22.1 C
Vitória
terça-feira, 27 outubro 2020

O índio, esse desconhecido

Leia também

Indicado à Anvisa assinou contrato suspeito de irregularidade na Saúde

Na última segunda-feira, dia 19, a Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado aprovou duas outras indicações feitas por Bolsonaro à Anvisa

Líder de governo na Câmara diz que Constituição tornou o Brasil ‘ingovernável’

"O poder fiscalizador ficou muito maior que os demais" e, por isso, seria necessário também "equilibrar os Poderes" no país, comentou Barros

Desembargadora derruba decisão que bloqueou R$ 29 mi em bens de Doria

O juiz havia considerado que há indícios de que Doria feriu os princípios da impessoalidade e da moralidade administrativa

Precisamos repensar nossa visão em relação ao índio brasileiro compreendendo que cada tribo tem peculiaridades e necessidades específicas.

“Andam nus, sem cobertura alguma…. são de grande inocência… fatos de que deduzo que é gente bestial e de pouco saber, … Parece-me gente de tal inocência que, se nós entendêssemos a sua fala e eles a nossa, seriam logo cristãos, visto que não têm nem entendem crença alguma, segundo as aparências… porque certamente esta gente é boa e de bela simplicidade. E imprimir-se-á facilmente neles qualquer cunho que lhe quiserem dar… não lhes falece outra coisa para ser toda cristã… Assim, Senhor, a inocência desta gente é tal que a de Adão não seria maior…” (Carta de Pero Vaz de Caminha ao El Rei D. Manuel, 1/maio/1500)

A primeira descrição do índio brasileiro já mostra como este sempre foi mal interpretado e pouco conhecido. São considerados como crianças inocentes, comparados a animais, a Adão ou a uma página em branco onde se poderia “escrever” o que bem se entendesse, até mesmo a fé cristã. A percepção de Caminha segue o pensamento de seu tempo. À medida que os europeus foram expandindo seu domínio além-mar, entraram em contato com povos até então desconhecidos e duas ideologias opostas foram ganhando força: o índio era bom e puro e o civilizado era mau e pecador, ou, o índio era selvagem e mau e o civilizado possuía a missão de levar-lhe a fé e a sua cultura. Essas duas ideologias concorrentes deram origem a alguns estereótipos sobre os povos indígenas que perduram até hoje.

Quando Caminha escreveu a carta, havia cerca de 1,5 milhão de índios no Brasil. Hoje restam cerca de 350 mil. Em 519 anos tribos inteiras foram dizimadas, quer por doenças, quer pela ganância dos “conquistadores”. Cinco séculos se passaram e ainda há quem defenda a inocência dos índios e a sua preservação em uma redoma, como se fosse possível isolá-los do restante do mundo. Estes atacam ferozmente o trabalho dos missionários alegando ser o evangelho prejudicial à cultura indígena. Outros, veem o índio como um ser indefeso, quase uma criança, necessitado da bondade do civilizado, que se mostra através de doações de alimentos, roupas e remédios. Esta visão assistencialista foi perpetuada por algumas missões evangelísticas nos anos 70-90. Poucos são os que procuram em ver o indígena como ele é, de forma igualitária na dignidade e respeitosa nas diferenças. O índio é um ser humano criado à imagem e semelhança de Deus (Gn 1.27) e como tal deve ser respeitado e valorizado. Mas ele também é carente da glória de Deus (Rm 3.23) e precisa ouvir a mensagem de salvação (Mc 16.15) a fim de que um dia estejamos todos, de todas as nações, tribos, raças e línguas diante do Cordeiro, louvando-o por toda a eternidade (Ap 7.9-10). É hora da Igreja sair de acomodação e se envolver com missões indígenas, atendendo a ordem de Cristo (Mt 28.19).

Precisamos repensar nossa visão em relação ao índio brasileiro compreendendo que cada tribo tem peculiaridades e necessidades específicas. Enquanto algumas tribos alcançaram um bom desenvolvimento sócio-econômico, outras vivem na miséria e no analfabetismo.  Há muito a ser feito. Procure conhecer as organizações religiosas que atuam entre povos indígenas, pesquise, envolva-se, compartilhe, acompanhe as decisões do governo sobre o assunto, as notícias nos jornais, ore e acima de tudo, permita que Deus o use para transformar vidas em nosso país.

Lidice Meyer Pinto Ribeiro é Pós Doutora em Antropologia e História (USP), Doutora em Antropologia Social (USP). Docente e Coordenadora de Educação Continuada da Universidade Presbiteriana Mackenzie – SP. Investigadora integrada da Universidade de Lisboa, Portugal


Leia mais

O evangelho nas tribos indígenas do Amazonas

- Publicidade -

Matérias relacionadas

“Sentido” é o novo álbum musical de Leonardo Gonçalves

Gravado em Praga, na República Tcheca, álbum conta as canções que marcaram os mais de 20 anos de carreira de Leonardo Gonçalves

Quando Deus nos dá o livramento!

Assim que foi imobilizado pela equipe de resgate, mandou uma selfie para a namorada para contar que estava tudo bem. Saiba mais!

Conexão de hoje: “Salomão, meu sócio! E agora?”

O tema da live será “Salomão, meu sócio! E agora?”. Comunhão transmite Ao vivo, a partir das 19h. Assista aqui!

Dicas para fortalecer os laços familiares

Família perfeita não existe, mas, com ajustes, é possível conviver com leveza e alegria.

Nigéria: Estão suspensos projetos de tradução da Bíblia

Esse anos, os tradutores da Bíblia não conseguiram se reunir na Nigéria para verificar o trabalho de tradução uns dos outros por conta da pandemia, terrorismo e violência no país. Saiba mais!

Gabriela Rocha e Kim Walke cantam “Teu espírito”

O lindo dueto entre Gabriela Rocha e Kim Walke está emocionando milhares de pessoas ao redor do mundo. Conheça a canção

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

Semana dos manuscritos do Mar Morto; Saiba mais!

Arqueólogos e especialistas vão apresentar um dos mais impactantes achados da humanidade, na semana dos manuscritos do Mar Morto. Evento, que começa nesta segunda,19, é gratuito!

Live Solidária “Um Com Eles” em Libras

A live solidária, realizada pela Portas Abertas, será transmitida pelo Facebook, e estará acessível a todos que entendem a língua brasileira de sinais. Saiba mais!

Desafio Superação em corrida virtual; É neste domingo, 18

Em alusão ao Outubro Rosa, o Desafio Superação vai mobilizar mulheres cristãs de todo o Brasil em prol da saúde. Saiba mais!

Vovô Raul Gil recebe artistas gospel em live; Saiba mais

A live gospel do Vovô Raul Gil será no dia 21 de outubro e vai reunir personalidades e artistas evangélicos. Saiba mais!
- Publicidade -

Plugue-se

“Sentido” é o novo álbum musical de Leonardo Gonçalves

Gravado em Praga, na República Tcheca, álbum conta as canções que marcaram os mais de 20 anos de carreira de Leonardo Gonçalves

Respostas simples para questões complexas sobre a fé cristã

"Cristianismo bem explicado" é o quarto livro da série da Mundo Cristão, dedicada a esclarecer pontos difíceis sobre convívio social, Bíblia e teologia.

Kemuel fará reality; Novidade será anunciada em live

Isadora Pompeo, Rebeca Carvalho, Sarah Beatriz, Neil Barreto, Felipe Vilela e Pyero Tavolazzi são alguns dos convidados da live com Kemuell neste domingo, 25

Lenda da indústria da música, Mariah Carey e o despertar da fé

Em seu livro "The Meaning of Mariah Carey" (O significado de Mariah Carey), a cantora pop , Mariah Carey, disse que depois de encontrar o Espírito Santo durante sua juventude, sua fé em Deus foi despertada. Saiba mais!