23.8 C
Vitória
segunda-feira, 6 dezembro 2021

Quando Jesus ainda era um embrião

Reflexões sobre fé e ciência! A bióloga Ruth Bancewicz, faz uma análise dos primeiros três meses de vida de Jesus, enquanto ainda estava no útero

Antes mesmo de Maria ser acusada de adultério, antes de se casar com José, ali já havia um embrião, que se desenvolveu etapa por etapa, até formar Jesus. Ver a encarnação pelas lentes da biologia do desenvolvimento, traz aos olhos a beleza e a fragilidade de todo esse processo!

Como então, esse conhecimento afeta nosso entendimento da pessoa de Jesus? E como afeta nossa própria jornada de fé durante o advento? A bióloga do Faraday Institute, Dra. Ruth Bancewicz faz uma reflexão, sobre o fato de Jesus ser um embrião antes de nascer.

“Não vejo sentido em tentar descobrir o que aconteceu entre o momento em que Gabriel falou com Maria e um minúsculo embrião aparecendo em seu útero, com um complemento completo de DNA humano. Tudo o que sei é que uma célula dividida em duas, duas células se tornaram quatro, oito, dezesseis e assim por diante, até que o Filho de Deus se tornou um blastocisto: uma bola de células não maior do que a ponta da mais fina das canetas finas”, reflete.

Humildade de Jesus

Ruth chama atenção para a sabedoria de Deus, além de ser paciente e amoroso.

“Ele se tornou um amontoado de células frágeis, cada uma com a consistência de uma gota de gel de cabelo. Ele se desenvolveu em um embrião vulnerável que precisava de um útero para mantê-lo seguro. Deus escolheu uma jovem – que possuía grande força física, emocional e espiritual – para alimentá-lo nos primeiros estágios e, na verdade, por toda a vida de maneiras diferentes”, explicou.

Ruth
A bióloga Ruth Bancewicz destaca a humildade de Jesus. Foto: Reprodução

Para ela, a história do presépio vira tudo de cabeça para baixo. “O Criador passou a fazer parte da sua própria criação, entregando-se aos cuidados de um jovem casal pobre, no início de uma revolução inesperada”.

A maior mudança na história começou com um processo físico que os cientistas estão apenas começando a entender e com uma demonstração de humildade que nenhum de nós pode esperar compreender ou imitar por conta própria.

Dependência de Deus

E ressalta que a história de Jesus dá a noção da nossa dependência de Deus. Que isso nos ajuda a adorá-Lo mais plenamente.

“Somos feitos de poeira. Deus, que sustentou todo o processo de minha vinda à existência e então se submeteu a me tornar fisicamente embutido nele, agora está exaltado … ao lugar mais alto. Essa história também me deixa interessado em saber mais, para que eu possa desfrutar ainda mais das maravilhas da criação de Deus”.

*Com informações de ABC2 e Science for The Church

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se