22.3 C
Vitória
terça-feira, 26 maio, 2020

Israel se autodefine como Estado-Nação dos judeus

- Continua após a publicidade -

Mais lidas

Toffoli tem resultado negativo em novo exame para coronavírus

Toffoli fará novos exames para descartar 1 falso negativo. Ele foi internado no sábado (23) para realizar uma cirurgia de drenagem de abscesso

Empresários de mais de 100 festivais de música do país assinam manifesto

Grupo se mobiliza para abrir rodas de discussões em busca de saídas e acompanhar a tramitação da Lei de Emergência Cultural no Congresso

Entenda as diferenças entre a caminhada e a corrida

Quem está fora de forma deve iniciar pela caminhada, mas não precisa obrigatoriamente seguir para a corrida com o passar do tempo.

Ministério da Saúde orienta construção de hospitais de campanha em último caso

O Ministério da Saúde divulgou as regras de financiamento para a construção de novos hospitais de campanha para o tratamento de pacientes com o novo coronavírus.

O país aprovou uma lei nesta quinta-feira (19) para declarar que apenas os judeus têm o direito de autodeterminação no país, algo que membros da minoria árabe chamam de racista e beira o apartheid.

Israel – A lei do “Estado-nação”, apoiada pelo governo de direita, passou por uma votação de 62 a 55 e duas abstenções no parlamento de 120 membros depois de meses de discussão política. Alguns legisladores árabes gritaram e rasgaram documentos após a votação.

“Este é um momento decisivo nos anais do sionismo e na história do estado de Israel”, disse o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu ao Knesset após a votação.

Em grande parte simbólica, a lei foi promulgada logo após o 70º aniversário do nascimento do estado de Israel. Estipula que “Israel é a pátria histórica do povo judeu e eles têm um direito exclusivo à autodeterminação nacional”.

O projeto também tira o árabe de sua designação como língua oficial ao lado do hebraico, rebaixando-o para um “status especial” que permite seu uso contínuo dentro das instituições israelenses.

Os árabes de Israel são cerca de 1,8 milhões, cerca de 20% dos 9 milhões de habitantes.

Os primeiros rascunhos da legislação foram mais longe no que os críticos em casa e no exterior viram como discriminação em relação aos árabes de Israel, que há muito dizem que são tratados como cidadãos de segunda classe.

Cláusulas que foram descartadas em disputas políticas de última hora – e depois de objeções pelo presidente e procurador-geral de Israel – teriam consagrado em lei o estabelecimento de comunidades somente judaicas, e instruíram os tribunais a governar de acordo com a lei ritual judaica quando não houvesse precedentes legais.

Em vez disso, foi aprovada uma versão mais vagamente redigida, que diz: “O estado vê o desenvolvimento da colonização judaica como um valor nacional e agirá para encorajar e promover o seu estabelecimento”.

Mesmo após as mudanças, os críticos disseram que a nova lei irá aprofundar um sentimento de alienação dentro da minoria árabe. “Anuncio com choque e tristeza a morte da democracia”, disse Ahmed Tibi, um parlamentar árabe, a repórteres.

Netanyahu defendeu a lei. “Vamos continuar garantindo os direitos civis na democracia de Israel, mas a maioria também tem direitos e a maioria decide”, disse ele na semana passada.

“A maioria absoluta quer garantir o caráter judaico do nosso estado para as próximas gerações”.

A população árabe de Israel é composta principalmente por descendentes de palestinos que permaneceram em suas terras durante o conflito entre árabes e judeus que culminou na guerra de 1948 em torno da criação do moderno Estado de Israel. Centenas de milhares foram forçados a deixar suas casas ou fugiram.

Aqueles que permaneceram têm plenos direitos iguais sob a lei, mas dizem que enfrentam discriminação constante, citando serviços inferiores e alocações injustas para educação, saúde e moradia.

DESCONTENTAMENTO

Em Ma’alot-Tarshiha, um município no norte de Israel que foi criado ligando a cidade judaica de Ma’alot e a cidade árabe de Tarshiha, houve raiva entre os residentes árabes.

“Acho que isso é uma legislação racista de um governo de direita radical que está criando leis radicais e está plantando as sementes para criar um estado de apartheid”, disse o médico Bassam Bisharah, 71.

O objetivo desta lei é a discriminação. Eles querem se livrar dos árabes totalmente ”, disse Yousef Faraj, 53 anos, da aldeia drusa vizinha de Yanuh. “Os israelenses querem destruir todas as religiões dos árabes”.

Adalah, o Centro Legal para os Direitos das Minorias Árabes em Israel, chamou a lei de uma tentativa de promover a “superioridade étnica através da promoção de políticas racistas”.


*Com informações do Christian Today

- Continua após a publicidade -

Revista Digital

- Continua após a publicidade -

Fique Por Dentro

Diante do Trono anuncia congresso online

Diante da pandemia do coronavírus, a banda anunciou o "Congresso Mulheres e Moças" online

GOD Brasil: Como anunciar o que o mundo precisa ouvir?

O God Brasil é um movimento que incentiva o evangelismo intenso no mundo inteiro em um dia

Fé e ciência em tempos de pandemia

Cientistas cristãos respondem questões de fé e ciência em tempos de pandemia. Uma mini Conferência online será realizada entre os dias 26 a 28 de maio sobre o assunto

Festival “VillaMix Em Casa Gospel”

O festival “VillaMix Em Casa Gospel” será dia 30 de maio, com transmissões no YouTube e Facebook. Ana Paula Valadão estão entre as atrações

Receber notícias

Gostaria de receber notícias em primeira mão? Assine gratuitamente agora:

Plugue-se

Em breve, primeiro single de Kemuel Worship Filhos: Lado B

“Algo Novo”, com participação especial de Lukas Agustinho, é o primeiro single do novo projeto de Kemuel 

Daniel Júnior canta “Deus cuida de mim”

Gerado em momento de dor, novo single de Daniel Junior está disponível nas plataformas de streaming, Ouça a canção!

Após saída do Ministério Zoe, Thamires Garcia em nova fase

Thamires Garcia anunciou sua saída do Ministério Zoe em janeiro para seguir carreira solo

Nasce uma estrela na música gospel: Gisa Garcia

Convertida à Cristo desde os 8, Gisa Garcia sempre ansiou em trocar o backvocal do funk pelo microfone principal, porém cantando louvores. E agora prepara seu primeiro EP na música gospel