Irã: quando cristãos se tornam refugiados

Refugiado do Irã, Mojtaba aconselha outros refugiados no país onde vive. Foto: Portas Abertas

Segundo a ONU há mais de 25,4 milhões de refugiados no mundo. A maioria é de cristãos fugindo da intolerância religiosa e de ataques de grupos extremistas

O que as pessoas costumam buscar, independente do país em que vivem, é estar em um lugar onde se sintam seguras e protegidas em suas casas, com suas famílias e comunidades. Porém, por diversos motivos, seja por catástrofes naturais, guerras ou agitações civis, elas se veem obrigadas a fugir como forma de poupar suas vidas. Assim, surgem os refugiados, pessoas que precisam deixar seus países e começar a vida novamente em um novo lugar.

A Organização das Nações Unidas (ONU) afirma que houve um aumento de 50% no número de refugiados no mundo e que hoje somam mais de 25,4 milhões. Isso também acontece com frequência com cristãos, porém motivados a fugir por causa da fé em Jesus.

Esse é o caso de Mojtaba, um cristão de 51 anos do Irã. Em 2010, foi preso por envolvimento com uma igreja doméstica e colocado na prisão. Depois de ser solto, ele fugiu do país. Agora, em um país na região, aconselha cristãos também refugiados do Irã e Afeganistão. Apesar de hoje ser um líder espiritual, Mojtaba já teve muitos papeis em sua vida. “Não importa onde estou ou o que estou fazendo, posso servir ao Senhor em todos os lugares”, afirma.

“Não importa onde estou ou o que estou fazendo, posso servir ao Senhor em todos os lugares”. Foto: Portas Abertas

Há 15 anos, ele vagava pelas ruas de Teerã, capital do Irã, com pensamentos suicidas em sua mente. Ele era veterano da guerra Irã-Iraque e muitos de seus amigos já tinham morrido.

“Eu não tinha esperança, emprego ou ajuda do governo. Minha vida parecia não ter propósito”, conta. Em uma última busca desesperada, Mojtaba clamou a Deus naquela noite: “Eu abordei o Deus universal, que não tem nome, que fez o céu e a terra.

Eu pedi para ele revelar seu salvador e prometi obedecer a ele caso fizesse”.

De repente, ele sentiu algo que nunca havia sentido antes e nunca mais sentiria. “Foi como um grande fogo dentro de mim. Senti que o gelo do meu coração começava a derreter. Um sentimento de profunda paz veio sobre mim”. Duas semanas depois, Mojtaba viu o filme de Jesus em um canal de satélite secreto e conectou os pontos: Jesus era o salvador que Deus tinha enviado a ele.

O que você tem a ver com eles?
Assim como Mojtaba, muitos cristãos se refugiam na Jordânia.

Um projeto apoiado pela Portas Abertas na Jordânia, chamado Al Hadaf, fornece aconselhamento pós-trauma e ajuda emergencial a famílias cristãs. Dessa forma, elas se sentem acolhidas e fortalecidas mesmo não estando em sua própria terra.

Com uma doação, você beneficia um cristão refugiado pelos próximos 6 meses com aconselhamento pós-trauma e ajuda emergencial.

*Com informações de Portas Abertas


Leia mais

O amor pelos refugiados no Brasil
“Venezuelanos merecem proteção como refugiados”, diz ONU
Igreja acolhedora para venezuelanos