22.7 C
Vitória
domingo, 3 julho 2022

Sem os braços e as pernas, Mark Grantham não perde a fé em Deus

quadriplégio_superação
Foto: Reprodução

Após se tornar quadriplégico de nível C5, (quando a pessoa perde os movimentos das pernas e dos braços), Mark Grantham lida com suas restrições físicas com os olhos da fé.

Mark Andrew Grantham, 38, ficou quadriplégio de nível 5 – quando a pessoa perde todos os movimentos dos braços e das pernas – após um acidente que sofreu. Mesmo com todas as suas limitações, seu propósito com Deus não mudou. “Me tornei um quadriplégico em um instante, mas aprendi a dizer que é passado e não posso mudar isso”, disse Mark.

Em junho de 2006, Mark, que tem certificação de salva-vidas, adiou uma viagem de pesca para cuidar das crianças na piscina do acampamento infantil pertencente à igreja Assembleia de Deus Central, a qual é membro desde a infância, em Springfield, Missouri (EUA).

Quando as crianças fizeram uma pausa, Mark mergulhou em um escorregador inflável de 1,80 metro de altura, que desabou e caiu. Ele caiu de cabeça no concreto ao lado da piscina e seu impacto o levou para a água. Sem conseguir se mexer, ele afundou, prendeu a respiração e esperou ser resgatado.

“Não ficar inconsciente foi uma verdadeira bênção. Eu era o único treinado para lidar com lesões na cabeça e no pescoço”, lembra Mark.

Tratamento e cuidado de Deus

Com 24 anos na época, o jovem gravemente ferido orientou outras pessoas a cuidar dele até a chegada dos paramédicos. No hospital, ele foi submetido a uma cirurgia de cinco horas e ficou internado por duas semanas. Foram três meses de tratamento intensivo em Denver, no Colorado, testemunhando o cuidado de Deus.

“As circunstâncias não são o que importa nesta vida, mas sim o que fazemos a respeito delas”, afirma Mark. “Não consigo imaginar passar por essa jornada — tanto naquela época quanto agora — sem um relacionamento pessoal com Cristo”.

No momento do acidente, Mark estava em boa forma e praticava diversos esportes, mas durante o tratamento, sofreu uma enorme perda de peso que o trouxe angústia. Foi na Bíblia que ele encontrou conforto.

Deitado na cama durante o período mais difícil da sua recuperação, Mark conta que clamou a Deus e disse: “Não importa o que aconteça Deus, eu irei te servir. Não importa o que aconteça, Tu és a fonte da minha força”.

Dificuldades

Mark continuou envolvido nas atividades de sua igreja, onde ensinava crianças na Escola Dominical. Atualmente, ele está envolvido no ministério de jovens.

Mark consegue fazer muita coisa sozinho, como dirigir um veículo adaptado. Ele pratica exercícios de fisioterapia uma hora por dia e tenta permanecer ereto em sua cadeira de rodas em pé uma hora por dia, para evitar a osteoporose.

“Depois que eu acordo, posso fazer quase tudo sozinho. Eu não sou confinado”, afirma Mark. “Oro e medito muito na Palavra de Deus quando estou ao ar livre. Isso permite que minha mente fique calma”.

Seu pai, Lance, trabalhou com Mark na construção de um barco de pesca adaptado para a cadeira de rodas. Os dois pescam uma vez por semana e estão mais próximos do que nunca.

“O Mark tem uma atitude muito positiva”, diz Lance, que, como seu filho, tem esperança na cura milagrosa de Mark. “Nós nunca o ouvimos reclamando sobre sua condição. Nós só aproveitamos a companhia dele. Somos enriquecidos pelo amor dele pelo Senhor”.

*Com informações de AG News 

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se