21.7 C
Vitória
quinta-feira, 4 junho, 2020

A indústria extrativa tem queda de 17,12%

- Continua após a publicidade -

Mais lidas

Comissão Europeia avança para disponibilizar € 11,5 bi para recuperação da crise

A Comissão Europeia aprovou nesta quarta-feira, 3, modificações em seu orçamento para 2020 para disponibilizar 11,5 bilhões de euros para a recuperação econômica já em 2020.

Vacina contra covid-19 desenvolvida em Oxford será testada no Brasil

A vacina contra a covid-19 que está sendo desenvolvida na Universidade de Oxford, no Reino Unido, será testada também no Brasil, conforme publicação no Diário Oficial da União.

CPI identifica 2 milhões de anúncios do governo em sites de ‘conteúdo inadequado’

Relatório produzido pela CPI das Fake News mostra que o governo federal investiu dinheiro público para vincular 2 milhões de anúncios publicitários em canais que apresentam "conteúdo inadequado".

Bolsonaro formaliza general Eduardo Pazuello como ministro interino da Saúde

O presidente Jair Bolsonaro formalizou no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira (3) o nome do general Eduardo Pazuello para exercer, interinamente, o cargo de ministro de Estado da Saúde.

A deflação do Índice de Preços ao Produtor (IPP) é a maior desde 2014, segundo o IBGE

Por Vinicius Neder (AE) 

Em meio à pandemia de covid-19, a queda de 17,12% nos preços da indústria extrativa na porta da fábrica em março foi a maior deflação já registrada na série histórica do Índice de Preços ao Produtor (IPP), iniciada em janeiro de 2014, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Apesar da queda, o IPP de março registrou alta de 1,32%.

Segundo o IBGE, a deflação na indústria extrativa foi puxada pelos dois principais produtos da atividade, “óleos brutos de petróleo” e “minérios de ferro e seus concentrados, em bruto ou beneficiados, exceto pelotizados ou sinterizados”, que respondem, somados, por 78,22% da composição do IPP das indústrias extrativas. Por causa da pandemia, as cotações do petróleo atingiram as mínimas em 20 anos.

A indústria da transformação, por sua vez, registrou inflação de 2,28% em março ante fevereiro no IPP. Mesmo assim, a queda nas cotações internacionais de petróleo, que derrubou o IPP das indústrias extrativas, atingiu o IPP da atividade de “refino de petróleo e produtos de álcool”, com deflação de 9,79% em março ante fevereiro, a taxa negativa mais intensa da série.

“O comportamento do mercado internacional de petróleo e as incertezas que a pandemia (de covid-19) tem gerado na economia – inclusive com menor movimentação de veículos – dão a tônica do comportamento descrito”, diz a nota divulgada pelo IBGE.

Dessa forma, a alta de 2,28% no IPP da indústria de transformação foi puxada pela indústria de alimentos. Em março, os preços do setor na porta da fábrica avançaram 6,16% em relação a fevereiro, maior resultado da série, iniciada em janeiro de 2014, informou o IBGE.

“Entre os produtos destacados, três são comuns tanto aos de variação mais intensa quanto os de maior influência: “carnes de bovinos frescas ou refrigeradas”, “resíduos da extração de soja” e “leite esterilizado / UHT / Longa Vida”. A influência dos três produtos somada à de “açúcar cristal”, o quarto produto destacado, é de 4,03 p.p., em 6,16%”, diz a nota do IBGE.

Também avançaram os preços na porta da fábrica das indústrias química, metalúrgica e automotiva. Na química, o IPP de março apresentou alta de 5,49%, maior variação positiva de preços desde o início da pesquisa.

“Os resultados observados no mês estão ligados aos preços internacionais, com aumento do preço de matérias-primas em grande parte devido à depreciação do real frente ao dólar de 12,5% e à redução da oferta”, diz o IBGE.

Na metalurgia, houve uma alta de 5,75%, maior variação de preços dessa atividade desde o início da série. “O resultado do mês foi obtido graças, principalmente, a quatro produtos, sendo dois do grupo de materiais ferrosos e dois de não ferrosos. São eles: lingotes, blocos, tarugos ou placas de aços ao carbono, ouro para usos não monetários, óxido de alumínio (alumina calcinada) e ferronióbio, todos com influência positiva”, diz o IBGE.

Na indústria de veículos automotores, a alta de março foi de 1,05%, “seguindo a tendência de alta observada também nos seis meses anteriores”, segundo o IBGE. “Além de ser um dos setores de maior peso no cálculo do indicador geral, com uma contribuição de 8,40%, a atividade de veículos automotores também se destacou, dentre todos os setores pesquisados, por apresentar a quarta maior influência no indicador acumulado em 12 meses (0,45 p.p., em 6,45%)”, diz a nota do IBGE.

- Continua após a publicidade -

Revista Digital

- Continua após a publicidade -

Fique Por Dentro

Encontro Sepal em nova data

A data do encontro Sepal, que aconteceria em maio foi alterada para setembro. Medida foi tomada de acordo com as práticas para o enfrentamento da propagação do coronavírus

Vila Mix em Casa Gospel com grandes nomes

Grandes nomes do meio evangélico do Brasil como André Valadão e Deive Leonardo vão participar do VillaMix em Casa Gospel. Evento será transmitido pelo youtube. Saiba mais!

“Carreata da solidariedade”, Marcha para Jesus em SP

Realizada pela organização da Marcha para Jesus, a ação foi batizada de “Carreata da Solidariedade” e será realizada no dia 13 de Junho

Diante do Trono anuncia congresso online

Diante da pandemia do coronavírus, a banda anunciou o "Congresso Mulheres e Moças" online

Receber notícias

Gostaria de receber notícias em primeira mão? Assine gratuitamente agora:

Plugue-se

Lições da Escola Bíblica em libras

Conteúdo está disponível no canal da CPAD no Youtube. Todos os vídeos com as aulas estão em libras

Luiz Gwyer lança single “Ânimo”

Canção integra um repertório produzido por Luiz Gwyer em 2013 O cantor e compositor Luiz Gwyer acaba de lançar o single “Ânimo” em todas as...

Não ao racismo! O silêncio da indústria da música

No Brasil, a maior gravadora do país, a Sony Music, aderiu ao movimento anti racista

“Amazing Grace” cantado por pessoas de 50 países

Clipe foi gravado em lugares simbólicos e em idioma próprio de cada país participante