27.9 C
Vitória
domingo, 20 setembro 2020

Documentos mostram provável origem do material que destruiu a capital do Líbano

Leia também

Anvisa autoriza que Pfizer dobre número de voluntários em testes para vacina

O laboratório informou que vai expandir o número de participantes do estudo para a vacina, chegando a cerca de 44 mil participantes

Fumaça do Pantanal que chega a SP pode agravar casos de doenças respiratórias

Outra recomendação que Cardenuto indica é a de evitar aglomerações, uma medida que já deveria ser cumprida em função do novo coronavírus

Lava Jato denuncia Cabral e Bezerra por propinas em contratos do DER

Segundo a peça, registros contábeis apreendidos com o operador de Cabral na Calicute mostram que Maciste efetuou, entre 2011 e 2017

A carga de nitrato de amônio chegou ao Líbano, em setembro de 2013, a bordo de um navio de carga de propriedade russa com uma bandeira da Moldávia

Por Redação (AE)

A explosão de 2.750 toneladas de nitrato de amônio, usado em bombas e fertilizantes, armazenadas em um hangar no porto de Beirute, levou os libaneses a se perguntarem o que uma carga altamente inflamável fazia ali

Segundo a rede televisão árabe Al Jazeera, a análise de registros e documentos públicos mostra que altos funcionários libaneses sabiam há mais de seis anos que o nitrato de amônio estava armazenado no Hangar 12 do porto de Beirute. E que eles estariam cientes dos perigos que isso representava.

A carga de nitrato de amônio chegou ao Líbano, em setembro de 2013, a bordo de um navio de carga de propriedade russa com uma bandeira da Moldávia. O Rhosus, de acordo com informações do site de rastreamento de navios, Fleetmon, estava indo da Geórgia para Moçambique, afirma a reportagem da Al Jazeera.

O navio foi forçado a atracar em Beirute depois de enfrentar problemas técnicos no mar, segundo advogados representando a tripulação do barco. Mas as autoridades libanesas impediram a embarcação de navegar e o navio foi abandonado por seus proprietários e tripulação – informações parcialmente corroboradas pela Fleetmon.

A carga perigosa do navio foi descarregada e colocada no Hangar 12 do porto de Beirute, uma grande estrutura cinza de frente para a principal rodovia norte-sul do país, na entrada principal da capital.

Meses depois, em 27 de junho de 2014, o então diretor da Alfândega Libanesa Shafik Merhi enviou uma carta endereçada a um “juiz de assuntos urgentes”, pedindo uma solução para a carga, segundo documentos compartilhados online e divulgados pela Al Jazeera.

Os funcionários aduaneiros enviaram pelo menos mais cinco cartas nos três anos seguintes – em 5 de dezembro de 2014, 6 de maio de 2015, 20 de maio de 2016, 13 de outubro de 2016 e 27 de outubro de 2017 – pedindo orientação. Eles propuseram três opções: exportar o nitrato de amônio, entregá-lo ao exército libanês ou vendê-lo à uma empresa libanesa de explosivos de propriedade privada.

Uma carta enviada em 2016 diz que “os juízes não responderam” a pedidos anteriores.

A carta, obtida pela Al Jazeera, alega: “Em vista do sério risco de manter esses produtos no hangar em condições climáticas inadequadas, reafirmamos nosso pedido de solicitar à agência marítima que reexporte esses produtos imediatamente para preservar a segurança do porto e daqueles que trabalham aqui, ou em concordar em vendê-lo para a Lebanese Explosives Company.”

Mais uma vez, não houve resposta. Um ano depois, Badri Daher, o novo diretor da Administração Aduaneira do Líbano, escreveu a um juiz mais uma vez.

Na carta de 27 de outubro de 2017, Daher pediu ao juiz que tomasse uma decisão sobre o assunto em vista do “perigo … de deixar esses produtos no local em que estão e para aqueles que trabalham lá”.

Quase três anos depois, o nitrato de amônio ainda estava no hangar. O primeiro-ministro do Líbano, Hassan Diab, declarou na terça-feira, 4, a explosão no porto como “um grande desastre nacional” e prometeu que “todos os responsáveis por essa catástrofe pagarão o preço”.

O presidente libanês Michel Aoun chamou o fracasso em lidar com o nitrato de amônio como “inaceitável” e prometeu a “punição mais severa” aos responsáveis. Uma investigação foi iniciada e o comitê deve encaminhar suas conclusões ao judiciário dentro de cinco dias.

A causa da explosão ainda não está clara, mas muitos libaneses foram rápidos em apontar o que eles acreditam ser a causa principal: a imensa corrupção e má administração em um estado quebrado administrado por uma classe política corrupta que, segundo eles, trata os habitantes do país com desprezo.

O porto da cidade é conhecido localmente como “Caverna de Ali Baba e os 40 Ladrões”, pela grande quantidade de fundos estatais que foram roubados por décadas.

As alegações incluem desvios de bilhões de dólares em receita tributária que nunca chegaram ao tesouro do Líbano e devido a esquemas para subestimar as importações, bem como acusações de suborno sistemático e generalizado para evitar o pagamento de impostos alfandegários.

“Beirute se foi e aqueles que governaram o país nas últimas décadas não podem se safar disso”, disse Rima Majed, ativista política e socióloga libanesa em um tweet. “Eles são criminosos e este é provavelmente o maior de seus (muitos) crimes até agora”.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

O Líbano já estava em crise, então veio a explosão

O presidente do Conselho Supremo da Comunidade Evangélica na Síria e no Líbano, Joseph Kassab diz: "Somos um país falido".

“Minha esperança”, um clamor pelo Líbano

O clipe, que foi foi lançado dois dias antes da grande explosão que devastou Beirute, é do pastor André Argente, do Ministério Valentes dessa geração

Campanha solidária “Juntos pelo Líbano”

A campanha "Juntos pelo Líbano" é de iniciativa da Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (ADRA)

Missão brasileira embarca com 6 toneladas de material a Beirute

O presidente Jair Bolsonaro acompanhou hoje (12), na Base Aérea de São Paulo, em Guarulhos (SP), a partida da comitiva brasileira em missão especial a Beirute, no Líbano.

Justiça autoriza viagem de Temer ao Líbano

De origem libanesa, o ex-presidente Temer é réu em ações decorrentes de investigação por corrupção na Justiça Federal do Rio

Fome, protestos e confrontos em Beirute

Quase uma semana após a explosão em Beirute, população enfrenta uma onda de protestos e confrontos acontece contra o governo. Saiba mais!

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

Live solidária: artistas em favor da Igreja Perseguida

Denominado de "Seja um com eles", a live solidária é um grito de ajuda a igreja perseguida. Paulo César Baruk, Rebeca Nemer, Eyshila, André Aquino são alguns dos convidados. Saiba mais!

Arte da Graça em casa; Conscientização do setembro amarelo

Em formato online, o evento une shows e workshops incentivando a tolerância, paz e música. Saiba mais!

Aquecimento Sepal 2020, com Edméia Williams e Rodrigo Gomes

Transmissão acontecerá nesta segunda-feira, 14 de setembro, às 19 horas. Saiba como participar!

Encontro nacional Renas: “Ser criança em tempos de incerteza”

É a 13ª edição do Encontro Nacional da Rede Evangélica Nacional de Ação Social (Renas). Evento, que acontece em outubro, será online. Saiba mais!
- Publicidade -

Plugue-se

“Inesquecível”: a história da professora que morreu para salvar crianças

Filme vai contar a história da professora Heley de Abreu, que deu avida para proteger crianças de um incêndio, em Janaúba (MG). Saiba maiws!

Kemuel e Priscilla Alcântara conquistam Platina Triplo

Platina Triplo é uma certificação pelo grande alcance que as canções dos artistas tiveram nas plataformas digitais de música Nesta quinta-feira, 17, Kemuel e Priscilla...

Ajude um cego a ler a Bíblia e ter a vida transformada

A iniciativa quer distribuir a Bíblia para cegos em todo o Brasil e promover a acessibilidade para pessoas com deficiência visual. Saiba mais!

Amanda Loyola, floresce uma potência vocal do gospel

Artista capixaba, que ficou conhecida ao participar do quadro Jovens Talentos, do Programa Raul Gil, já lançou três canções pela Sony.