Lideranças evangélicas querem embaixada brasileira de Israel para Jerusalém

Representantes do Grupo Parlamentar de Amizade Brasil-Israel. Foto: Reprodução/ Google)

Deputados evangélicos querem pressionar o governo a seguir os passos de Trump. Querem mover a embaixada brasileira para Jerusalém.

Lideranças evangélicas e judaicas do Brasil estão celebrando a histórica decisão dos Estados Unidos de reconhecer Jerusalém como capital de Israel. Eles querem a transferência para lá a embaixada brasileira. Atualmente está localizada em Tel Aviv.

Deputados evangélicos querem que o Brasil pare de votar a favor de resoluções da ONU que condenam atitudes de Israel em relação à Jerusalém e seus territórios.

Lideranças evangélicas querem embaixada brasileira de Israel para Jerusalém
Donald Trump assinou documento afirmando que os EUA reconhecem Jerusalém como capital de Israel. (Foto: Kevin Lamarque/ Reuters)

“A comunidade evangélica aqui no Brasil vê com muitos bons olhos a atitude do governo Trump. É um movimento importante para que o Estado de Israel se firme, para que o povo judeu se firme. E anuncie que Jerusalém historicamente sempre foi a cidade santa dos judeus e do cristianismo”, afirmou o deputado Jony Marcos (PRB-SE), à BBC Brasil.

Outro grupo que tem pressionado o governo brasileiro é o Amigos de Israel. O grupo hoje conta com 46 deputados e senadores. Desses, 31 deles também integrantes da Frente Parlamentar Evangélica.

No início de 2018, após o recesso parlamentar, Marcos pretende reunir integrantes dos grupos pró-Israel no Itamaraty. A intenção é pressionar o governo a seguir os passos da administração Trump e mover a embaixada brasileira para Jerusalém. Marcos esclarece que a Bíblia é o registro histórico suficiente para comprovar que Jerusalém é a capital de Israel.

A pastora Jane Silva é da Associação Cristã de Homens e Mulheres de Negócios e a Comunidade Brasil-Israel. Como pressão ao governo brasileiro, ela pretende reunir um milhão de assinaturas. A intenção é mudar a postura do governo em relação a Israel. O documento deve ser entregue em fevereiro.

Governo Brasileiro

Enquanto o papa Francisco e diversos países na Europa criticaram a decisão americana de reconhecer Jerusalém como capital de Israel, o governo brasileiro não emitiu qualquer declaração. Está em silêncio.