22.4 C
Vitória
segunda-feira, 25 janeiro 2021

Liberdade religiosa como escravidão

Mais Artigos

Seria a Bíblia atual?

De fato, propor uma ética bíblica não é tarefa fácil, mas a Bíblia continua válida hoje como o foi no passado.

Grande “reset”

Não cabe à Igreja nem a ninguém uma tentativa de resistência a um governo mundial, uma vez que a própria história bíblica demonstra que as coisas que devem acontecer certamente encontrarão o seu espaço no tempo e a boa mão do Senhor

Joe Biden: Um novo tempo?

O que podemos fazer pela América do Norte? Podemos orar pelo país e continuar a proclamar em alta voz que “bem-aventurada é a nação...

Liberdade pode ser outra palavra para por tudo a perder. Saiba mais!

Foi uma Páscoa estranha de isolamento e lamento. A resposta de nosso país ao novo coronavírus fechou a maioria das portas da Igreja. Minha igreja, como muitas, mudou-se para os cultos on-line da Páscoa. Eu achei estranho e reconfortante. “Cristo ressuscitou!”, nosso pastor declarou. “Ele realmente ressuscitou”, murmuramos no laptop.

Mas algumas igrejas se encontraram pessoalmente, desafiando as recomendações de saúde pública e até ameaça de prisão. O mais proeminente entre eles é Tony Spell, de Baton Rouge, Louisiana, um Pentecostal da Unidade, que durante semanas insistiu que manter sua igreja aberta demonstra fidelidade, e que a ordem de fechamento atropela sua liberdade religiosa. Se um de seus membros morre da Covid-19 contraída na igreja, Spell disse à TMZ: “eles morreram como pessoas livres, lutando por suas convicções”.

Essa lógica não deixa de ter seu apelo. Os cristãos “não abandonando a nossa congregação, como é costume de alguns”, ensina Hebreus 10:25 (JFA); e, como o apóstolo Pedro declarou, “devemos obedecer a Deus e não a qualquer autoridade humana” (Atos 5:29, NLT). Há algo profundamente perturbador nos bancos vazios no domingo de Páscoa. Ainda assim, abster-se de se reunir fisicamente para adoração ainda é a decisão certa. “Reunir-se” e “obedecer a Deus” nunca equivale a prejudicar o seu próximo.

Poder da Polícia 

A questão legal é bastante direta. As ordens de permanência em casa que fecham as igrejas dependem do “poder da polícia”, que em nosso sistema constitucional é mantido principalmente pelos governos estaduais, não por Washington. O poder da polícia é um conceito amplo que os teóricos do direito americano costumam conectar a “duas grandes máximas da lei comum”, explica o historiador da Universidade Brandeis Michael Willrich em Pox: An American History (Uma História Americana).

As duas máximas são sic utere tuo ut alienum non laedas (“use o seu próprio para não ferir outro”) e salus populi suprema lex esto (“o bem-estar do povo é a lei suprema”). Os juristas dos EUA concordam há muito tempo que os regulamentos de quarentena podem legitimar o uso do poder da polícia para proteger o bem-estar público.

Isso não quer dizer que uma regra de quarentena não possa violar a liberdade religiosa. Os poderes da polícia não são ilimitados, e as proibições de encontro seriam indiscutivelmente inaceitáveis ​​se visassem apenas grupos religiosos. Por exemplo, o presidente Trump disse que espera ter torcedores de volta aos estádios até o final do verão. Em agosto, se a permissão de utilização fosse permitida, no entanto somente os cultos de domingo não, isso seria uma violação da liberdade religiosa, e eu estaria citando Pedro.

Mais importante do que os processos judiciais, porém, é o que a recusa em suspender os serviços pessoais fará pela reputação dos cristãos, e o nosso testemunho neste momento assustador. A recusa em parar de se reunir fisicamente sugere com muita facilidade aos que estão fora da igreja, particularmente na esquerda política, que a causa da liberdade religiosa sempre foi a manobra egoísta que suspeitavam.

As acusações de que as reivindicações de liberdade religiosa são uma cobertura para a opressão legal de outras pessoas são uma característica comum da guerra cultural. Críticos do governo Trump argumentaram que sua agenda de liberdade religiosa se destina a dar aos cristãos “mais direitos … enquanto o resto de nós tem menos”.

Uma igreja que se recusa a parar de realizar reuniões presenciais enquanto o resto de sua comunidade pratica o distanciamento social fornece confirmação aparente dessas suposições amargas. “Não há presente maior para os inimigos da liberdade religiosa”, argumentou recentemente o autor da Opção Benedict Rod Dreher, do que os cristãos que “exigem seus direitos e cospem em seus deveres de caridade”.

Reunir-se presencialmente para adorar enquanto outros colocam-se em quarentena por causa de estranhos, cheira a egoísmo, não convicção. Por mais fiel que seja a intenção, o efeito está longe de ser o de um testemunho vitoriosa.

Base bíblica

A passagem padrão das Escrituras para os cristãos que se vêem em desacordo com o governo é Romanos 13:1–10. Embora sua ordem de viver de acordo com a lei do amor, que não entra em conflito com nenhuma autoridade justa, seja certamente relevante aqui, ela não pode ser lida à parte de Romanos 12: 9–21.

“Deixe o amor ser genuíno”, Paulo começa sua exortação lá. “Alegrai-vos na esperança, sê paciente na tribulação, persevera na oração” (ESV). Embora grande parte dessa lista rápida de instruções para a vida cristã diga respeito a nosso cuidado um pelo outro dentro da igreja, Paulo também aborda nossas interações com não-cristãos, “estranhos” e até “aqueles que nos perseguem”.

“Ninguém retribui o mal pelo mal”, escreve ele, “mas pense em fazer o que é honroso à vista de todos. Se possível, na medida em que isso depende de você, viva pacificamente com todos” (ESV). Seja o que for que façamos sobre as regras de distanciamento social, fica claro que “o que é nobre à vista de todos” agora está em conformidade com as diretrizes de saúde pública para impedir a propagação deste vírus. Reuniões para cultos presenciais em meio a uma pandemia, mesmo na Páscoa, não é.

Celebrar a Páscoa em casa, isoladamente, parecia errado e desconcertante. O Zoom não é o local adequado para saudar o clímax da história, a redenção de Deus da criação e o triunfo sobre o pecado, a morte, o diabo e todo mal que nos assola. Espero nunca marcar outra Páscoa como esta novamente. Mas eu me juntei à maioria dos cristãos nos Estados Unidos para adorar em casa na Páscoa, porque é assim que “não deixamos de nos encontrar” por enquanto. Pode não ter a emoção solitária do contrarianismo, mas é o que significa “viver pacificamente com todos” durante a pandemia.


Bonnie Kristian é colunista do Christianity Today, editora colaboradora da The Week, bolsista da Defense Priorities e autora de Uma fé flexível: repensando o que significa seguir Jesus hoje (Hachette).

- Publicidade -

Comunhão Digital

- Continua após a publicidade -

Fique Por Dentro

Lição de vida! Quando o exemplo vem do pai

Na Austrália, um pastor que foi diagnosticado com câncer, resolveu dá uma lição de vida à filha de 5 anos e a comunidade da igreja que pastoreia, para mostrar o que é ter uma vida com propósito.

Disciplinas espirituais em tempos de pandemia!

Mesmo em meio a dúvidas e preocupações com a pandemia do coronavírus, uma certeza permanece: nosso Deus continua trabalhando! Disciplinas espirituais são importantes o tempo...

EUA: Suprema corte vai ouvir estudante que foi censurado por pregar

O estudante cristão, Chike Uzuegbunam entrou com uma ação no Tribunal Distrital dos Estados Unidos em Atlanta contra a faculdade por ter sido impedido de compartilhar a fé na faculdade. Saiba mais!

Grazie Schmitt sobre Deus: “É um amor que nunca senti”

Em um episódio de podcast, a atriz Grazie Schmitt, que é conhecida no Brasil por sua atuação em diversas novelas, abriu seu coração e...

Entrevistas

Ilma Cunha: depressão e ansiedade na pandemia

Já viu como tem gente deprimida e ansiosa à nossa volta? As doenças da alma ganharam força total nesta pandemia. Confira a entrevista!

Entrevista com o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande

“O melhor dos cenários para 2021 é com vacina” "O melhor dos cenários para 2021 é com vacina” Por Luciene Araujo “Vamos andar mais rapidamente que o...

Papai Noel – O que ele tem a dizer?

Comunhão “conversou”com “Papai Noel”. Numa entrevista fictícia, ele explica os símbolos e significados do Natal e porque seu personagem tomou o lugar de Jesus...

Mirna Borges: Finanças, planejamento e controle

Uma das principais influenciadoras de finanças no Brasil, Mirna Borges, dá dicas de como sair do vermelho, acertar as contas e ter uma vida mais próspera com o dinheiro, através de princípios bíblicos. Confira!