21.7 C
Vitória
sexta-feira, 5 junho, 2020

Lidando com a rejeição!

- Continua após a publicidade -

Mais lidas

Busca por passagem aérea no Brasil atinge mínima histórica no Google

Segundo dados do Google, a busca por passagem aérea no Brasil na plataforma atingiu o menor nível da série histórica, que começou em 2004

Líderes mundiais falam de vacina e coronavírus em evento para levantar US$ 7,4 bi

Representantes de mais de 50 países, incluindo 35 chefes de Estado ou de governo, participaram do Global Vaccine Summit, para arrecadar US$ 7,4 bilhões em recursos.

Novo record de mortes por covid-19 no Brasil; total vai a 32.548

Nas últimas 24 horas foram contabilizados 1.349 mortes por covid-19 no Brasil.

A igreja cresce e floresce graças à perseguição

Apesar de toda pressão aos cristãos no Norte da África, a igreja tem expandido rapidamente na região

Você já se sentiu rejeitado?

Dr. Guy Winch[1], ao tratar das rejeições, aponta que elas podem provocar uma aguda dor emocional capaz de afetar nosso pensamento, de nos encher de raiva, de desestabilizar nosso senso fundamental de pertencimento e de destruir nossa confiança e autoestima.

Um estudo da Universidade de Michigan (EUA) sugere que a rejeição social é tão difícil de suportar quanto a dor física. Também concluiu que o cérebro tem uma reação similar para aliviar o sofrimento de uma rejeição, da mesma forma que age para lidar com uma ferida no corpo, ou seja: os caminhos cerebrais de ativação da dor da rejeição são similares aos da dor física.[2]

A Bíblia cita exemplos de homens rejeitados e mostra  como estes lidaram com a dor. É o caso do juiz Jefté, que, renegado pela família, fugiu e associou-se com homens levianos, anestesiando a sensação do vazio de um lar que o desprezou. Nas Escrituras também vemos a saga de Jacó, que fez de tudo para obter a aprovação paterna, inclusive passando por uma identidade falsa.

Como você enfrenta essa dor?

Alguns recorrem a comportamentos autodestrutivos, como  automutilação, abuso de substâncias, relacionamentos de risco e, em nível extremo, o suicídio, assumindo como sua a responsabilidade pela atitude de desprezo do outro. Outros entram numa jornada cujo alvo é o perfeccionismo, na qual a ansiosa expectativa é a aprovação geral. No entanto, no dia em que algo não sai como o esperado e o elogio não chega, o mundo desaba.

E há aqueles que se enlaçam no jugo dos relacionamentos dependentes, aguardando sempre a confirmação do amor e suporte que necessitam para se sentirem aceitos e amados. Essa busca por confirmação nunca cessa, e o que o outro atesta nunca é suficiente para aplacar a fome interna.

Seja qual for a maneira como você tem lidado, quero convidá-lo a considerar a pessoa de Jesus!

A Bíblia relata[3] que Cristo foi homem desprezado, o mais rejeitado entre todos, e que sabe o que é padecer. Sua resiliência diante do desprezo e da rejeição, porém, é incomparável!

Certamente, a voz do Pai, expressa no batismo[4], quando nem sequer tinha iniciado Sua missão, foi vital para forjar a convicção íntima e inabalável sobre Sua identidade e valor existencial.

“A Bíblia relata que Jesus foi homem desprezado e o mais rejeitado entre todos e que sabe o que é padecer. A resiliência de Jesus diante do desprezo e da rejeição, porém, é incomparável!”

Essa voz transmitiu a Jesus Seu senso de pertencimento (“Este é meu”), amor (“filho amado”) e aprovação (“em quem muito me agrado”[5]) antes mesmo de desempenhar qualquer atividade para obter amor e aceitação.

Doravante, o batismo de Jesus também é incondicionalmente estendido a nós. Um batismo de pertencimento, amor e aprovação, declarando que também somos filhos[6] amados[7] e aprovados por Deus.[8]

Esse batismo tem o poder de lavar nossa alma das marcas das rejeições, desprezos, abandonos, humilhações, abusos e maus-tratos que porventura tenhamos sofrido.

O “Homem de dores” nos conhece, compadece-se e convida a uma diária e íntima aproximação que trará paz mental, fé e perseverança, capacitando-nos a lidar com nossas angústias e reencontrar o sentido e a alegria de viver.


Débora Fonseca é graduada em Direito e Psicologia, membro da Igreja Presbiteriana em Jardim Camburi e coordenadora do Ministério Luz na Noite


[1] Psicólogo, autor do livro Como curar suas feridas emocionais, Ed. Sextante

[2] http://oglobo.globo.com/sociedade/saude/rejeicao-machuca-tanto-quanto-dor-fisica-10403570#ixzz4GIVVQ94o

[3] Isaías 53.3

[4] Mateus 3.17

[5] Bíblia King James

[6] Romanos 8.16

[7] Jeremias 31.3

[8] Romanos 5.8

- Continua após a publicidade -

Revista Digital

- Continua após a publicidade -

Fique Por Dentro

Encontro Sepal em nova data

A data do encontro Sepal, que aconteceria em maio foi alterada para setembro. Medida foi tomada de acordo com as práticas para o enfrentamento da propagação do coronavírus

Vila Mix em Casa Gospel com grandes nomes

Grandes nomes do meio evangélico do Brasil como André Valadão e Deive Leonardo vão participar do VillaMix em Casa Gospel. Evento será transmitido pelo youtube. Saiba mais!

“Carreata da solidariedade”, Marcha para Jesus em SP

Realizada pela organização da Marcha para Jesus, a ação foi batizada de “Carreata da Solidariedade” e será realizada no dia 13 de Junho

Diante do Trono anuncia congresso online

Diante da pandemia do coronavírus, a banda anunciou o "Congresso Mulheres e Moças" online

Receber notícias

Gostaria de receber notícias em primeira mão? Assine gratuitamente agora:

Plugue-se

Devocional para profissionais de saúde

Na linha de frente do combate ao Covid-19, os profissionais de saúde têm se exposto a riscos a fim de cumprir sua heroica vocação

Música evangélica de luto! Morre a cantora Fabiana Anastácio

Fabiana Anastácio, 45 anos, estava internada em um hospital de São Paulo e teve complicações após contrair a doença por ser hipertensa, obesa e diabética

Lições da Escola Bíblica em libras

Conteúdo está disponível no canal da CPAD no Youtube. Todos os vídeos com as aulas estão em libras

“A injustiça promove a ira de Deus”, diz Priscilla Alcantara

A artista usou suas redes sociais para expressar sua indignação com o racismo, o que ela chamou de "injustiça"