Reino Unido – Magistrado cristão demitido por opinião

Foto: Reprodução/Centro Legal Cristão

“Estou profundamente desapontado pelo fato de o tribunal ter decidido que dizer que uma criança se sairá melhor com uma mãe e um pai é motivo apropriado para ser demitido”

Richard Page, magistrado do Reino Unido, perdeu seu cargo para declarar publicamente que seria melhor que uma criança fosse adotada por um homem e uma mulher. “Isso mostra que agora estamos vivendo em uma sociedade profundamente intolerante”, disse Page.

Um Tribunal de Apelos ao Emprego, no Reino Unido , negou provimento ao recurso do ex-magistrado do Exército, Richard Page, contra a decisão do Lord Chancellor e do Lord Chief Justice de retirá-lo de seu cargo. Page perdeu o cargo em 2015, após 15 anos de serviço, ao declarar publicamente que seria melhor que uma criança fosse adotada por um homem e uma mulher. Mais tarde, ele também perdeu a posição de diretor não-executivo do Kent e do Medway NHS Trust, após ter expressado a mesma opinião durante uma entrevista à Radio 4 da BBC.

O ex-magistrado apelou de sua demissão com base em discriminação e vitimização por causa de sua fé cristã. “Limitação Proporcional sobre seu Direito à Liberdade de Expressão”. No entanto, em uma audiência, o Employment Appeal Tribunal rejeitou o caso de Page contra o NHS Trust, determinando que não era a crença de Page, mas o fato de que ele expressou sua crença que levou à sua remoção. “Embora os juízes não estejam impedidos de falar sobre questões de controvérsia, se optarem por fazê-lo, não devem minar a imparcialidade judicial ou o respeito pelo judiciário”, afirmou o juiz Choudhury. Além disso, a sentença disse que a remoção de Page de magistratura era “uma limitação proporcional de seu direito à liberdade de expressão e, como tal, seria considerada necessária em uma sociedade democrática para manter a autoridade ou imparcialidade do judiciário”.

“Sociedade profundamente intolerante”

“Estou profundamente desapontado pelo fato de o tribunal ter decidido que dizer que uma criança se sairá melhor com uma mãe e um pai é motivo apropriado para ser demitido como magistrado e como diretor de um fundo do NHS”, declarou Page após o apelo. E acrescentou: “Eu também estou desapontado que o Sr. Justice Choudhury acredita que este ponto de vista pode ser separado da minha fé cristã”. “Isso mostra que agora estamos vivendo em uma sociedade profundamente intolerante , que não suporta qualquer discordância de pontos de vista politicamente corretos, mesmo dos juízes. Espero que possamos apelar dessa decisão e restaurar a liberdade de expressão em todo o país”, concluiu.

“VIOLAÇÃO GRAVE DA LIBERDADE DOS CRISTÃOS”

De acordo com Andrea Minichiello Williams, diretor executivo do Christian Legal Centre, que apoiou o Sr. Page em seu julgamento, “este caso revela desenvolvimentos assustadores em nossa sociedade. O julgamento demonstra uma total falta de compreensão do que significa ser cristão e o que significa viver a sua fé na esfera pública”. “Ainda mais perturbador é a sugestão de que simplesmente manter a crença é suficiente para constituir uma violação de seu juramento judicial. Se confirmado, isso exclui os cristãos conscientes e informados de manter posições judiciais”, disse ela. Minichiello advertiu que “esta decisão é uma violação grave da liberdade dos cristãos de expressar seus pontos de vista, mostrando uma profunda intolerância para os cristãos que estão preparados para dizer o que acreditam na vida pública”.

O Centro Jurídico Cristão disse que Page estaria procurando recorrer das decisões do tribunal.

*Com informações da Evangelical Focus.


leia mais

Não à intolerância religiosa e à discriminação

Aproveite as promoções especiais na Loja da Comunhão!