Israel bombardeia alvos do Irã na Síria

Uma explosão, supostamente durante os ataques aéreos israelenses perto de Damasco, na Síria, em 21 de janeiro de 2019. Foto: Reprodução/YouTube

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH) afirma que os ataques deixaram 11 combatentes mortos, incluindo dois sírios

Forças de Defesa de Israel desencadearam uma série de bombardeiros, na madrugada desta segunda-feira (21), sobre posições da unidade de elite dos Guardas Revolucionários do Irã, nos arredores da capital síria, Damasco. Foram também atingidos componentes da defesa antiaérea do regime de Bashar Al Assad.

A operação militar, de acordo com organizações militares do Estado hebraico, teve como alvos posições da Força Quds, a unidade de elite dos Guardas Revolucionários do Irã.

Os bombardeios seguiram-se ao disparo, na véspera, de um foguete, a partir da Síria, contra os Montes Golã – região anexada por Israel depois da Guerra dos Seis Dias, de 1967. O projétil foi interceptado pelo sistema de defesa Cúpula de Ferro.

Por sua vez, as forças leais a Bashar Al Assad garantem ter abatido a maior parte dos mísseis lançados por Israel. Segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, organização com escritórios em Londres, teriam morrido pelo menos 11 combatentes pró-regime.

Em um gesto pouco comum, as Forças de Defesa de Israel (IDF, na sigla em inglês) anunciaram no Twitter o início dos ataques contra a Força Quds.

“Começámos a atingir alvos iranianos da Quds em território sírio. Advertimos as Forças Armadas sírias contra qualquer tentativa de atingir forças ou território israelitas”, diz a mensagem na rede social.

A mesma rede foi utilizada para publicar imagens da operação e enumerar alvos: locais de armazenamento de munições, uma posição no Aeroporto Internacional de Damasco, instalações dos serviços secretos iranianos e um campo de treino militar.

*Com informações da Agência Brasil.


leia mais

Israel recebeu mais de 4 milhões de turistas em 2018
Bolsonaro busca ajuda de Israel para dessalinizar água
Austrália reconhece Jerusalém como capital de Israel
Em busca dos espaços sagrados de Israel