Jovem com morte cerebral ressuscita nos Estados Unidos

Com 18 anos, a jovem cristã Lexi Hansen, sobreviveu à morte cerebral declarada pelos médicos após um atropelamento enquanto andava de longboard, em março de 2014, quando os familiares não deixaram desligar os aparelhos e ela abriu os olhos enquanto eles cantavam louvores na UTI.

Desde então, ela e a família têm divulgado por meio das redes sociais o que Deus fez e o resultado do gesto de fé. Atualmente Lexi voltou a se reunir com a família e a igreja, mas ainda lamenta não conseguir dar continuidade aos trabalhos missionários que fazia antes do acidente.
No dia 1º de agosto, por exemplo, a jovem noticiou na fanpage “Pray For Lexi”, criada pela família durante seu coma para pedir orações, que precisou passar 12 horas no hospital e realizar vários exames porque sentiu fortes dores de cabeça, mas que estava tudo bem e que já está em casa.
Quando deu entrada no hospital em estado grave, os médicos disseram à família que Lexi tinha apenas 5% de chance de sobreviver. .
“Quando a trouxe, os médicos deram-lhe menos de uma chance de 5% de sobrevivência”, disse Doug Hansen, o pai de Lexi. “Eles nos disseram para ligar para a nossa família e levá-los ao hospital rapidamente, porque ela não ia durar muito tempo”, acrescentou.
Com severos danos cerebrais, Lexi passou por testes que acusaram a morte cerebral, mas os pais da jovem optaram por não desligar os aparelhos. Após vários dias, a jovem despertou  enquanto seus familiares cantavam hinos ao seu redor.
“Nós tivemos a experiência mais incrível hoje”, escreveram seus familiares na fanpage  à época. “Lexi abriu os olhos e os manteve aberto durante quase uma hora enquanto nós cantamos hinos a ela como uma família. Enquanto estávamos cantando, ela gesticulou ‘Eu te amo’, movendo o braço em torno de modo que todos pudessem ver. Ela, então, pegou as mãos de cada pessoa individualmente para que ela pudesse espremê-los. Dificilmente poderíamos cantar devido às lágrimas escorrendo pelo nosso rosto. Sabíamos que estávamos presenciando um milagre”, diz a nota.
A mãe de Lexi, Marcia Hansen, descreve sua filha como uma lutadora: “Cada dia é um milagre, todos os dias. Foi um zero por cento, quando ela foi encontrada, então de 1% no dia seguinte. Agora ainda há algumas coisas que não temos certeza de, mas quase tudo é positivo”, comemorou.
No dia seguinte ao despertar, Lexi teve o tubo de respiração retirado, mas começou a falar gradativamente. Com ajuda de fonoaudiólogos e fisioterapeutas hoje ela retomou praticamente a vida ao normal, depois de dois anos do acidente.