25.9 C
Vitória
sexta-feira, 17 setembro 2021

Max Lucado é homenageado pelos 35 anos de carreira

Os livros do autor venderam mais de 70 milhões de cópias, foram traduzidos e impressos em 45 idiomas e distribuídos em pelo menos 80 países

O renomado pastor e escritor americano Max Lucado foi premiado durante cerimônia em Nova Iorque, nos Estados Unidos, pelas inúmeras publicações ao longo de 35 anos como escritor. O prêmio foi oferecido pela Evangelical Christian Publishers Association (ECPA), ou em português, “Associação Evangélica de Escritores”, que reconheceu a contribuição da obra de Lucado não só para os leitores cristãos, mas para toda a sociedade.

Para o presidente da ECPA, Stan Jantz, a forma acessível e o coração voltado para Jesus nos textos do autor atraíram muitas pessoas nas últimas décadas. Lucado vendeu mais de 145 milhões de produtos nos últimos 35 anos, “uma grande conquista na publicação cristã”, destaca Jantz. Além disso, seus livros são impressos em 45 idiomas e distribuídos em 80 países. Vinte e três de seus títulos venderam mais de 1 milhão de cópias.

O alcance mundial é constantemente citado em listas de bestsellers (ou mais vendidos) dos jornais The New York Times, Wall Street Journal e USA Today. Sua escrita também apareceu em estudos bíblicos, comentários bíblicos, canções, cartões comemorativos, filmes e até em brinquedos de pelúcia. Paralelamente ao trabalho de escritor, Max Lucado se dedica à função de pastor na Oak Hill Church, em San Diego, Califórnia.

Alcance digital

Assim que a situação da pandemia se agravou nos Estados Unidos e em todo mundo, Lucado criou os “check-ins”, espécie de diário em vídeo para cuidar das pessoas durante os dias difíceis em lockdown, em decorrência da covid-19.

Os vídeos foram vistos mais de 45 milhões de vezes e se tornaram catalisadores para o lançamento do “The Max Lucado Encouraging Word Podcast”, ou em português “Palavras encorajadoras de Max Lucado”, com mais de 1,6 milhão de downloads em seus primeiros dez meses.

Playlist dos vídeos “check-ins”

Coração aberto para assuntos controversos

Embora seja amplamente amado e respeitado, Lucado também foi pego na mira da mídia ao comentar no púlpito assuntos polêmicos. No ano passado, ele foi criticado por realizar um culto de oração pelo “arrependimento racial”. De acordo com o autor, a oração era uma forma de reconhecer os erros históricos que foram cometidos contra a população negra dos Estados Unidos.

Em outra ocasião, Max Lucado escreveu uma carta pedindo perdão por ferir o público LGBTQIAP+ em um sermão.

“Deveria ter feito melhor, sei que minhas palavras feriram”, disse o pastor Max Lucado, após pregar em igreja que apoia o casamento gay. A pregação aconteceu em 2004, na Oak Hill Church. Desde então, o assunto esteve presente em diversas entrevistas com o autor. Ao pedir perdão, por meio de carta, o autor fala da dificuldade em dialogar sobre o assunto.

“Compartilho o compromisso da Catedral (de Washington) de construir pontes e aprender a ouvir – aqueles que realmente ouçam e aqueles de quem discordamos. Esse trabalho é difícil, é difícil, é bagunçado, e pode ser desconfortável. Mas precisamos disso agora mais do que nunca”, disse em entrevista ao site Eternity.

No entanto, embora Lucado diga que sempre vai obedecer as sugestões de Deus, sua preferência é sempre deixar a política fora da igreja. “Não quero que ninguém venha à nossa igreja porque acham que vou falar sobre política… No entanto, às vezes, sinto um peso tão grande que só preciso dizer algo”, desabafou o autor.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se