Os judeus e a memória das vítimas do holocausto

Israelenses fazem homenagens aos judeus mortos pelo nazismo na Alemanha. Foto: Reprodução

Data é especialmente importante para Israel. Regime nazista e seus colaboradores assassinaram cerca de 6 milhões de judeus durante a Segunda Guerra Mundial.

Todos os anos, no dia 27 de janeiro, celebra-se o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto. A data faz referência à liberação, pelas tropas soviéticas, do Campo de Concentração e Extermínio Nazista Alemão de Auschwitz em 1945 e foi definida pela Assembleia Geral das Nações Unidas.

De acordo com a Organização das Nações Unidas, o Holocausto foi um ponto de virada na história da humanidade, que levou o mundo a dizer “nunca mais”. A resolução que instituiu o Dia Mundial em Memória das Vítimas do Holocausto traz a lembrança dos crimes passados com o objetivo de preveni-los no futuro.

“Seria um erro perigoso pensar no Holocausto como simplesmente o resultado da insanidade de um grupo de nazistas criminosos. Pelo contrário, o Holocausto foi o culminar de milênios de ódio e discriminação visando os judeus, o que nós agora chamamos antissemitismo”, afirma António Guterres, secretário-geral da ONU.

Holocausto

O regime nazista e seus colaboradores assassinaram cerca de 6 milhões de judeus, entre homens, mulheres e crianças, durante a Segunda Guerra Mundial, em um programa continental de destruição de todas as comunidades judaicas que fossem encontradas.

Guiada por uma ideologia fundamentalmente racista, a Alemanha nazista também perseguiu e matou milhões de outras pessoas por serem consideradas de “raça inferior”, e outras por razões políticas, ideológicas ou comportamentais.

“É difícil descrever o sentimento do nosso povo quando trazemos a memória lembranças incuráveis. A lembrança é importante para que as futuras gerações não repitam as mesmas maldades do passado, e também enviamos uma mensagem clara aos que querem nossa ruína, de que o povo de Israel sempre viverá, pois conforme promessa, o nosso guardião não deixará vacilar o nosso pé; pois aquele que nos guarda não dormitará. Eis que não dormitará nem dormirá aquele que guarda a Israel”, declarou o pastor Francisco Cardoso, presidente da congregação judaica Messiânica de Vitória (ES)

O que diz a Bíblia

Os profetas do Antigo Testamento predisseram que por causa da obstinada rebelião do povo judeu contra Deus eles seriam objeto de desprezo, ódio, zombaria, seriam escravizados e mortos por povos estranhos, espalhados por todas as nações do mundo e que depois Deus os reuniria de volta à sua terra (Neemias 1.8 e 9).

Essas profecias surpreendentes se cumpriram cabalmente na existência deste povo, a história testifica isso com farta documentação. O anti-semitismo e o Holocausto foram preditos pelos profetas hebreus e o cumprimento destas profecias é um fato insofismável.

Saiba mais


Leia mais

Joseph Shulam: O caminho para unir judeus e cristãos
Judeus comemoram 70 anos do Estado de Israel
Imigração de judeus brasileiros para Israel bate recordes
Bíblia é suficiente para provar a ligação de judeus com sua terra, diz ministro de Israel
História do casal cristão que salvou judeus, na Segunda Guerra, chega nos cinemas em Abril