27.1 C
Vitória
sexta-feira, 28 janeiro 2022

Missionários definem estratégia para alcance da Coreia do Norte

Foto: reprodução

A Coreia do Sul há muito envia o maior número de missionários depois dos EUA — um feito impressionante para uma nação de 52 milhões de pessoas

Por Marlon Max

A Korean World Missionary Fellowship (KWMF) — organização missionária com foco na Coréia que reúne mais de 20 mil voluntários, realizou sua primeira conferência em solo coreano. Apesar da pandemia adiar o evento, o encontro híbrido, co-hospedado pela Handong Global University na cidade portuária de Pohang, na Coréia do Sul, atraiu 300 missionários pessoalmente e 400 virtuais de 75 nações.

De acordo com os organizadores, havia um tom de urgência entre os missionários seniores com o declínio de um movimento missionário coreano que antes enviava o segundo maior número de missionários do mundo.

“Precisamos ver nossa missão com uma nova perspectiva e nos envolver em nosso trabalho com abordagens mais diversas”, disse o presidente do KWMF, Choi Keun-bong, que trabalhou como missionário no Quirguistão por 28 anos. “Se não o fizermos, podemos entrar em um momento em que será difícil para as missões sobreviverem.”

A Coreia do Norte está no topo da perseguiçao
Cristianismo na Coréia do Norte cresce mesmo com a perseguição religiosa. Foto: Reprodução

A convocação de três dias, servida por 300 estudantes em sua maioria voluntários, apresentou vários painéis e workshops sobre missões coreanas, bem como oportunidades de companheirismo. Os dias foram longos, começando com reuniões de oração de avivamento às 6h30 e terminando com cultos de adoração às 22h00.

Entre os temas principais da convocação estavam a Coréia do Norte, a transição geracional e o ministério educacional. No último dia, os três se reuniram na Declaração de Pohang, traduzida do coreano para o inglês, espanhol e chinês.

Pela primeira vez em sua história, o KWMF publicou um código de ética para missionários e uma chamada pública para emancipar da Coreia do Norte seis cristãos sul-coreanos atualmente mantidos em cativeiro por quatro a oito anos.

“Declaramos, como missionários coreanos, que temos o dever especial e o chamado a levar adiante a reconciliação e a evangelização na península coreana”, afirmou o grupo. “Pedimos a proteção e a libertação dos trabalhadores cristãos indevidamente detidos na Coreia do Norte.”

Embora Pyongyang – antes chamada de Jerusalém do Leste – pareça impenetrável para os estrangeiros hoje, Handong concedeu um doutorado honorário a um empresário egípcio cristão copta durante a convocação, em parte para ajudar a libertar os cristãos detidos.

A Coreia do Sul há muito envia o maior número de missionários depois dos EUA — um feito impressionante para uma nação de 52 milhões, cujos cristãos eram menos de 1 por cento da população em 1900. Mas durante a última década, seu número de missionários foi ultrapassado por nações maiores, como Brasil e China. A convocação do KWMF regularmente discutia esse “ponto de inflexão” na história da missão coreana.

Com informações Christianity Today

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se