24.6 C
Vitória
sexta-feira, 5 junho, 2020

Marcos Eberlin e médico experiente questionam: “Será mesmo que a cloroquina é tóxica demais?”

- Continua após a publicidade -

Mais lidas

‘Forbes’ divulga a lista de celebridades mais bem pagas do mundo

Neymar é o único brasileiro que está entre as celebridades mais bem pagas do mundo

Em vigília de oração, Max Lucado afirma que há esperança em Jesus

Max Lucado participa de vigília de oração por George Floyd e pede aos americanos que se voltem para Cristo

Governo discute se empregará Força Nacional em manifestações de domingo

O governo federal vai discutir a necessidade de empregar a Força Nacional de Segurança Pública nos protestos do domingo, 7, quando estão previstos atos a favor e contra o presidente Bolsonaro

Senado aprova uso obrigatório de máscara em todo o País

O Senado aprovou nesta quinta-feira, 4, projeto de lei que obriga o uso de máscaras em locais públicos e privados enquanto durar a emergência de saúde pública causada pelo novo coronavírus.

Em videoconferência, cientista e médico, que já administrou a cloroquina durante vários anos, questionam sobre os interesses políticos por trás da pandemia

Por Cris Beloni

Recentemente, o cientista brasileiro Marcos Eberlin, que é pesquisador e coordenador do Discovery Mackenzie, com o apoio de outros 30 cientistas influentes, publicou uma carta aberta para o ministro da Saúde, Luiz Mandetta, em defesa do uso da hidroxicloroquina para todos os pacientes com coronavírus. O texto esclarece que as vantagens superam os riscos e que não é hora de buscar “consenso científico”.

Em videoconferência com o médico Euclécio Bragança (CRM 43.988/SP), que tem mais de 40 anos de experiência e atuou na região da Amazônia, ministrando a cloroquina a centenas de pacientes infectados por malária, os dois esclarecem que o medicamento é eficaz na cura contra o Covid-19. Durante a conversa houve alguns questionamentos.

Por que será que o Dr. David Uip não quer assumir que usou a cloroquina?

O que pode estar por trás disso? “Quando ele diz que é um assunto pessoal, devemos lembrar que não se trata do Dr. Uip como pessoa, mas de um homem público e que cuida da saúde pública. É dever do médico compartilhar todo o conhecimento que tem para o bem de todos”, lembrou Bragança.

“Estamos falando de um ‘campo de batalha’ e de uma necessidade urgente. Por que ele não pode compartilhar? Não teria implicações políticas para agradar a um e desagradar a outro?”, perguntou e sublinhou que é hora de agradar a todos os brasileiros que estão precisando de uma palavra firme de um médico do porte dele.

Será que a cloroquina é realmente tóxica demais?

O coordenador do Centro de Contingência para o novo coronavírus no Estado de São Paulo, David Uip, chegou a afirmar que a cloroquina “tem efeitos adversos, cardíacos, hepáticos e visuais e que deve ser usada com critério e com observação do médico que prescreveu”.

A questão é que, ao que tudo indica, ao ser infectado pelo Covid-19, o infectologista fez uso do medicamento e foi curado. Ao ser questionado sobre isso, disse que quer ser respeitado em seu “direito de não revelar o seu tratamento”. Ele ainda foi além, dizendo que teve a “privacidade invadida”, ao se referir ao ‘vazamento’ das informações de dentro de sua própria clínica.

O presidente Bolsonaro vem alertando sobre as “questões políticas” que estão por trás dessa pandemia e continua defendendo o uso da cloroquina a todos os pacientes infectados pelo coronavírus.

Durante a videoconferência com Marcos Eberlin, o Dr. Bragança reforçou sobre os benefícios da hidroxicloroquina no que ele chama de “frente de batalha” contra a Covid-19. “Sou médico há 45 anos e trabalhei 7 anos na Amazônia, cuidando da doença tropical mais comum naquela região que é a malária. Naquela época eu usava a cloroquina. Agora ouvindo sobre essas notícias de toxicidade e efeitos colaterais, achei até engraçado. A gente não via esses efeitos lá”, relatou.

Experiência comprovada

“No caso da Covid-19, o uso da cloriquina é administrado pelo curto período de 5 dias. A minha experiência é de administrar esse medicamento, principalmente na forma endovenosa, mas também oral. Ali no sul do Pará, era muito comum a gente usar a cloroquina. De fato, não há esse risco para o uso agudo”, esclareceu.

O médico também compartilhou sobre o caso de seu irmão, que contraiu malária por 15 vezes. “Administrei a cloroquina nele, todas as vezes, e tenho outras centenas de casos, mas nunca vi essa questão de arritmia”, assegurou.

“Descartar um tratamento com baixo risco e com potencial para salvar muitas vidas, mesmo que possa até não funcionar, é uma atitude moralmente inadmissível e até cruel. Estão ignorando as evidências que já temos em nome de muitas evidências que até poderão surgir, porém, tarde demais; quem sabe depois da morte de muitos”, lamentou Eberlin.

“Agir assim é se negar a desviar o Titanic, enquanto se espera um consenso sobre se a mancha no radar é mesmo um iceberg à frente”, conclui.

Veja o vídeo

- Continua após a publicidade -

Revista Digital

- Continua após a publicidade -

Fique Por Dentro

Encontro Sepal em nova data

A data do encontro Sepal, que aconteceria em maio foi alterada para setembro. Medida foi tomada de acordo com as práticas para o enfrentamento da propagação do coronavírus

Vila Mix em Casa Gospel com grandes nomes

Grandes nomes do meio evangélico do Brasil como André Valadão e Deive Leonardo vão participar do VillaMix em Casa Gospel. Evento será transmitido pelo youtube. Saiba mais!

“Carreata da solidariedade”, Marcha para Jesus em SP

Realizada pela organização da Marcha para Jesus, a ação foi batizada de “Carreata da Solidariedade” e será realizada no dia 13 de Junho

Diante do Trono anuncia congresso online

Diante da pandemia do coronavírus, a banda anunciou o "Congresso Mulheres e Moças" online

Receber notícias

Gostaria de receber notícias em primeira mão? Assine gratuitamente agora:

Plugue-se

Cristianismo pós-pandemia: Impacto e oportunidades

Livro, da editora Vida, reuniu onze especialistas do meio evangélico no Brasil, que discutem pontos cruciais dos efeitos da pós-pandemia O planeta Terra parou por...

Kemuel e Lukas Agustinho em “Algo Novo”; ouça canção

A canção é o primeiro single do novo projeto do grupo, o Kemuel Worship Filhos: lado B

Devocional para profissionais de saúde

Na linha de frente do combate ao Covid-19, os profissionais de saúde têm se exposto a riscos a fim de cumprir sua heroica vocação

Música evangélica de luto! Morre a cantora Fabiana Anastácio

Fabiana Anastácio, 45 anos, estava internada em um hospital de São Paulo e teve complicações após contrair a doença por ser hipertensa, obesa e diabética