19.9 C
Vitória
sexta-feira, 18 junho 2021

Que “ladrões” estão roubando a sua Alegria?

O que pode abalar sua felicidade? Saiba como tirar do caminho barreiras que te impedem de estar alegre

Por Luciene Araújo

Há alguns fatores com uma capacidade impressionante de nos deixar triste. De minar a doce virtude da alegria, gerada pelo Espírito Santo no coração do crente. Inimigos que rondam buscando impedir que a gente desfrute desse fruto espiritual que é nos alegrarmos sempre no Senhor.

Esses “Ladrões da Alegria” foram tema de uma série apresentada pela Comunhão, em 2012, escrita pela jornalista Lilia Barros, que teve como base as ministrações e o livro de mesmo nome publicado pelo reverendo Hernandes Dias Lopes, da I Igreja Presbiteriana de Vitória.

E depois de um ano tão diferente, em que tantas pessoas se viram isoladas, entristecidas e mesmo perdidas, nada melhor que voltar à reflexão sobre a carta do apóstolo Paulo aos Filipenses, com ênfase no capítulo 4, versículo 4: “Alegrai-vos sempre no Senhor; outra vez digo, alegrai-vos”.

A alegria é uma marca do Povo de Deus, por isso ela incomoda tanto ao príncipe das trevas. E todos nós sabemos que esse inimigo busca nos atingir sempre naquilo em que somos mais vulneráveis. Então o primeiro passo é conhecer quem são esses ladrões e como atuam sobre nossas vidas.

Nessa lista dos ladrões podemos colocar: circunstâncias, pessoas, ansiedade e rancor, entre outros. Essa releitura que agora trazemos será também desdobrada em estudos bíblicos distribuídos nos próximos meses, para você reunir a família e aprender mais da Palavra.

As circunstâncias

Situações de desconforto são normais, mas está na Bíblia a garantia de que nada e nem ninguém têm de fato o poder de nos roubar a alegria. “Um acidente, uma enfermidade, um divórcio, a reprovação no vestibular, uma falência ou desemprego, são exemplos de circunstâncias que nos roubam a alegria. Então vejamos Paulo, que tinha inúmeros motivos para ser infeliz, mas alegrava-se até quando estava acorrentado em prisões”, destaca o pastor Hernandes, citando Atos 16:25: “ E, perto da meia-noite, Paulo e Silas oravam e cantavam hinos a Deus, e os outros presos os escutavam”.

A alegria do cristão é fruto de seu íntimo relacionamento com Deus. Portanto, ao permitir que tais forças tirem a felicidade, pecamos contra uma ordem de Deus que diz: Alegrai-vos. “Parece um paradoxo, mas o cristão, mesmo em circunstâncias infelizes, deve nutrir a felicidade íntima de ser filho e herdeiro de Deus”, explica o pastor.

Já no Antigo Testamento, encontramos em Habacuque 3:17-18: “Ainda que a figueira não floresça, ainda que a videira não dê seu fruto, mesmo que não haja alimentos nos campos, eu exultarei no Senhor e me alegrarei no Deus da minha Salvação”.

O que Paulo escreveu aos filipenses serve para nós hoje. Da mesma forma, somos perseguidos por ladrões que lutam contra nossa comunhão com Deus e com os irmãos. E é justamente essa comunhão que devemos preservar, pois nos fortalece e nos protege de prisões emocionais e espirituais, que nos tiram o motivo maior da alegria: a salvação em Cristo. “Mas, não vos alegreis porque se vos sujeitem os espíritos; alegrai-vos antes por estarem os vossos nomes escritos nos céus”, também nos alertou Lucas 10:20.
As palavras de Paulo hoje ecoam em meio a uma igreja que precisa experimentar a verdadeira alegria no Espírito Santo como combustível que a move para superar qualquer tipo de situação desfavorável que possa abater a família de Cristo.

Experiências que vivemos, podem afetar diretamente nosso bem-estar e, às vezes, até a nossa fé. Muitas pessoas questionam: é possível ser feliz nesse mundo diante de tantas injustiças e sofrimentos? “Deus nos torna capaz de vencer rapidamente as circunstâncias tristes.

Além de Paulo, há muitos outros exemplos de circunstâncias negativas encontrados na Bíblia: Jó, David, Abraão, Daniel. “Alegrai-vos, sejam felizes”, afirma o pastor Hernandes, citando Salmo 30:5: “Porque a sua ira dura só um momento; no seu favor está a vida. O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã”.

As pessoas

Além de problemas financeiros, de saúde e tantas outras circunstâncias ruins,
as pessoas podem nos trair, cometer maledicências, críticas, agressões físicas ou psicológicas, desrespeito, inveja e desprezo contra nós.

“Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos evita que a alegria seja roubada” – Ney Yoshimitsu Yoshida, pastor e conferencista

Atualmente conferencista, o pastor Ney Yoshimitsu Yoshida, que já foi treinador e coordenador do Ministério Universidade da Família, afirma que a busca por vitória em alguma área da vida algumas vezes implica na derrota de alguém. Para vencer alguns estão dispostos a “passar por cima do próximo”, e essa é uma das formas de roubar a alegria dos outros. “Infelizmente, muitas pessoas agem como ladrão de alegria, principalmente nos relacionamentos familiares”, constata.

Para não fazermos isso, é necessário seguir os dois maiores mandamentos: amar a Deus sobre todas as coisas e ao nosso próximo como a nós mesmos. “Quando o Senhor está em primeiro lugar em nossa vida, as prioridades ficam no lugar certo e jamais iremos ferir quem é alvo do amor de Deus. E amar ao próximo como a nós mesmos nos impulsiona a tomar atitudes de preservar uma autoestima equilibrada a nosso respeito e olhar para o outro com amor e consideração, sem ciúmes. Sabemos que o amor de Deus é derramado em nossos corações pelo seu espírito, que nos foi dado”, ensina Yoshida.

“Vamos enfatizar as características positivas das pessoas.
Vamos encorajar aqueles que estão perto de nós. Sejamos como Jesus, não como Satanás. Deus nos chama para sermos semeadores de alegria” – Hernandes Dias Lopes, Pastor da Primeira Igreja Presbiteriana de Vitória

“Sejamos como Jesus, não como Satanás. Se alguém nos mostrar algo, e não pudermos elogiar, fiquemos calados, mas não roubemos a alegria dos outros. Deus nos chama para sermos semeadores de alegria”, destaca Hernandes.

Deus sabe dos conflitos que enfrentamos por causa das ações ruins das pessoas. E para esse “ladrão de alegria”, o remédio mais eficaz é o perdão. Na cruz, a primeira frase dita por Jesus foi: “… Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem’”(Lucas 23:34). “Quando não perdoo e guardo mágoa, entrego meu destino na mão de outra pessoa. O perdão é a faxina da mente”, ressalta o pastor Hernandes.

O dinheiro

Um dos mais astutos inimigos da verdadeira felicidade, o dinheiro anda por provocando as pessoas a acreditarem que o ser valor está no que você tem e não pelo o que é. Mas,
a realidade é outra.

Pesquisas indicam que o aumento da renda traz satisfação pessoal somente até certo ponto. “Essa pressão constante em superar os outros é uma das razões que propiciam o sentimento de insatisfação e infelicidade. É contraditório, mas aquilo que achamos que nos trará bem-estar acaba por empobrecer ainda mais a nossa vida. Precisamos nos sentir ricos graças às coisas que possuímos, senão nos sentiremos pobres por causa de tudo o que não possuímos”, explica o Pr. Paulo Drago, palestrante de temas ligados a dinheiro e bens materiais.

Na Bíblia temos o exemplo de Salomão, que procurou a alegria em quatro fontes: na bebida, na riqueza, no sexo e na fama. E o que ele descobriu? Que “temer a Deus é o princípio da sabedoria”, ou seja, viver com Deus é o que precisamos para sermos felizes.
“Aumentamos nossa demanda financeira e muitas vezes nos endividamos. Passamos então a trabalhar mais, nos preocupar cada vez mais para dar conta de tantas obrigações, e isso nos faz perder qualidade de vida, tira nossa paz, quebra nossos relacionamentos e rouba nossa alegria. Então temos vontade de comprar ainda mais. É um círculo vicioso no qual muito caem e não conseguem sair”, enfatiza o pastor Drago.

Assim, o segredo para uma vida melhor será um estilo de vida mais simples. A coragem para ser diferente e resistir à pressão do consumo nos traz liberdade e paz.

A Ansiedade

Coração acelerado, mãos transpirando, dor de estômago, grave ausência de sono. Todos esses são sintomas do excesso de ansiedade. Uma tensão constante que provoca um forte desejo de sumir.

No grego, o significado original da palavra ansiedade é “rasgar ao meio; puxar em direções opostas; estrangulamento”. O termo tem outras definições: aflição, angústia, perturbação do espírito causada pela incerteza, relação com qualquer contexto de perigo.

“Existe a ansiedade natural, aquela que sentimos quando estamos tensos diante das situações ameaçadoras ou estressantes,
como auto-preservação” – Leila Jane Carvalho Samary, Psicóloga

“Existe a ansiedade natural, que sentimos quando estamos diante de situações ameaçadoras ou estressantes. Contudo, algumas pessoas vivenciam esta reação de forma mais frequente e intensa, que pode ser considerada patológica e comprometer a saúde emocional. Como uma antecipação a uma ameaça futura, explica a psicóloga e psicopedagoga Leila Jane Carvalho Samary. Por vezes, o paciente sofre com o estado de ansiedade elevada durante algum tempo, com pequenos períodos de melhora”, relata.
Ela destaca que nossa morada é o céu e gastar tempo e energia com pensamentos pessimistas nos faz sentir dores pelo corpo, mal-estar, desânimo e tristeza.

Além disso, deixamos de glorificar a Deus com ações simples, mas muito significativas, como: ser gentil e cuidadoso com aqueles que moram conosco, amigos, vizinhos e parentes.

“Precisamos a aprender a cuidar do outro, a desarmar nossas defesas emocionais. Se tudo é uma ilusão, a ansiedade também é, porque queremos cuidar daquilo que Deus já fez por nós: carregou nossas mazelas, nossos pecados, tudo o que nos afligia. Por isso, nossa alegria jamais deve estar nas coisas terrenas e passageiras, mas no regozijo, de que Paulo fala em Tessalonicenses 5:16-18. É a oração constante, com gratidão, fé e humildade”, aponta.

Segundo Leila, em nenhum dos 48 versículos que encontrou na Bíblia sobre alegria mencionava que a fonte da alegria está nas coisas terrenas. Como exemplo, cita Rm 12 ;16 Alegrai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverai na oração.

“E João finaliza. Tenho-vos dito isto, para que a minha alegria permaneça em vós e a vossa alegria seja completa. Portanto, devemos manter nossa alegria, paz e contentamento em Cristo. E que nada nos roube esta alegria. Independente de toda e qualquer situação”.
“Cerca de 70% dos assuntos que nos deixam ansiosos nunca irão, de fato, acontecer.

Então, ficar ansioso é sofrer duas vezes e desnecessariamente”, completa o pastor Hernandes. A inquietação gera um desassossego que culmina em medo, como se o mundo fosse acabar. Um estado de espírito que altera negativamente a vida das pessoas, afastando-as da realidade e prejudicando os seus relacionamentos.

Atitudes normais e até desejáveis por alguns, podem transformar a vida do ansioso em um pesadelo. Mudança de emprego, de casa (casamento então, imagine!) ou qualquer situação que implique alteração da condição atual podem criar um estado de grande ansiedade e agitação. Esse sentimento desagradável pode representar também um perigo à saúde.

Em Mates 6, Jesus disse que não podemos acrescentar um côvado à nossa estatura, por mais ansiosos que estejamos. Isso é prejudicial porque não se resolve problemas de amanhã ficando ansiosos hoje. A ansiedade trabalha contra nós, e não a nosso favor, por isso é pecado de incredulidade, ou seja de não descansar na presença de Deus.

Qualquer cristão pode ficar ansioso devido às pressões diárias que recebe, como a expectativa de adquirir coisas que não possui ou por decisões que precisa tomar. Mas ninguém precisa permitir que ela roube o bem-estar constante, tão característico do crente que vive na presença de Jesus, motivo real de sua alegria. Porque este comportamento contraria os ensinamentos bíblicos, que nos orientam a não nos inquietarmos por coisa alguma (Fil 4:6), destaca Leila.

O que fazer?

Então você pode perguntar: como combater os ladrões? Vemos uma imensidão de pessoas com os nervos à flor da pele, com a alegria consumida pela expectativa da derrota; outras por sofrimentos do passado, tempestades reais ou imaginárias.

A cura para este mal está em Filipenses 4;6-7. “Não estejais inquietos por coisa alguma, antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica,
com ação de graças. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus”.

Não existe forma melhor de matar esse e todos os outros ladrões do nosso bem-estar, do que estar na presença de Deus, sabendo que “este tempo presente, não se compara com a glória que em nós há de ser revelada” e como Jesus nos ensinou, “no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo”.

A Palavra de Deus nos alerta que o ladrão veio para roubar, matar e destruir tudo o que nos alegra, usando inclusive a arma da ansiedade; mas garante que podemos tudo naquele que nos fortalece (Fil4:13), que somos mais do que vencedores em Cristo Jesus (Rom 8:37), que veio para que vivamos plenamente (João 10:10).

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se