagens baseadas nas anotações do diário de Chau, o graduado da Universidade Oral Roberts gritou: “Meu nome é John, e eu amo você e Jesus ama você”, para membros da tribo sentinela armados com arcos e flechas. Ele fugiu para um barco de pesca quando dispararam contra ele durante sua visita inicial, com uma flecha perfurando sua Bíblia.

“Vocês podem pensar que sou louco em tudo isso, mas acho que vale a pena declarar Jesus a essas pessoas”, escreveu o nativo do estado de Washington no dia anterior, numa carta aos pais obtida pelo Daily Mail. “Por favor, não fique zangado com eles ou com Deus se eu for morto.”

A polícia indiana não recuperou o corpo do jovem missionário e, como o contato com as tribos indígenas do arquipélago de Andaman e Nicobar é proibido, não pode processar seus assassinos.

Os Sentineleses eram conhecidos por recusar contato externo e atacar qualquer um que pisasse em sua ilha. Alguns declararam Chau um mártir e o compararam a Jim Elliot, que foi morto aos 28 anos enquanto tentava evangelizar um grupo indígena isolado no Equador.

“John era um embaixador gracioso e sensível de Jesus Cristo que queria que os outros conhecessem o grande amor de Deus por eles”, disse Mary Ho, líder executiva internacional da All Nations, que diz treinar e apoiar 150 missionários em 31 países, incluindo a Índia.

“Quando nos entristecemos pelo nosso amigo e rezamos por todos os que choram a sua morte, também sabemos que ele gostaria que orássemos por aqueles que podem ter sido responsáveis ​​pela sua morte.”

Esta foi a terceira visita de Chau à cadeia de ilhas de Andaman e Nicobar. O chefe de polícia chamou sua recente viagem de “aventura fora de lugar”, mas sua família e amigos insistem que ele conscientemente violou o protocolo para entrar no território perigoso para compartilhar o evangelho.

A Universidade Oral Roberts (ORU) divulgou a seguinte declaração: “Os ex-alunos da ORU foram para os limites mais remotos da Terra nos últimos 50 anos, trazendo esperança e cura para milhões de pessoas. Não nos surpreende que John tentasse alcançar essas pessoas isoladas para compartilhar o amor de Deus. Estamos profundamente entristecidos em saber de sua morte”.

De acordo com a All Nations, Chau se juntou à organização no ano passado, depois de servir em missões no Iraque, no Curdistão e na África do Sul. A agência o descreveu como “um viajante experiente que era bem versado em questões transculturais”.

Sua família postou uma homenagem no Instagram, dizendo que eles perdoam os responsáveis ​​por matar Chau e pedindo que as acusações sejam feitas contra os pescadores acusados ​​de arriscar sua vida ajudando-o a transportá-lo para a Ilha Sentinela Norte.

O Projeto Joshua, um ministério dedicado a rastrear etnias não alcançadas, relata que pouco se sabe sobre os Sentineleses devido ao seu isolamento e hostilidade, mas pede aos partidários que “Ore para que o governo indiano permita que os cristãos ganhem a confiança do povo sentinela, e que eles serão autorizados a viver entre eles.”

*Com informações de Christianity Today.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se