21 C
Vitória
sexta-feira, 19 agosto 2022

Lira fala em ‘diálogo’ e ignora impeachment

Arthur Lira
Foto: Reprodução

O presidente da câmara já disse que está alerta em relação a arroubos autoritários

Por Lauriberto Pompeu e Camila Turtelli (Agência Estado)

Arthur Lira (Progressistas-AL), em pronunciamento na quarta-feira, 8, não falou sobre propostas de impeachment contra o presidente Bolsonaro. Em atos no 7 de Setembro, o presidente declarou desobediência a decisões do Supremo Tribunal Federal. Sem citar o chefe do Executivo, o deputado criticou “radicalismo e excessos”, mas disse que é preciso “diálogo”, indicando que não deve levar adiante qualquer pedido de impedimento neste momento.

A decisão de aceitar ou não uma solicitação de impeachment é do presidente da Câmara. Na gaveta de Lira há 124 pedidos de impedimento do atual presidente da República. Após a radicalização no discurso de Bolsonaro, em que ele desafiou o Supremo, o debate sobre um impeachment ganhou força.

“A Câmara dos Deputados está aberta a conversas e negociações para serenarmos. Para que todos possamos nos voltar ao Brasil real que sofre com o preço do gás, por exemplo”, afirmou Lira, na quarta. Ainda segundo ele, a Câmara pode ser “uma ponte de pacificação entre o Judiciário e o Executivo”.

Eleito para o cargo de presidente da Câmara com o apoio do Palácio do Planalto, Lira se tornou fiador das pautas governistas no Congresso e tem adotado um discurso de que não há clima para a abertura de um processo de impeachment agora.

“Conversarei com todos e todos os Poderes. É hora de dar um basta a essa escalada, em um infinito loop negativo. Bravatas em redes sociais, vídeos e um eterno palanque deixaram de ser um elemento virtual e passaram a impactar o dia a dia do Brasil de verdade”, declarou o presidente da Câmara.

Mesmo pregando “pacificação”, em seu pronunciamento Lira também mandou recados a Bolsonaro e a seus apoiadores. Ele criticou a insistência na defesa do voto impresso em 2022, proposta já rejeitada pela Câmara dos Deputados no mês passado, mas que estava presente em cartazes de manifestantes e no discurso do próprio presidente, nos atos de antena quarta.

“Não posso admitir questionamentos sobre decisões tomadas e superadas, como o voto impresso. Uma vez decidido, é página virada”, afirmou e deputado. “São nas cabines eleitorais, com sigilo e segurança, que o povo expressa sua soberania. Que até lá tenhamos todos serenidade e respeito às leis, à ordem e principalmente à terra que todos amamos.”

Não é a primeira vez que Lira endurece o discurso contra o governo Bolsonaro. O líder do Centrão já mencionou, em dois discursos anteriores, um “sinal amarelo” para dizer que está alerta em relação a arroubos autoritários. “Vou seguir defendendo o direito dos parlamentares à livre expressão e a nossa prerrogativa de puni-los eventualmente se a Casa, com sua soberania e independência, entender que cruzaram a linha.”

Logo após o pronunciamento, a senadora Simone Tebet (MDB-MS) publicou uma série de tuítes defendendo uma reação institucional mais forte às declarações de Bolsonaro. “Mais que voz institucional, o momento exige ação dos poderes Judiciário e Legislativo. Porque as palavras do presidente têm feição de atos E atos inconstitucionais. Ele não as diz por coragem, mas por medo. Nós temos de mostrar coragem não só para falar, mas para agir”, afirmou a parlamentar.

Pós-atos

Ainda na quarta, Lira se reuniu com o ministro do Supremo Gilmar Mendes, um dos poucos que mantêm diálogo com o Palácio do Planalto, para tentar conter a crise entre os Poderes. Antes do encontro com o ministro, o presidente da Câmara também esteve com os ministros Ciro Nogueira, da Casa Civil, e Flávia Arruda, da Secretaria de Governo. Ambos são da articulação política do Planalto e têm tentado “moderar” as agressões feitas por Bolsonaro ao Poder Judiciário.

Em outro movimento, poucas horas depois de fazer um discurso duro contra Bolsonaro e afirmar até que o chefe do Executivo cometeu crime de responsabilidade, o presidente do Supremo, ministro Luiz Fux, recebeu a deputada bolsonarista e presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, Bia Kicis (PSL-DF).

A parlamentar é crítica ferrenha da Corte e foi uma das principais entusiastas das manifestações pró-governo e contra o Supremo no Dia da Independência. Apesar disso, Bia declarou que a conversa foi amigável e negou qualquer constrangimento por causa das falas de Bolsonaro na véspera. A deputada afirmou que tratou com Fux sobre “projetos de interesse do Supremo que estão na CCJ”.

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Entre para nosso grupo do Telegram

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se