21.9 C
Vitória
domingo, 24 outubro 2021

Igreja Presbiteriana na América proíbe ordenação de pastores gays

A Igreja Presbiteriana na América soma cerca de 385.000 membros em 1.927 congregações nos Estados Unidos

Por Marlon Max 

A Igreja Presbiteriana na América (PCA) votou na quinta-feira (1) pela proibição de homens gays de servir no ministério. De acordo com o jornal Washington Time, a votação para mudar seu documento de governo veio na 48ª Assembleia Geral da denominação, realizada esta semana em St. Louis, no estado de Missouri.

A mudança de regra, conhecida como “Abertura 23”, irá para os órgãos da igreja local conhecidos como “presbitérios” para uma votação antes de uma segunda rodada de votação da convenção no próximo ano que colocaria a linguagem no “Livro da Ordem da Igreja” da denominação, que governa a prática PCA.

Após a votação, um texto contundente foi publicado pela denominação. A linguagem revisada do documento detalha aspectos comportamentais que possam conflitar com o dogma da igreja ou interpretação Bíblica.

“Aqueles que professam uma identidade (como cristão gay, ” cristão atraído pelo mesmo sexo ‘,’ cristão homossexual ‘ou termos semelhantes) que mina ou contradiz sua identidade como novas criações em Cristo, seja por negar a pecaminosidade dos desejos decaídos (como, mas não se limitando a, atração pelo mesmo sexo) ou negando a realidade e esperança da santificação progressiva, ou por falhar em buscar a vitória capacitada pelo Espírito sobre suas tentações, inclinações e ações pecaminosas não são qualificado para ofício ordenado.”

Na Inglaterra, a Igreja Metodista decidiu aprovar o casamento entre pessoas do mesmo sexo. A votação aconteceu durante a convenção da denominação. A votação realizada terminou com 254 a favor e apenas 46 contra.

Nos EUA foi diferente. A Presbiteriana manteve a posição histórica contrária ao tema. Durante um longo debate, Chris Norris do Presbitério do Calvário disse: “A santificação começa com a identidade de uma pessoa como uma nova criação em Cristo … Assumir uma identidade gay vai contra a nova criação.”, declarou ao jornal Washington Times.

Os votos são parte de uma tendência contínua do PCA, que tem quase 400.000 membros nos EUA, de defender as visões bíblicas sobre casamento e sexualidade. Elementos liberais, liderados por um grupo conhecido como Revoice, exortaram a igreja a ter uma atitude mais receptiva em relação aos gays no ministério, que as igrejas cristãs conservadoras têm resistido.

O reverendo Greg Johnson, pastor da Igreja Presbiteriana Memorial, se opôs às medidas e admitiu suas lutas contra a atração pelo mesmo sexo, expressou seu desapontamento via Twitter:
“As alterações de sexualidade desta noite [Assembleia Geral do PCA] que foram aprovadas ainda exigem aprovação de 2/3 dos presbitérios regionais e aprovação da [Assembleia] do próximo ano. Se aprovado, eles não me removerão do ministério. Mas envia uma mensagem triste. Para você que está de luto, eu lamento com você. “

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se