“Abu Bakr Al-Baghdadi está morto”, diz Donald Trump

Donald Trump em pronunciamento na Casa Branca (Foto: Reprodução)
Donald Trump em pronunciamento na Casa Branca (Foto: Reprodução)

O pronunciamento do presidente Donald Trump ocorreu horas após a ação realizada pela coalizão internacional liderada pelos americanos no noroeste da Síria

A morte do líder do Estado Islâmico, Abu Bakr Al-Baghdadi, foi confirmada nesse domingo (27) pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Assim, Trump revelou que o corrido se deu durante uma operação comandada por tropas americanas no noroeste da Síria.

Segundo o presidente, foi um perigoso ataque noturno na aldeia de Barisha, província de Idlih. “Os Estados Unidos levaram o líder terrorista número um do mundo à justiça”. Definitivamente, “Abu Bakr Al-Bagdadi está morto”.

Al Bagdadi era o fundador e líder do Estado Islâmico. À princípio a organização mais violenta do mundo. Os EUA têm procurado durante anos pelo líder do Isis. Além disso, o presidente norte-americano disse que essa ação era uma prioridade do seu governo.

REPERCUSSÃO INTERNACIONAL

A morte do líder do grupo jihadista significaria uma grande contribuição do presidente dos Estados Unidos, revelou o Kremlin, nessa segunda (28).

“Se as informações sobre a morte de Baghdadi forem confirmadas, podemos falar da importante contribuição fornecida pelo presidente dos EUA à luta contra o terrorismo internacional”, disse o porta-voz da Presidência da Rússia, Dmitry Peskov.

Entretanto, o Ministério da Defesa russo colocou em dúvida a veracidade desta informação e pediu “provas diretas”. Segundo o porta-voz do ministério, o general Igor Konashenkov, não foram registrados ataques da “coalizão internacional” na região de Idlib.

Na segunda-feira (28) o Irã advertiu que a morte de Al-Baghdadi, não representa o fim do grupo jihadista. Logo, o grupo tem raízes no dinheiro originário da exportação de petróleo e nas políticas dos EUA no oriente médio.

“Assim como a morte do fundador da Al-Qaeda, Osama Bin Laden, não erradicou as raízes do terror, a morte de Baghdadi não será o fim do EI”, disse o porta-voz Ali Rabiei.

Dessa forma, o governo iraniano acusou os EUA de favorecerem o terrorismo no Oriente Médio e no norte da África com as “políticas militares” e o “apoio ao despotismo”.

CONFIRA O PRONUNCIAMENTO

*Da redação, com informação da Agência EFE 


LEIA MAIS

Cristãos acolhem famílias sírias que fogem do Estado Islâmico 
Trump assina ato em prol de vítimas do Estado Islâmico 
Vilas cristãs devastadas após derrota do Estado Islâmico