22.7 C
Vitória
quarta-feira, 29 junho 2022

Maior igreja em Thanthlang é incendiada pelo exército em Mianmar

Thantlang Baptist Church vira cinzas - Foto: Portas Abertas

O incêndio não deixou vítimas, mas os cristãos birmaneses estão abalados pela violência cometida pelos militares

Por Patricia Scott 

Tropas birmanesas incendiaram uma das maiores igrejas da cidade de Thanthlang, em Mianmar, em meio à luta entre o exército birmanês e as forças nacionais de Mianmar. Segundo a mídia local, a Thantlang Baptist Church em Thantlang ficou reduzida a cinzas, no dia 9 de junho, sexta-feira. Essa não foi a primeira vez que o grupo atacou desta forma desde o golpe militar, que ocorreu no país, no ano passado, conforme informa Portas Abertas.

Não houve vítimas. No entanto, o incêndio abalou os cristãos em Mianmar. Uma parceira local da Portas Abertas relata que “essa notícia esmoreceu a alegria dos cristãos em Thantlang. Para alguns, a insatisfação com os militares aumentou, outros estão lamentando as perdas. Alguns questionam por que Deus permitiu que isso acontecesse, e há aqueles que procuram o Senhor tentando encontrar esperança e segurança”.

Golpe militar

Desde o golpe militar, em fevereiro de 2021, mais de 1.200 casas e 11 igrejas foram incendiadas em Thantlang, cidade do Estado de Chin, em Mianmar. Mais de 600 famílias congregavam na Thanglang Baptist Church.

A congregação era conhecida como a maior igreja do Estado. A comunidade de fé contava com grande prestígio na localidade. Vale destacar que Mianmar está na 12ª posição da Lista Mundial da Perseguição (LMP) 2002, elaborada por Portas Abertas, que destaca os 50 países onde é mais perigosos seguir Jesus. 

Em 2021, a maioria dos residentes da cidade de Thantlang fugiu. Atualmente, eles vivem como refugiados ou deslocados internos nas áreas vizinhas.

Refugiados e deslocados

Zuala [nome fictício por questão de segurança], cidadã de Thantlang, fugiu da cidade. Ela se tornou uma das refugiadas de Mianmar. ”Nós trabalhamos duro, contribuímos com dinheiro e trabalhamos para construir a igreja com nossas próprias mãos. Nossa querida igreja. Quando a vimos sendo destruída e queimada nossos corações se partiram. É doloroso. Se sua igreja fosse queimada, você não sentiria o mesmo?”, desabafa.

Outra cristã que saiu Thantlang é Kima [nome fictício por questão de segurança]. Desde o golpe militar, ela vive como refugiada. “Lembro que os soldados visitavam alguns lugares com tanta frequência que sabíamos quais seriam os próximos passos. Quando ouvimos os soldados se aproximando da nossa vila, juntamos o que conseguimos carregar e fugimos para a floresta”, detalha.

Kima e a família retornaram para casa quando os soldados foram embora. “Eles saquearam nossas casas e levaram tudo. Queimaram nossas casas e a igreja. Nesse momento soubemos que deveríamos fugir definitivamente. Ali não era mais seguro para nós”.

De acordo com Portas Abertas, muitos moradores de Thantlang construíram abrigos temporários usando bambu, madeira e lonas. Uma parceira local da instituição missionária revelou que há iniciativas que tentam ajudar os cristãos a sair dos abrigos improvisados antes que comecem as monções, períodos de chuvas intensas e inundações.

 

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se