Liderança espiritual em tempos pós-modernos

Foto: Arquivo Comunhão

“Um bom líder é alguém que busca agradar a Deus e abençoar vidas em nome dele”, disse o pastor Marcelo Aguiar, preletor confirmado para o Encontro Sepal 2019

Por Cleiton Santos Oliveira 

Em um mundo que parece distanciar-se cada vez mais dos padrões bíblicos de conduta e moral, é imprescindível que o líder cristão esteja atento a todos os perigos que podem afetar os seus liderados. Diante da crescente secularização e relativização de valores, resignar-se não é um bom caminho.

É preciso assumir uma postura ativa, consciente e madura, a fim de mostrar às pessoas, por meio de uma liderança relevante, que a vontade de Deus, conforme revelada nas Escrituras, continua sendo o caminho seguro para todos que desejam ter uma jornada realmente significativa.

É justamente nesse cenário que os líderes de nossas igrejas devem se preparar para conseguir dialogar com a sociedade, sem abrir mão dos pilares da fé que professam, e desenvolver virtudes que sirvam de inspiração a outros.

Com o intuito de elucidar algumas informações sobre esse assunto, conversamos com Marcelo Aguiar, escritor e pastor da Igreja Batista em Mata da Praia, em Vitória (ES). Na entrevista ele fala da importância da espiritualidade bíblica para o desenvolvimento da liderança, compartilha insights relacionados ao perfil e à capacitação do líder cristão.

Marcelo é um dos preletores do encontro Sepal 2019, que acontece em Maio. Na entrevista ele dá sugestões para quem está enfrentando dificuldades. Um conteúdo encorajador! Confira.

Espiritualidade bíblica e liderança. Como essa relação pode ser fundamental para a formação de líderes capacitados para lidar com os desafios do mundo contemporâneo?

Marcelo Aguiar: O mundo contemporâneo assiste a uma crise de liderança. Não vemos tantas pessoas capazes, influentes, respeitadas e inspiradoras quanto no passado. Muitos fogem do desgaste que vem com a liderança, contentando-se em cuidar da própria vida. Outros lideram, mas sem a autoridade moral necessária. Nesse cenário, a atual geração busca inspiração nos artistas, atletas e youtubers, os quais se destacam por sua exposição na mídia, mas raramente apresentam o necessário conteúdo. Em um cenário assim, o surgimento de pessoas que liderem pela capacitação do Espírito e pela força do caráter se faz ainda mais urgente.

À luz da Bíblia, quais são as características de um bom líder?

Um bom líder é alguém que busca agradar a Deus e abençoar vidas em nome dele. Essas são as duas principais características da liderança nas Escrituras. Elas podem ser observadas em todos os homens e mulheres que Deus usou. A liderança marcada pela espiritualidade bíblica se mostra comprometida com Deus e sua verdade, ao mesmo tempo que coloca o bem-estar dos liderados à frente dos seus próprios interesses. Em suma, voltamos ao mandamento de Cristo: amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo (Mc 12.29-31).

No atual contexto global, em que são necessárias novas linguagens e abordagens para comunicar o Evangelho, sobretudo para as novas gerações, como um líder pode conciliar inovação e versatilidade, mas sem negociar os princípios imprescindíveis da vida e da ética cristã?

Foto: Reprodução

A conexão com a própria época sempre foi uma necessidade da liderança. O diferencial está no fato de que hoje as mudanças acontecem de forma mais rápida. Isso coloca diante de nós dois perigos: o primeiro é o de ficarmos para trás, defasados e ultrapassados, alheios às questões relevantes ou utilizando uma linguagem que não comunica; o segundo, é o de nos atrapalharmos ao abraçar as novidades, preocupando-nos demais em parecer modernos e aceitando formas e conteúdos incompatíveis com a fé cristã. Sem sombra de dúvida, são tempos desafiadores! O conhecimento bíblico e teológico é muito importante, e também o conhecimento histórico, pois, de certa forma, os desafios se repetem ao longo dos séculos. A isso se segue um olhar atento ao mundo que nos cerca e às necessidades que as pessoas ao nosso redor estão manifestando. A partir daí, podemos usar toda a criatividade que Deus nos deu para nos desfazermos de formas que não funcionam mais e utilizarmos abordagens mais conectadas com a nossa época. Entretanto, dois cuidados serão importantes: em primeiro lugar, não poderemos negociar o conteúdo da nossa mensagem; em segundo, precisaremos entender que algumas formas são incompatíveis com esse conteúdo. Esses dois cuidados são necessários para não perdermos a nossa identidade. Tendo isso em mente, peçamos ao Senhor que nos mostre como as novas tecnologias, situações e pensamentos podem ser usados para levar o Evangelho a todas as pessoas.

Como lidar com a relativização de valores e com o secularismo?

O relativismo e o secularismo são duas marcas muito fortes da pós-modernidade, como é chamado o momento histórico em que vivemos. As pessoas acreditam que cada um tem a sua verdade, e que a tolerância é a rainha das virtudes. Ao mesmo tempo, elas mostram desinteresse pelas questões religiosas, ou só se aproximam delas na medida em que não interfiram em sua vida. Tanto o relativismo como o secularismo se chocam com os princípios cristãos, e representam grandes desafios. Por outro lado, na pós-modernidade são valorizados temas como a amizade, o afeto, a caridade e a compaixão. Esses valores estão bem presentes no conteúdo da nossa fé. Se retornarmos a eles, descobriremos que se constituirão em pontes para abordarmos questões mais delicadas como verdade, exclusividade, obediência e compromisso.

Nesse cenário, quais são os principais erros que um líder deve evitar?

Há uma frase que diz: “Ninguém se importa com o quanto você sabe, até saber o quanto você se importa”. Anos atrás, o convencimento se dava através da intelectualidade. Mas aprofundar relacionamentos e demonstrar amor se revela um caminho melhor para chegar ao coração do homem pós-moderno. Além disso, no passado, a liderança se baseava grandemente no posto ocupado por alguém. Hoje, o direito de liderar precisa ser conquistado pela demonstração de interesse no bem-estar do liderado. Ignorar esses dois fatos é um grande erro. O outro lado da moeda é satisfazer-se com o envolvimento afetivo e as boas intenções, esquecendo o compromisso com Deus e a verdade. Parece que estamos caminhando em uma corda bamba, precisando evitar cair para um lado ou para o outro.

Sendo assim, quais virtudes o líder deve desenvolver?

Quanto mais virtudes o líder espiritual vier a desenvolver, melhor será o resultado para a sua liderança e para a vida dos seus liderados. A virtude básica da liderança é a confiabilidade. O líder precisa ser confiável porque ninguém seguirá uma pessoa em quem não confia. Acredito que, além disso, o bom líder “é sofredor, é benigno, não é invejoso, não se vangloria, não se ensoberbece, não se porta inconvenientemente, não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não suspeita mal; não se regozija com a injustiça, mas se regozija com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta” (1Coríntios 13.4-7). As pessoas seguirão um líder assim até o fim do mundo!

É possível ser líder sem ser vocacionado para isso? Como entender o exercício da liderança sob a compreensão do chamado de Deus, aquele que escolhe, capacita e dirige?

Todos nós fomos chamados para liderar de alguma forma. O ser humano recebeu de Deus esta incumbência quando foi criado: sujeitar a terra, ou seja, exercer liderança. Fazemos isso sendo pais, estudando, trabalhando, convivendo na igreja e assim por diante. Precisamos desempenhar tal função com responsabilidade. Percebemos na Bíblia, porém, que algumas pessoas receberam um chamado particular de Deus para um tipo específico de liderança. Esse parece ter sido o caso dos juízes, dos reis, dos profetas e dos apóstolos. Deus vocacionou de modo especial pessoas como Moisés, Débora, Davi, Pedro e Paulo. Portanto, existem as duas situações. Podemos ser chamados para liderar uma casa ou um país. Tudo depende do lugar em que Deus nos coloca.

De que forma um líder pode se tornar mais sensível para saber a vontade de Deus em relação às pessoas a quem ele lidera?

A liderança espiritual se caracteriza pela intimidade com Deus e pela dependência de Deus. Esse é o seu grande diferencial. Não trabalhamos para o Senhor, e sim com o Senhor. Jesus disse que sem ele nada poderíamos fazer. Sendo assim, o líder cristão precisa investir sempre na vida devocional. Ele precisa buscar a comunhão com Deus. Só assim saberá o que o Senhor deseja para a vida dele e para a vida dos seus liderados. Se não fizer isso, poderá acabar se “apossando” do rebanho ou, então, se tornará um “secretário executivo” da igreja. Como na história de Marta e de Maria, não é boa prática sair por aí fazendo coisas sem antes ter estado aos pés do Mestre.

Quando o líder está em dificuldade, o que ele precisa fazer? A quem recorrer? Como deve agir?

Foto: Reprodução

Parece que estar em dificuldade é parte da rotina do líder! Deus está sempre nos levando para fora da zona de conforto. Deus está sempre querendo nos ver crescer. Assim, vez por outra, nos deparamos com situações para as quais nos sentimos despreparados. Há uma série de iniciativas que o líder pode tomar para lidar com essa realidade. A primeira delas, naturalmente, é investir no relacionamento com o Senhor, porque a nossa capacitação vem de Deus (2Coríntios 3.5). Depois disso, podemos listar algumas boas medidas: aceitar as responsabilidades maiores de forma gradativa; investir em cursos, seminários, leituras e treinamentos; aconselhar-se com líderes sábios e experientes; cercar-se de cooperadores e trabalhar em equipe; evitar tomar decisões precipitadas.

No Encontro Sepal 2019, o senhor falará sobre a relação entre espiritualidade e liderança e compartilhará insights a partir do exemplo bíblico de Moisés. Qual é a sua expectativa em relação ao evento?

Moisés é uma grande inspiração para todos que amam a liderança! Além disso, ele nos proporciona um “estudo de caso” interessante, porque foi um homem que precisou lidar com mudanças constantes ao longo da sua vida. Durante o Êxodo, o povo estava peregrinando, raramente ficava muito tempo no mesmo lugar. As alterações eram constantes. Sempre havia uma novidade! Hoje, vivemos em um mundo marcado por rápidas transformações. Moisés foi um homem que, apesar de viver em uma época de transição, deixou marcas duradouras. Ele tem muito a nos ensinar.

Uma mensagem aos leitores

Gostaria de enviar um abraço a todos os irmãos e irmãs que estarão conosco no Encontro Sepal 2019. Tenho orado para que o Senhor fale ao nosso coração de modo especial durante o evento, renovando as nossas forças e reafirmando a nossa vocação. Tenho certeza de que serão dias muito abençoados. Conto com as orações dos amados em favor da minha vida e peço que, juntos, oremos por todos os preletores.

Serviço:

Dia: 06 a 10 de maio
Local: Hotel Monte Real – Rua São Paulo, 622 – Águas de Lindóia/SP
Programação, valores e informações adicionais: encontrosepal.org.br


Leia mais

Em maio, encontro Sepal 2019