19.4 C
Vitória
terça-feira, 16 agosto 2022

Ministério reduz para US$ 81,5 bilhões projeção de superávit comercial

Tesouro
Caso os entes não cumpram suas obrigações no prazo estipulado, o Tesouro compensa os calotes, mas desconta os valores cobertos. Foto: Reprodução

O melhor superávit comercial registrado foi no ano passado, quando o país exportou US$ 61,407 bilhões a mais do que importou

O aumento de gastos com fertilizantes e combustíveis fez o Ministério da Economia revisar para baixo a projeção de superávit comercial (exportações menos importações) em 2022. A estimativa caiu de US$ 111,6 bilhões previstos em abril para US$ 81,5 bilhões, redução de 27%. A cada três meses, o governo divulga uma nova previsão.

Apesar da queda, esse deve ser o melhor resultado anual da balança comercial desde o início da série histórica, em 1989. O melhor superávit comercial registrado até hoje foi no ano passado, quando o país exportou US$ 61,407 bilhões a mais do que importou, beneficiado pela valorização das commodities (bens primários com cotação internacional).

Segundo o subsecretário de Inteligência e Estatísticas do Comércio Exterior do Ministério da Economia, Herlon Brandão, a diminuição da estimativa está relacionada aos altos custos de importações dos combustíveis e fertilizantes. “A revisão é consequência de uma despesa maior [com importações] provocada pelos preços crescentes, em razão do conflito entre Rússia e Ucrânia e de todas as disrupções que observamos nas cadeias de suprimentos”, explicou.

Tanto as estimativas de importações e de exportações subiram. A projeção para as compras do exterior subiu de US$ 237,2 bilhões previstos em abril para US$ 268 bilhões agora. Do lado das exportações, a previsão teve um leve ajuste, subindo de US$ 348,8 bilhões para US$ 349,4 bilhões. Os valores são recordes para esses parâmetros.

Impacto da guerra

A guerra entre Rússia e Ucrânia impactou a balança comercial em junho. Por causa do aumento de gastos de itens que encareceram com o conflito, o superávit no mês passado totalizou US$ 8,814 bilhões, com recuo de 15,4% em relação a junho de 2021.

Os preços internacionais dos adubos e dos fertilizantes subiu 144,7% em junho, na comparação com o mesmo mês do ano passado. O preço médio dos combustíveis comprados do exterior aumentou 104,4% na mesma comparação. No trigo, outro produto que o Brasil importa em grande quantidade, a alta chega a 44,6%.

Com informações de Agência Brasil 

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Entre para nosso grupo do Telegram

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se