22.1 C
Vitória
quarta-feira, 6 julho 2022

Israel: agricultores cultivam tamareiras usando sementes da era bíblica

Foto: Print Screen/CBN News

“Esperamos que um dia essas árvores que vieram de 2.000 anos atrás sejam a esperança de paz na nossa região”, disse Tareq Abu Hamed

Por Patricia Scott 

Em Israel, uma comunidade agrícola está trazendo à vida árvores que dão frutos do tempo da Bíblia, no meio do deserto. “Estamos falando da ressurreição de sementes de 2.000 anos e tâmaras antigas que vêm do deserto da Judeia e de Massada e que fazem parte de um experimento científico”, ressaltou a médica Sarah Sallon, diretora e fundadora do Centro de Pesquisa em Medicina Natural na Hadassah Medical Organization, Jerusalém.

Uma árvore de nove anos chamada Judith, segundo a Faithwire, foi recentemente plantada no antigo pomar de tâmaras da Judeia no Kibutz Ketura, perto do deserto de Arava, em Israel. A árvore passou os últimos nove anos de sua vida crescendo em uma estufa. Judith também é a quinta árvore do gênero a ser plantada no pomar, seguindo as árvores Matusalém, Adão, Jonas e Ana.

“Estamos plantando nossa segunda árvore feminina, que brotou de uma semente antiga. Na verdade, esta veio de Qumran – foi encontrada nas cavernas – e, para nosso espanto, ela também brotou”, revelou Elaine Solowey, a botânica que instigou as sementes para crescer.

Em 2019, Hannah, a primeira árvore feminina, foi plantada. Ela foi polinizada por Matusalém. Hannah fez brotar cerca de 100 tâmaras no ano passado. Até o momento, a árvore produziu mais de 600 tâmaras este ano. “Vemos tâmaras por aqui, palmeiras e todos os kibutzim estão cultivando plantas”, contou Sarah Sallon.

Aparentemente, a data da Judeia desapareceu há centenas de anos. No entanto, de acordo com a Bíblia, era uma das sete espécies de data encontradas no antigo Israel.
A botânica Elaine Solowey plantou cerca de 3.000 tâmaras no Kibutz Ketura, com cada árvore produzindo cerca de 350 libras de tâmaras por ano. Ela e Salone esperam adicionar as tâmaras da Judeia revividas ao restante da colheita nos próximos anos.

“Vamos testar essas datas no futuro para ver realmente o que elas fazem e se diferem de outras variedades comerciais de datas modernas. Então, para o Kibutz, é um grande empreendimento”, disse Sallon.

O Diretor do Instituto Arava no Kibutz Ketura, Dr. Tareq Abu Hamed, afirmou que apoia o trabalho que Sallon e Solowey estão realizando em Israel. “Se você não olhar para a história, não verá o futuro. E aqui estamos plantando história no Instituto Arava. Esperamos que um dia essas árvores que vieram de 2.000 anos atrás sejam a esperança de paz na nossa região”.

Com informações Christian Headlines

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se