23.9 C
Vitória
sexta-feira, 23 julho 2021

Em carta, Max Lucado pede perdão por “ferir” LGBTs em sermão

“Deveria ter feito melhor, sei que minhas palavras feriram”, disse o pastor Max Lucado, após pregar em igreja que apoia o casamento gay

Uma pregação realizada pelo pastor Max Lucado, da Oak Hills Church, em San Antonio, EUA, em 2004, na Catedral de Washington gerou muitas críticas no país. Na ocasião ele comparou a homossexualidade ao incesto e a bestialidade. Em carta à igreja, ele pede desculpas pela ofensa, alegando que foi desrespeitoso com a comunidade LGBTQ.

“Eu feri pessoas de maneiras devastadoras. Vejo que naquele sermão fui desrespeitoso. Eu magoei. Deveria ter feito melhor. Lamento que minhas palavras tenham ferido ou tenham sido usadas para ferir a comunidade LGBTQ. Peço desculpas a você e peço perdão a Cristo. ”, disse Lucado.

Na pregação de 2004, o pastor havia ministrado sobre casamento entre pessoas do mesmo sexo. As críticas contra o pastor também têm como base as suas opiniões escritas anteriores sobre a união entre pessoas do mesmo sexo, que é uma prática condenada pela Bíblia.

Petição contra Lucado

Membros da Igreja Episcopal, uma denominação conhecida por ter opiniões liberais sobre questões de casamento e sexualidade, lançaram uma petição pedindo ao reitor da catedral, Randy Hollerith, que rescindisse o convite de Lucado para pregar. “Os ensinamentos e a pregação de Lucado infligem danos ativos às pessoas LGBTQ”, dizia a petição.

Carta de Lucado

“Querida comunidade da Catedral,
Foi uma grande honra servir como seu pregador convidado em 7 de fevereiro de 2021. Chegou a meu entendimento de que minha presença na Catedral é causa de consternação para muitos de seus membros.

Fui convidado para a Catedral Nacional de Washington para pregar sobre o tema do Santo Espírito. Meu desejo era destacar o poder do Espírito para trazer conforto nestes caóticos vezes. No entanto, em vez daquele sermão, muitos só ouviram minhas palavras de muitos anos atrás.

Em 2004, preguei um sermão sobre o tema do casamento entre pessoas do mesmo sexo. Agora eu vejo isso, naquele sermão, eu fui desrespeitoso. Eu magoei. Eu feri pessoas de maneiras devastadoras.

Eu deveria ter feito melhor. Entristece-me que minhas palavras tenham ferido ou tenham sido usadas para ferir a Comunidade LGBTQ. Peço desculpas a você e peço perdão a Cristo.

Pessoas fiéis podem discordar sobre o que a Bíblia diz sobre a homossexualidade, mas nós concordarmos que a santa Palavra de Deus nunca deve ser usada como uma arma para ferir outros. Para ser claro, eu acredito na compreensão bíblica tradicional do casamento, mas também acredito em um Deus de graça e amor ilimitados. Indivíduos LGBTQ e famílias LGBTQ devem ser respeitados e tratados com amor. Eles são filhos amados de Deus porque, eles são feitos na imagem e semelhança de Deus.

Ao longo dos séculos, a igreja prejudicou as pessoas LGBTQ e suas famílias, assim como a igreja prejudicou pessoas em questões de raça, gênero, divórcio, vício e tantos outros aspectos. Devemos fazer melhor para servir e amar uns aos outros.

Compartilho o compromisso da Catedral de construir pontes e aprender a ouvir – a realmente ouça – aqueles de quem discordamos. Esse trabalho é difícil, é difícil, é bagunçado, e pode ser desconfortável. Mas precisamos disso agora mais do que nunca”.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se