22.9 C
Vitória
domingo, 22 maio 2022

Iraniana enfrenta ameaças e leva o evangelho para muçulmanos

Annahita luta para evangelizar muçulmanos na Suécia. Foto: Google

Annahita Parsan já foi refugiada. Hoje lidera um ministério voltado para evangelizar muçulmanos na Suécia, onde mora. Cerca de 1500 pessoas já se converteram.

Annahita é pastora na Suécia e dirige congregações de origens muçulmanas. Além de pregar, e treina outras pessoas para fazer o mesmo. “Tenho ameaças graves, pelo menos algumas vezes por ano. Ameaça de ataque com faca ou ataques com bomba”, acrescenta.

“Tenho um policial ligado ao meu caso e sempre posso ligar se algo acontecer durante nossos cultos. Tenho outras ameaças de familiares distantes, mas para mim, o que eu faço vale a pena”, declarou. Desde a sua ordenação, ela já participou de mais de 1.500 conversões de muçulmanos ao cristianismo.

Vida difícil

Annahita cresceu em Isfahan, no Irã, em uma casa muçulmana. Se casou aos 16 anos. Em 1979, logo após a Revolução Islâmica do Irã, deu à luz ao filho, Daniel. Com apenas 18 anos, perdeu o marido em um acidente de carro. Para piorar as coisas, sob a liderança do Ayatollah Khomeini, o Irã mudou. A lei exigia que ela entregasse a custódia de seu filho, Daniel, ao pai do marido. Ela lutou por meses para recuperá-lo, e conseguiu.

Dois anos depois, Annahita voltou a casar. No entanto, as coisas pioraram. “Logo, ele começou a bater muito meu filho. Eu estava novamente grávida, e era impossível me divorciar”. No meio da guerra Irã-Iraque, o marido de Annahita, Ashgar, decidiu que precisavam fugir do país. Enquanto ela ainda estava grávida, e no meio do inverno, cruzaram as montanhas para a Turquia.

Sem documentos de identificação ou passaportes, as autoridades turcas prenderam ela e o marido em uma prisão no distrito de Agri do país. Depois de um mês angustiante, eles foram libertados e viajaram para Istambul. Eles passaram nove meses buscando fundos para chegar à Dinamarca.

Conversão

Uma mulher chegou para falar sobre Deus a eles que ainda não se interessavam pelo Evangelho. “Eu estava tão irritada e infeliz. Mas ela voltou no dia seguinte com uma pequena Bíblia”.

Foi então que ela, ao ler essa Bíblia na Dinamarca, ato que manteve escondida de seu marido, começou a experimentar Deus, fazendo-lhe perguntas e recebendo a paz. Não durou muito. Após uma explosão brutal de seu marido, Annahita teve uma overdose de comprimidos para dormir em uma tentativa de se matar, em dezembro de 1989.

Annahita fugiu para a Suécia com os filhos. Dois anos depois foi batizada como cristã. Em 2006 sofreu um acidente de carro que quase a matou. Desde então sentiu a vontade de passar a vida ajudando outros muçulmanos para que eles conheçam Jesus. Ela então estudou para se tornar ministra e foi ordenada pastora em 2012, na Igreja da Suécia.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se